quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

NELSON MANDELA MORRE AOS 95 ANOS EM TSHWANE

 

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Guerrilheiro e ativista, Nelson Mandela foi um dos mais importantes militantes contra o regime de separatismo racial que durante muitos anos dominou a política da África do Sul. Ficou preso durante 27 anos e, anos depois de ser libertado (1990), foi eleito presidente do país. Ultimamente ele estava muito doente e faleceu em consequência do agravamento de sua infecção pulmonar.

Nelson Mandela fica como um dos símbolos da luta pelos direitos humanos, tornando-se um personagem histórico de grande importância entre os movimentos ativistas do mundo inteiro.

Nelson Mandela morre aos 95 anos em Tshwane

Do portal Vermelho

Morreu nesta quinta-feira (5) aos 95 anos o ex-presidente da África do Sul e eminente lutador contra o regime de segregação racial do apartheid no país, Nelson Mandela, segundo anunciou no início desta noite o presidente do país, Jacob Zuma, em Tshwane, nome local da cidade de Pretória, capital do país.

Segundo informações médicas, desde 26 de junho Mandela se encontrava em "estado vegetativo permanente". Ante o estado crítico de Mandela, os médicos aconselharam aos familiares na época que desligassem as máquinas que mantinham vivo o ex-presidente.

Em 8 de junho Mandela sofreu uma piora em seu estado de saúde, com uma infecção pulmonar que o fez retornar ao hospital em "estado grave mas estável".

Era a segunda vez em dois meses que o ex-presidente sul-africano era hospitalizado por causa do mesmo problema de saúde que o fez ser internado em março de 2013 e dezembro de 2012.

Mandela passou três semanas em um hospital de Tshwane e posteriormente foi submetido a uma operação de extração da cálculos biliares.

Mandela foi o primeiro presidente negro da África do Sul e lutou durante décadas contra o regime de segregação racial do 'apartheid', imposto pela minoria branca euro-sul-africana.

Em 1990 foi libertado depois de cumprir 27 anos de prisão, por sua luta contra o regime racista da África do Sul, isso fez com que recebesse o Prêmio Nobel da Paz em 1994.

KERI RUSSELL ESTÁ SOLTEIRAAAAA!!!!!!!!


A estonteante atriz Keri Russell está solteira. Ela e o marido Shane Deary já viviam separados há alguns meses, mas somente decidiram anunciar o fim do casamento de sete anos agora.

Numa edição recente da revista Capitol File, Keri aparece sem aliança na mão esquerda e na entrevista enfatizou sua vida com seus dois filhos, River, de seis anos, e Willa, que fará dois anos este mês.

Keri é considerada uma das mais fascinantes e sedutoras atrizes de sua geração, tendo se destacado no seriado de TV Felicity. Atualmente ela está no seriado The Americans.

A separação de Keri e Shane é amigável. Os dois estavam casados há sete anos.

PREZUNIC AINDA NÃO REPÔS FARINHA DE COPIOBA BAIANA


Até agora, a rede de supermercados Prezunic não repôs os estoques da marca baiana de farinha de copioba Torradinha da Bahia, apesar de ser do mesmo dono da rede de supermercados G. Barbosa, sediada em Salvador.

A seção de farinha continua estagnada, com as marcas Granfino, Chinezinho e Tipity monopolizando o mercado, só competindo com a marca Vascaína, de Santa Catarina. Só que o Sul é conhecido por sua farinha de péssima qualidade, que mais parece uma farinha de trigo ruim cozida.

O mercado fluminense de farinha é até melhor que o do Sul, mas bem inferior ao do Nordeste. E a farinha de copioba é um tipo diferente de farinha de mandioca, que quase não há no mercado sudestino, pelo menos o do Rio de Janeiro. E a farinha nordestina é considerada de produção artesanal, tendo maior qualidade e sabor.

Não dá para entender, ainda, por que o Prezunic ainda não se dispôs a repor a farinha Torradinha da Bahia, mesmo com as chances de permuta com o G. Barbosa. Além disso, a farinha Vascaína não está tendo bom retorno de vendas. E nem a farinha de mandioca da marca Yoki teve o estoque reposto. Só tem a Vascaína e as marcas dominantes no mercado fluminense.

Isso é mal. Sobretudo em Niterói, cidade conhecida pela péssima logística de produtos. Só falta termos que comprar pela Internet a farinha de copioba que tanto faz falta no mercado fluminense e que poderia muito bem ensinar aos produtores do Estado do Rio de Janeiro como fazer uma farinha de modo artesanal e com muito sabor.