domingo, 30 de setembro de 2012

O CASAMENTO DE ANNE HATHAWAY E AS FAMOSAS COMPROMETIDAS


Nunca houve tanto comprometimento de mulheres famosas como nos últimos meses. Não bastassem casamentos, nascimentos de filhos (que consolidam relações conjugais de várias delas) etc, até mesmo famosas que eram solteiríssimas até pouco tempo atrás anunciaram que já arrumaram namorados.

É o caso, por exemplo, de Charlize Theron, Sharon Stone, Heidi Klum e January Jones. Esta última tornou-se mãe solteira mas já arrumou alguém para curtir um romance junto. E, no Brasil, até Débora Nascimento  assumiu namoro com o seu já namorado da ficção, o ator José Loreto.

No fundo, nada contra esses comprometimentos, mesmo o casamento de uma mulher fascinante como Anne Hathaway, numa cerimônia comparável a outra deusa, Natalie Portman, meses atrás. Tanto no exterior quanto no Brasil, os homens estão correndo em busca de mulheres legais, o "mercado" anda muito apertado e até atrizes juvenis, como a brasileira Giovanna Lancelotti e as norte-americanas Ariel Winter e Bella Thorne já arrumaram os seus pares.

Emma Watson e Ashley Greene, então, nem se fala. As duas megamusas, famosas pela sua personalidade bacana e pela beleza e formosura igualmente deslumbrante, não iriam mesmo ficar sozinhas por muito tempo, tamanha a fila de pretendentes que elas têm e que envolve o mundo inteiro (modéstia à parte, guardo meu lugar em ambas as filas).

Mulheres que, além de atraentes, são ótimas para se conviver, estão quase sempre ficando comprometidas. Só sobram umas poucas. E, quando uma Lucy Hale, Hilary Swank e, no Brasil, uma Débora Falabella se tornam solteiríssimas, são exceções à regra. A cada uma Débora Falabella que fica solteira, umas trezentas similares dela estão se casando por aí.

Claro que até mesmo no meio brega-popularesco ou similar a situação é tal que existem mulheres comprometidas até nesse meio. A Solange Almeida do Aviões do Forró contraiu novas núpcias. Nos EUA a Jenny Farley, de codinome esquisito JWoww, está noiva. Pelo menos elas não estão "livres, leves e soltas".

Dançarinas de pagodão e mulheres-frutas do "funk carioca" escondem suas relações conjugais para fazer o papel de "falsas solteiras" visando vender revistas com suas fotos "sensuais" ou desviar os paparazzi de suas intimidades com namorados e maridos, até porque essas "musas" são as que mais percebem o que são as fofocas na mídia.

Mas, no grosso mesmo, mulheres legais ficam comprometidas e mulheres vulgares não. Isso é mal. Principalmente num país em que os rapazes de personalidade mais diferenciada e ao mesmo tempo simples não conseguem, salvo exceções, ter as mulheres que desejam. O Brasil ainda tem uma mídia machista muito forte e persistente, que controla um mercado que movimenta milhões de reais.

Portanto, um fato como o casamento de uma mulher como Anne Hathaway, a exemplo do que aconteceu com Natalie Portman, é de partir o coração. Não são mulheres assim que a gente encontra aos montes nas ruas ou mesmo nas redes sociais da Internet.

Nenhum comentário: