terça-feira, 12 de novembro de 2013

PÚBLICO DA 89 FM E CIDADE FM "ROQUEIRAS" SE CONTENTA COM POUCO


Sob a desculpa de que preferem o "rock contemporâneo", os adeptos da 89 FM e da antiga "rádio rock" Rádio Cidade (RJ) - da qual existe uma campanha pela sua volta no Facebook - mostram que, em termos de cultura rock, eles se contentam com pouco.

Eles se conformam em ouvir apenas o hit-parade associado ao rock, desde que o som seja eficaz como trilha sonora de suas catarses emocionais. Mas a discriminação que passam a ter com o rock antigo mostram a total insegurança de irem além desse cardápio limitado.

As duas rádios nem de longe cobrem o básico da cultura rock. As duas se limitam a tocar apenas os sucessos da MTV. Muitos perguntam se a existência de videoclipe prevalece mais como critério do que até mesmo a relevância de um artista na cultura rock, tamanho é o grau de convencionalismo no cardápio musical das duas rádios (a Cidade, entre 1995 e 2006, valendo também para a Cidade Web Rock).

Os ouvintes também não se incomodam se as linguagem das "rádios rock" são exatamente idênticas às FMs de dance music, principalmente no que diz à locução, que adota um padrão de dicção inadequado para o perfil verdadeiramente rock e, como se não bastasse, importa gírias da cultura clubber, como "balada", "galera", "bombar" e "irado".

O público também defende atrações não-roqueiras, como o Rock Bola e os Sobrinhos do Ataíde, apenas porque fizeram seu marketing em rádios rotuladas de "rock". E não se importam com as vinhetas típicas de FMs pseudo-roqueiras em que a palavra "rock" é pronunciada como se alguém estivesse arrotando na ocasião.

VISÃO PROVINCIANA - A visão um tanto corporativista da dita "nação roqueira" da Cidade e da 89 revela um grau de provincianismo muito grande. O desprezo ao rock que não faz sucesso é grande, não apenas no rock mais antigo, mas também no rock mais novo, já que, por exemplo, uma banda como Beady Eye, formada por ex-membros do Oasis após a saída de Noel Gallagher é praticamente desconhecida até dos programadores da 89.

Além disso, essa visão também encontra afinidade com a visão corporativista geral dos radiófilos, para os quais qualquer decisão empresarial que envolve rádio FM - descontando as "lágrimas de crocodilo" quando rádios históricas são extintas - é tratada como se fosse decisão divina.

O público "roqueiro" dessas rádios têm preferência no seu gosto musical a bandas de poser metal, principalmente Guns N'Roses e Bon Jovi, ao rock brasileiro pós-Raimundos e pós-Mamonas Assassinas, ao poppy punk da linha Offspring e o nu metal.

Nenhum comentário: