quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

CONFRONTANDO ENTREVISTAS: CHLOE MORETZ VERSUS GEISY ARRUDA


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Infelizmente o Brasil é um país provinciano que, juntando seu bairrismo com uma arrogância narcisista, se acha "moderno" no seu atraso e acredita poder virar potência mundial mesmo sendo um dos piores em Educação.

Quando criticamos a mídia machista, há gente que faz beicinho e, pasmem, há internautas femininas que chegam mesmo a defender valores claramente machistas, como uma tal "marcinha" que saiu defendendo a Solange Gomes. E que defenderia, do mesmo jeito, Nicole Bahls, Maíra Cardi, Geisy Arruda etc.

A título de comparação, mostramos aqui duas entrevistas. Uma com a atriz norte-americana Chloe Grace Moretz, que vem se destacando, aos 15 anos, por diversos papéis, inclusive protagonizando a nova versão de Carrie a Estranha. Outra entrevista é com a "celebridade" Geisy Arruda, protegida de Gugu Liberato, e que havia feito aquela pegadinha na Universidade Bandeirantes, há três anos.

Note que Geisy tem 23 anos e havia cursado a faculdade. Chloe é ainda uma adolescente, apesar de sua beleza estonteante já chamar a atenção em sítios que destacam a beleza e a sensualidade femininas. E nota-se que a entrevista com Chloe é bastante substancial, enquanto a de Geisy expressa o vazio e a superficialidade das musas vulgares.

Primeiro, vamos reproduzir a entrevista com a Chloe, que é menos famosa, e depois mostramos a entrevista com Geisy, mais conhecida dos brasileiros e que chama mais a atenção. Por isso, para quem quiser saber "tudo" (sic) sobre Geisy, tem que encarar primeiro a entrevista com Chloe Moretz.

Curiosamente, até a forma que o bullying é descrita difere muito em uma e outra entrevista.

Chloe fala sobre Carrie, cena de formatura e papéis obscuros

Do sítio Chloe Moretz Brasil

Durante o New York Comic Con, Chloe deu uma entrevista falando sobre a primeira versão de Carrie, a versão atual e sobre sua apreciação por papéis obscuros.

Você já viu a versão DePalma de 1976 do filme?

Sim, eu vi o filme original, quando eu tinha uns 13 ou 14, e eu amo o filme original. Eu acho que foi um filme muito bem feito. Foi muito teatral - que era um filme muito grande. Eu não tinha lido o livro até reservei a parte. E foi aí que eu absolutamente realmente me apaixonei por ele. E todos os dias no set, cada cena que eu tinha, eu comparei a cena no livro para a cena no roteiro. Eu escrevi todas as notas e todas as idéias que eu tinha para como deveria ser a cena, e então eu iria para o set e gostava de olhar para o que Stephen fez. Eu mesclava os dois juntos, e é aí que eu criei esse tipo de grande colaboração entre o livro e minha ideia.

Você atuou lindamente em papéis obscuros, principalmente em "Deixe-me entrar" e "Kick Ass". O que fez você querer assumir Carrie?

Bem, você sabe, o que realmente me atrai em um material mais escuro é que eu não gosto de atuar personagens realmente de luz, no sentido de que eu não gosto de interpretar personagens que são mais como eu. Porque eu tenho uma vida boa, eu tenho uma mãe que me apoia, eu tenho uma grande família - e esse tipo de material é um tipo chato para mim. Eu gosto de interpretar personagens que realmente se estendem de mim e realmente me faz sentir algo que eu nunca senti antes, e me faz expressar sentimentos nunca expressos antes.Não é exatamente indo só para um gênero, e isso só acontece a cair na região mais escura.


Carrie tem uma história muito atemporal. O que te tocou no livro de Stephen King?

O que eu achei tão incrível são as dimensões que vão junto com Carrie e como no livro, ela não é apenas uma garota com raiva que não tem razão de ser louca e só quer machucar as pessoas por causa de pessoas feridas. Carrie é uma pessoa que é colocada para baixo por todos ao seu redor, até mesmo pela pessoa que ela mais ama, sua mãe. Ela olha para a sua mãe mais do que qualquer outra pessoa no mundo, e que é a principal pessoa em sua vida, que ainda lhe diz: "Não, você nunca vai ser nada." Mas, realmente, você também percebe que Margaret tem que lidar com as próprias questões de seu passado. E é por isso que neste filme, obviamente você não vai muito longe até a infância de Margaret ... mas você tem uma noção do que tinha acontecido e ... por que ela está tratando sua filha deste jeito. Eu quis ler o livro porque o livro te leva mais para longe do que um roteiro pode sempre levá-lo, e ele acrescenta uma outra dimensão e outra camada para o seu personagem.

