segunda-feira, 25 de março de 2013

MÚSICA DO ELECTRONIC SERIA UMA CRÍTICA ÀS "POPOZUDAS"?


A dupla de Manchester Electronic, de Johnny Marr (ex-Smiths) e Bernard Sumner (New Order), é um projeto musical subestimado. Johnny, um dos maiores guitarristas dos anos 80 e um dos mais inspirados compositores de sua geração, e Bernard Sumner, vocalista de uma das principais bandas que fundem pop dançante e rock como ninguém e ex-guitarrista do Joy Division, têm carreiras musicais de respeito.

Pois o grupo, de um repertório que pode fazer os roqueiros radicais torcerem o nariz, mas que, sem dúvida alguma, é feito com muita competência - embora, no estilo, o Electronic se aproxime do New Order e, a exemplo do guitarrista Bernard no NO, Johnny também se aventura nos teclados - , gravou um considerável repertório de boas canções.

Uma delas, de 1991, se chama "Reality", e aparentemente a letra é um recado contra uma moça sem graça e desprovida de inteligência. Mas a letra poderia ter uma mensagem subliminar para os dias de hoje, a julgar pelo fato de que, no Brasil, por exemplo, há os reality shows cujas "musas", na sua maioria, são pouco atraentes mesmo sendo bonitas, e são desprovidas de inteligência e compostura.

Note-se que o refrão também mostra uma mensagem subliminar no arranjo, já que os versos "I don't need you anymore / I'm not the man you're looking for" são cantados por Bernard sob o som do teclado imitando uma cuíca. Seria uma alusão ao fato de que as musas vulgares brasileiras, as chamadas "popozudas", têm nas escolas de samba sua maior "vitrine"?

Vamos ver a letra abaixo e sua tradução livre, e quem for ler que tire suas conclusões pessoais:

Reality

Electronic (autoria de Bernard Sumner e Johnny Marr)

You keep calling but I'm not at home'
To give me your explanation 

I'm not waiting by the telephone
With a feeling of frustration 

I always thought that if you understood
You'd clean up this mess and you'd do me some good

I don't need you anymore 

I'm not the man you're looking for

Can't you see there's nothing in your head
And your body's on vacation
I keep hearing what I never said
You got me in your conversation
Now it's too late and you get what you see
I don't like this hatred, it just isn't me


Realidade

Você me telefona e não estou em casa
Pra você me dar alguma explicação
Não estou aguardando telefonema
Para ficar sentindo frustração
Eu sempre pensei que se você entendesse
Você deixaria esta bobagem e me faria bem assim

Eu não preciso de você jamais
Não sou o homem que você procura na vida

Você não vê que nada há em sua cabeça
E seu corpo está de férias
Me mantenho ouvindo o que eu nunca disse
Você me tem na sua conversa
Mas agora é tarde e você conseguiu o que você vê
Não gosto desta raiva, isso não sou eu

Nenhum comentário: