domingo, 12 de maio de 2013

SERIADOS "INCOMPREENSÍVEIS" TÊM CANCELAMENTO ANUNCIADO


Dois seriados de televisão, um brasileiro e outro norte-americano, já estão com seu cancelamento anunciado, depois de não obterem o sucesso comercial desejado.

Um é o seriado Go On, do Warner Channel, protagonizado pelo ex-astro de Friends, Matthew Perry. Conta a história de um jornalista esportivo e apresentador de TV, viúvo, que depois de se envolver numa briga, descobre que possui problemas psicológicos e decide fazer terapia de grupo, ambiente no qual se concentrou a série, que, se fosse transmitida na TV aberta, poderia ser intitulada Vá Adiante.

Outro é o seriado O Dentista Mascarado, da Rede Globo, protagonizado pela revelação do humor nos últimos anos, Marcelo Adnet. Apesar dele escrever textos de humor, ele é apenas ator do seriado, já que os textos são do casal Fernanda Young, também apresentadora, e Alexandre Machado, também publicitário. Conta a história de um dentista que se envolve em tramas policiais.

As duas séries foram bem intencionadas e os atores protagonistas são prestigiados. Os elencos também eram bons, em ambos os seriados, destacando a beleza da maravilhosa Taís Araújo. Mas o problema é que, embora os seriados fossem interessantes, as duas tramas foram consideradas "incompreensíveis" pelo grande público, e isso pesou para que a crítica pegasse pesado em ambos os seriados.

Matthew não é o primeiro astro de Friends - série que marcou a década de 90 e que até durou mais do que devia - a ter um novo seriado fracassado. Matt LeBlanc também amargou o fracasso com o seriado Joey, que era até um spin-off (derivado) do seriado que também teve Jennifer Aniston e Courteney Cox.

Quanto às criações de Fernanda Young e Alexandre Machado, consagrados pelo seriado Os Normais, O Dentista Mascarado pode não ser o melhor da dupla, mas mesmo assim parece bastante divertido e engraçado. O fato de que este seriado não tem a ironia poética do anterior, Como Aproveitar o Fim do Mundo, é apenas uma diferença de enredo e não um defeito.

Os seriados não são chatos de se ver, mas o público médio não consegue entender um jornalista esportivo que decide fazer terapia de grupo nem um dentista que decide ser um misto de agente secreto e policial depois de recusar-se a ser policial propriamente dito.

Também parecem "incompreensíveis" as piadas e as situações envolvidas pelo "dentista paladino" e a interação dos vários personagens de Go On que quase transformam o personagem Ryan King (de Matthew) em "secundário". São detalhes que não incomodam, mas para a exigência imediatista do mercado, parecem erros graves.

Não se sabe se os dois seriados vão se tornar cult no futuro, como promete ser o seriado Grosse Pointe, cancelado precocemente em 2000 e que contava a história de uma produção de um seriado de TV. Isso sem falar, no caso de desenhos animados, no seriado A Turma do Manda Chuva, que só durou um ano (de 1961 a 1962), mas se tornou um clássico da animação.

No entanto, os dois seriados encerrarão sua trajetória - ainda está na exibição de seus episódios já produzidos - como tentativas simpáticas de oferecerem novas atrações de humor na televisão comercial. Os dois seriados poderiam ter durado um pouco mais. Mas são as regras do mercado...

Nenhum comentário: