quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

VERGONHA É SÃO PAULO TER UMA "RÁDIO ROCK" TIPO A UOL 89 FM



Há alguns meses, o vocalista da banda Ratos do Porão, João Gordo, disse que "era uma vergonha uma metrópole de São Paulo ter só uma rádio de classic rock", julgando "imprescindível" a volta da dita "rádio rock" 89 FM, atual UOL 89 FM.

Evidentemente, muita gente "viajou na maionese" achando que voltou a "verdadeira rádio rock", "a melhor rádio rock do mundo" e outras inverdades. É pessoal muito provinciano mesmo que não entende coisa com coisa, que até acho que essa "nação roqueira" andou ouvindo "funk carioca" e "sertanejo universitário" demais.

Ouvi, com paciência de Jó, a programação da UOL 89 FM na Internet. Procurei conferir a programação da rádio, com a boa vontade de quem quer conferir se esse oba-oba todo era verdade ou não, e sou obrigado a pensar que não. Tudo não passou de pasmaceira, igualzinho criança quando vê gerente de supermercado fantasiado de Papai Noel e acha que é o próprio bom velhinho vindo do Pólo Norte que está lá.

É muita tolice, muita ingenuidade, muita burrice, mesmo. E olha que eu, há 30 anos atrás, com doze anos de idade, me achava um menininho comportado demais para ouvir uma rádio de rock de verdade que era a Fluminense FM. Hoje parece que sou o único a defender o radialismo rock naqueles moldes, mais do que muito surfista sarado e muito headbanger durão.

A UOL 89 FM mais parece uma rádio de menininho, depois de ter sido rádio de menininha entre 2006 e o ano passado. Eu, pessoalmente, preferia que a 89 nunca tivesse voltado, e tenho uma grande vontade de montar uma banda de rock só para NÃO MANDAR MATERIAL PARA A UOL 89 FM.

O repertório é puro hit-parade roqueiro, bastante preconceituoso com a verdadeira essência do rock, já que se limita a tocar uns poucos nomes manjados dos anos 90 para cá, na melhor das hipóteses. Há uma discriminação maior ao rock mais antigo, inadequado para uma rádio que, para o mercado publicitário, se assume, em tese, como uma rádio de "rock em geral" e não de "rock mais novinho".

O playlist é pior do que rádio de shopping center de tão previsível. Você não precisa ouvir a rádio para saber que música de tal banda será tocada. Se for Oasis, geralmente são "Wonderwall" e "Don't Look Back in Anger". Se for Blur, "Boys and Girls" e "Song 2". Se for "Pearl Jam", dificilmente algo além do álbum Ten. Se for Smiths, desista, são só alguns cinco sucessinhos, nada muito além de "The Boy With The Thorn in His Side".

Não dá para gastar energia elétrica ou bateria ouvindo uma bobagem dessas. E, com toda a minha boa vontade em ouvir o tal programa de rock nacional, não engoli o "Temos Vagas", com o tal do Tatola - que fala como se Celso Portiolli soltasse mais a franga - , que há quem veja nele um músico de "punk sério", mas que eu, por bem da lógica, prefiro defini-lo como "ancestral do Pe Lanza".

Não há como aceitar um cara desses, com voz de DJ de pop dançante mais bobo - quem pensou Jovem Pan 2, acertou! - e que fica dizendo coisas do tipo "Voltei de um baladão". Pelo amor de Deus!! Dizer "baladão" numa "rádio rock que nunca deveria ter saído do ar" é dose!! Enfurece até budista!!

Vergonha é ter uma rádio rock dessas numa metrópole como São Paulo. A UOL 89 FM mais parece uma rádio de rock do Acre, encalusurada na mentalidade pop-debiloide que já "queimou" a emissora anos atrás. Por isso mesmo digo que a UOL 89 FM veio para comer poeira, diante da abrangência e da competência das rádios de rock estrangeiras, diante das quais a UOL 89 não passa de uma drag queen radiofônica.

Temos mais acesso às informações, temos mais facilidade de conhecermos coisas antes consideradas raras e difíceis, para vir uma tal "rádio rock" de São Paulo achar que rock clássico é Guns N'Roses e o novo rock se serve por bandinhas de nu metal tipo Young Guns. É falta de neurônios em cérebros sem funcionamento.

Mas para uma rádio que, em sua história, preferiu exaltar o Bloodhound Gang do que se lembrar dos 20 anos sem Jimi Hendrix, que acha Mamonas Assassinas melhor que Legião Urbana, que adota um tipo de locução das mesmas rádios de dance music que diz abominar, dá para entender por que esse deslumbramento todo dessa garotada que só começou a ouvir rock há uns dez anos para cá.

É o brasilzinho que acha que "gênios" da música brasileira são Thiaguinho, Michel Teló, Ivete Sangalo e MC Naldo, que as "popozudas" são o símbolo da "emancipação feminina", que Fernando Collor de Mello é símbolo de "grande estadista". Para quem acha que o palhaço Bozo merece o Nobel da Paz, é evidente que vai achar a UOL 89 FM uma "baita rádio de rock".

Prefiro ficar com meus CDs, com meu MP3, e montar uma seleção livre e correta de canções de rock. A UOL 89 FM é o tipo de rádio que no primeiro dia se acha legalzinha, no segundo se acha entediante e no terceiro já começa a ser irritante. Antes que eu entre em ataque de nervos, prefiro correr por fora. Em memória das antigas rádios de rock dos anos 80 que não faziam gracinha.

Nenhum comentário: