sexta-feira, 29 de junho de 2012

KATIE HOLMES ESTÁ SOLTEIRA!!!!!!


Eu até tinha simpatia pelo casal Katie Holmes e Tom Cruise, mas é uma boa notícia Katie estar solteira, por ser uma daquelas gatas quentes por trás de um jeitão brejeiro.

Além disso, ao que tudo indica, um dos fatores deve ter sido o envolvimento de Tom com a cientologia, "seita" que anda fazendo a cabeça de algumas celebridades nos EUA e no resto do mundo.

Katie também andava meio apagada. A doçurinha do seriado Dawson's Creek, embora continuasse com seus trabalhos de atriz e até posou para a grife de jóias H Stern, como é o caso desta foto, ela dava a impressão de que vivia à sombra do marido, por mais que se esforçasse para evitar isso.

Tom até era jovial, para um homem 16 anos mais velho do que ela e a poucos dias dele completar 50 anos mantendo a aparência de galã que o marcou em filmes como Top Gun. Mas os limites da religião da cientologia o fizeram Tom impor limites até para sua mulher, que não aguentou e pediu a separação.

Portanto, desejamos boas vindas à belíssima Katie Holmes ao rol das solteiras, que pelo menos no exterior é bem melhor do que o Brasil (onde as solteiras legais são poucas).

A CRISE DO BREGA-POPULARESCO ATRAVÉS DAS MULHERES


Bom demais para ser verdade. Depois de uma semana com duas neo-solteiras excelentes, Vanessa Giácomo e Lisandra Souto - esta como uma "zebra" da temporada, porque ela parecia bem casada - , veio uma enxurrada de musas relacionadas à cafonice cultural ficando solteiras.

Fora as habituais Xuxa e Gaby Amarantos, ou mesmo a hoje integrante do "riélite" A Fazenda 5 (Rede Record), a cantora e dançarina Gretchen, temos desde musas calipígias até "caçadoras de breganejos", ex-BBBs e cantoras popularescas mostrarem que estão sem namorado.

A situação é de tal forma tão dramática que nem mesmo as recentes denúncias de que as dançarinas funqueiras, conhecidas como "mulheres-frutas", andam escondendo maridos e namorados (uns "descobertos" através de reportagens policiais), consegue mudar alguma coisa. Até porque algumas dessas funqueiras ainda não tiveram maridos ou namorados descobertos, e por isso continuam "oficialmente solteiríssimas".

Mas, fora disso, o time das "encalhadas" é de desanimar qualquer cara legal que esteja a procura de uma mulher legal. Tem a Geisy Arruda, que deseja namorar um "homem simples". Tem a Maíra Cardi, ex-Big Brother Brasil, que disse que "se pudesse, estaria namorando", depois de romper relação com um humorista. Tem a Íris Stefanelli, também ex-BBB, que tinha tudo para ser a futura bem casada, mas terminou seu noivado.

E ainda tem a ex-assistente de palco de Gugu Liberato, Helen Ganzarolli, famosa "caçadora de breganejos", que no entanto está solteira há um tempão, apesar de boatos envolvendo novos pretendentes (breganejos, é claro). E tem a cantora de axé-music Alinne Rosa, que terminou um namoro com um ator de TV. Não bastasse Solange Gomes ter aparecido para oferecer beijos a rapazes numa festa junina em Caruaru.

O que um cara legal irá fazer com essas mulheres, simplesmente é inútil pensar. Ir a vaquejadas, micaretas, a noitadas sem serventia, além da natural falta do que conversar e da total incapacidade de trocar ideias, porque, na melhor das hipóteses, só vai dar em briga, é o que se espera de tais situações.

Enquanto isso, as mulheres realmente legais estão casadas. E boa parte delas com caras nada legais, homens sem brilho próprio que geralmente se escondem numa profissão de "liderança", mas que no lazer não sabem o que vão fazer.

Esses homens é que não veem problema em namorar mulheres que vão para vaquejadas, sobem trios elétricos, são místicas e "boleiras" demais, falam gírias tolas como "balada" e não leem livros. Homens que vão para os supermercados com caras de sono e sempre usufruem o lazer com caras de preocupados, simplesmente não deveriam namorar ou se casar com mulheres legais, que não somam coisa alguma para eles.

Imagine se Geisy Arruda ficasse com um economista, Maíra Cardi com um diretor de filmes publicitários e Helen Ganzarolli ficar com um jovem figurão do agronegócio? Se a realidade brasileira fosse menos preguiçosa e menos tendenciosa...