No filme original, Carrie está sempre de olhos arregalados e muito semelhante a uma vítima, enquanto no livro ela demostra ser muito mais irritada. Para que caminho você está levando sua personagem?

É meio-a-meio. O que eu realmente queria mostrar com o meu personagem é que ela não era ingênua a ponto de estupidez. Ela entendia tudo o que estava acontecendo ao seu redor a ponto de que ela sobre-compreendia o que as pessoas estavam dizendo para ela. O que acontece com Carrie é que todo ruim que é posto para fora em sua direção, ela toma mais do que as pessoas sequer percebem. E ela se torna mais forte e mais difícil, e depois no baile que ela se quebra. E foi aí que tudo o que ela mantia guardado, tudo o que ela manteve contida de sua mãe, seus colegas, seus professores, todos ao seu redor - ela se desenrola. A telecinese leva tudo o que é seu sentimento mais forte no momento e que multiplica por mil. E é por isso que ela é assim.

Este filme está sendo refeito com um diretor do sexo feminino. Você acha que fez a diferença, talvez ajudando a explorar algumas áreas diferentes?

Completamente. Ela trouxe um aspecto materno para o filme que eu não acho que você poderia ter obtido de outra maneira, porque trabalhar com Kim - quando você menciona a palavra "período" com um homem, ele julgam sabe? Eles vão dizer, "Oh, isso não é real, certo? Isso não acontece! "E então, com uma mulher, é apenas uma parte da vida e é parte de quem você é, e isso é o que acontece. Neste filme eu era capaz de me conectar com Kim em um nível tão pessoal ... criamos esse elo íncrivel juntas - este vínculo materno. Eu me senti tão seguro e tão confortável para fazer o que eu tinha que fazer neste filme, porque ela poderia me colocar na posição em que eu nunca me senti tão seguro e inseguro, ao mesmo tempo. É um personagem tão inseguro que eu tive que tirar tudo o que eu tinha construído até comigo mesma, e as oportunidades que me foram dadas e onde eu estou agora ... e eu tive que tira-lo fora. E eu tive que tirar todas as minhas inseguranças ... e eu tive que trazê-los em mim. É por isso que, quando você vê este filme, você vê algo que - como eu - eu nunca tinha feito antes em tela. E eu nunca fui capaz de colocar isso para fora, e sentiu-se seguro o suficiente para colocar isso para fora. E neste filme que eu fiz, porque Kim e Julianne [Moore, que interpreta Margaret] me permitiu.

Dirigindo-se a imagem promocional que foi lançada de você coberta por sangue, primeiro: como foi para você criar a cena icônica? E também, parece que você não está em pé em um ginásio - a cena vai acontecer em um cenário diferente?

Eu não posso obviamente dizer muito, mas há o ginásio e no ginásio acontece, e eu tenho que ir para casa. E a única coisa que foi realmente muito legal com o nosso filme é que, com o tipo DePalma, ela foi direto do ginásio para casa ... enquanto que no nosso filme realmente mostra que arco de plenos poderes telecinéticos de como no ginásio, foi apenas crescendo, e então ela se agrava, e pelo tempo que ela está em casa você vê-lo chegar até o fim e se trata de um círculo completo. Essa menina que começa não querer mais estar nos braços de sua mãe, sai dos braços da mãe, e depois até o final do filme tudo o que ela quer fazer é estar nos braços de sua mãe. Então, sim, também, estar no sangue, foi muito divertido e foi como um louco e tudo a sim - a diversão típica realmente aconteceu, também.

Que tipo de peso ou responsabilidade é assumir o termo "bullying" que agora é um assunto tão consciente?

Bem, na minha vida pessoal, como Chloe, eu lidei com um monte de coisas diferentes e pessoas, você sabe, eu fui feita de muita diversão. E você acha que só porque eu sou atriz teria sido tudo muito legal, na verdade, nem tudo é legal para algumas pessoas, porque eles se sentem ameaçados, e então colocam você para baixo e então você tem que se tornar uma pessoa melhor . Uma das principais coisas é que não é realmente o bullying, é só nunca ter ouvido não, sempre que está sendo dito não, e ser quem você quer ser - é o que Carrie representa. E é por isso que quando você assistir a este filme, ele estará tomando tudo o que alguém já disse, "Não" e você está vivendo para ele. Você está vivendo com ela.

======================================================

Geisy Arruda esquenta entrevista do eBand e confessa: "Sou totalmente devassa"

Por Tatiane Moreno - Do sítio da TV Bandeirantes

Aos 21 anos, a jovem que teve sua vida transformada após sofrer bullying na Universidade comemora a volta por cima

Há um ano e cinco meses, Geisy Arruda era apenas uma jovem de 20 anos, estudante de Turismo da Universidade Uniban e que gostava de chamar a atenção usando trajes ousados.

No entanto, desde que virou alvo de um bullying por comparecer às aulas com um vestido curtíssimo, ela não passa mais despercebida nem mesmo quando está coberta dos pés à cabeça.

Ao ser atacada moralmente por um grupo de estudantes e ter a cena exposta na internet, Geisy Arruda viu sua vida mudar e, em poucos dias, virou celebridade.

De lá para cá fez lipo, perdeu 15 kg, ganhou novos cabelos, lançou uma grife de roupas, concedeu entrevistas a veículos nacionais e internacionais e ainda participou de um reality show. "Hoje uns cinco veículos já me ligaram pedindo entrevista", contou orgulhosa ao eBand na quinta-feira, dia 10.

O motivo da procura é um só: esta semana ela foi citada para substituir a cantora Sandy no comercial da cerveja Devassa. "Eu li sobre o assunto e achei uma proposta interessante, mas tem outros nomes cotados. O publicitário quer alguém diferente da Sandy, que tenha seu lado comportado. Eu garanto que não tenho, sou totalmente devassa, polêmica. Estou mais para a Paris Hilton", disparou a loira que, entre outros assuntos, falou sobre gravidez, dinheiro e fama.

O que você acha de ser a devassa do próximo comercial?
É interessante, mas não tenho esse lado certinho. Sou totalmente devassa. Gosto de ser assim.

Gostou da Sandy neste papel?
Achei interessante. Não conheço ninguém mais santinha do que a Sandy, desde pequena a vejo assim. Para a proposta foi perfeita, mas faço mais o estilo Paris Hilton. Costumo dizer que sou a Paris brasileira, só que com menos dinheiro (risos).

Que características tem esse seu lado avassalador?
Sou uma mulher menina. Gosto de poder, de dominar, de causar polêmica mesmo.

Então, no fundo, você gostou da reviravolta que aconteceu na sua vida?
Não gosto muito de lembrar como tudo começou, mas é uma coisa que vai ficar para sempre na minha história. Fui vítima de bullying e sou referência no assunto, mas não foram eles [os estudantes da Uniban] que me ajudaram a dar a volta por cima. Eu mesma consegui fazer do limão uma limonada.

Você pensa em voltar a estudar?
Vou retomar meu curso de teatro, que já considero uma faculdade.

E também usa roupas curtinhas para assistir as aulas?
Lá não, porque fazemos muitos movimentos com o corpo, têm muitas cenas. Vou sempre de calça de moleton e camiseta.

Pode dizer que já conseguiu superar o trauma?
Conversei algumas vezes com uma psicóloga e só superei falando sobre o assunto, mostrando para a sociedade o que passei.

O que fez com o dinheiro que ganhou de indenização?
O juiz deu R$ 40 mil, mas meu advogado recorreu porque quer R$ 1 milhão, disse que esse valor foi pouco para o meu caso que teve repercussão mundial. Agora vai demorar, mas acho que nenhum dinheiro paga a humilhação que sofri. Só que, contrariando as expectativas, eu dei a volta por cima. Vou fazer a Escolinha do Barulho, que vai ser um quadro no Programa do Gugu, na Record, e não desisti do meu programa de TV. Estou colhendo os frutos do meu trabalho. Já comprei uma cobertura em Santo André [no ABC Paulista] para a minha família.

Recentemente você divulgou em seu Twitter que poderia estar grávida, porém foi alarme falso. Ainda está com planos de ter um filho?
Não, esse era um projeto que eu tinha com meu ex-namorado, mas terminamos há umas três semanas. Estou solteira e bem assim, focada no trabalho. A gente acaba aprendendo a viver longe da pessoa.

Posaria nua novamente?
Acho que não, meu ensaio [para a revista "Sexy"] é bem recente.

E pensa em fazer outras cirurgias estéticas?
Fiz a lipo, coloquei silicone e estou mantendo. Acho que não preciso de mais nada. Emagreci uns 15 quilos e malho todos os dias.

Para encerrar, como estão suas medidas atualmente?
As do passado eu nem lembro. Faço questão de não lembrar (risos). Hoje estou pesando 65 kg, meço 1,72, tenho 102 cm de busto e 105 cm de quadril.

Nenhum comentário: