domingo, 20 de outubro de 2013

O ROCK ATÉ VAI BEM... À REVELIA DAS DITAS "RÁDIOS ROCK"


Como mercado, o rock está em baixa. Como fenômeno de massa, está pior ainda. Mas dentro do público de rock, o rock continua bem como sempre esteve, já que desde os anos 90 rock virou coisa de roqueiro, sem uma mídia que o representasse de forma genuína e abrangente.

O que hoje temos, por exemplo, como "rádios rock", são quase sempre apenas emissoras POP travestidas de roqueiras, com aquelas mesmas vinhetas em que um cara parece estar arrotando quando pronuncia a palavra ROCK ou então pronuncia a palavra como se fosse um sapo dizendo CROAC.

Enquanto garotões sarados, com jeitão (e voz) de animadores de gincana infantil, tentam dar a impressão de que são "roqueirões da pesada" com informações e repertório de rock ou coisa parecida que já chegam prontos dos escritórios das gravadoras, quem realmente entende de rock e poderia estar em rádio hoje sobrevive às custas de consertos de aparelhos eletrônicos e outros bicos.

Isso fez o radialismo rock decair muito, e diante da mediocrização geral do nosso país em que alguns se atrevem a dizer que até Raça Negra e Leandro Lehart são "cultura alternativa", poucos conseguem dar conta da decadência, chamando meras "Jovem Pan 2 com guitarras de "verdadeiras rádios rock".

Embora haja muito lero-lero para dizer que as tais "rádios rock" (ou rádios-croac, vide as vinhetas típicas) estão em alta e foram elas que "trouxeram as maiores bandas de rock do mundo", elas estão tão em baixa que até agora a única banda próxima de "revelação do rock" que estourou nacionalmente foi uma tal de Pollo... Que rola fácil nas rádios de pop dançante e brega do país.

Antes que tais "rádios rock" se autopromovam às custas de concertos de rock, é bom deixar claro que, muito antes delas jogarem suas logomarcas nos anúncios promocionais desses eventos, um trabalho sério é feito por produtores culturais e assessores de comunicação sem que qualquer radialista "irado" dê seu pitaco sobre isso ou aquilo.

Além do mais, muito antes da divulgação nessas FMs, os eventos de rock já são previamente conhecidos pelos fãs, muitas vezes até com mais tempo de antecedência. Já existe, pelo menos, um sistema de comunicação entre roqueiros, além da mídia exclusiva da Internet, que estabelece contatos sobre novidades e notícias diversas, que não dependem de FM comercial para isso.

Daí Black Sabbath, Iron Maiden, Monsters Of Rock, tudo isso de conhecimento dos fãs sem qualquer influência dessas FMs comerciais que tentam parecer "nervosas" e "malvadas" - tem até locutor "engraçadinho" que formou bandinha de pseudo-punk de fazer o Billy Idol parecer Jello Biafra - , mas que no fundo pensam e agem igual que qualquer FM poperó que existe por aí.

Nenhum comentário: