terça-feira, 21 de agosto de 2012

SOLTEIRICE E AS EXCEÇÕES TIDAS COMO REGRAS


Quando coloco no Facebook textos que reclamam de que há mais solteiras "jecas" enquanto a maioria das mulheres legais são casadas, há quem reclame dizendo que nem toda solteira é vulgar ou cafona.

É verdade, mas estas solteiras são mais uma exceção que, no entanto, é "vendida" como regra pela grande mídia. Eu compreendo a situação dessas solteiras, compreendo e apoio, mas infelizmente elas não estão aí aos montes para o que der e vier.

O que tem de maioria, entre as solteiras, são sempre as mesmas baboseiras que vão a "eventos sertanejos" e endeusam breganejos e sambregas (ou "pagodeiros românticos") nas redes sociais. O que mostra que ser um homem legal no Brasil é um suplício, porque quase não há mulheres legais para homens legais. As que sobram nada têm de legais.

Não se mede uma mulher legal pela proporção inversa de seus trajes. Ou seja, uma mulher não se torna mais legal porque usa roupa mais curtinha. Mulher legal é aquela que possui ideias interessantes, bons referenciais culturais, dá para conversar e não é fanática por futebol, religião e cerveja.

Só que essas mulheres legais, em boa parte, são casadas com homens nada legais, que escondem seu caráter insosso e superficial com uma posição profissional de liderança, seja empresário, executivo ou profissional liberal. Gente que, profissionalmente, até mostra grande competência, mas na hora do lazer precisa de alguém para ensiná-los a se divertir e a não fazer conversas pedantes sobre política com outros adultos logo nas festas de aniversário dos filhinhos.

O grande problema é que as poucas solteiras legais que existem no Brasil se superestimam em número. Fulana é "encalhada", tem uma amiga também "encalhada" e uma prima ou vizinha na mesma situação, e por isso pensa que quase todas as mulheres do país são assim. Grande engano.

O que se vê por aí é que mulheres desse tipo são em sua maioria comprometidas ou casadas. Quando muito, estão com namorados e por isso exibem suas mãos "nuas" sem anéis de casamento. A exceção não é regra, é apenas uma exceção que a grande mídia superestima e faz as mulheres se acostumarem mal, por boa-fé.

Por isso, peço desculpas se as solteiras legais se aborrecem quando coloco os desabafos no Facebook. Elas saberão que não estou criticando elas. O problema é que, para cada moça legal que é solteira, existem umas centenas de milhares de solteiras nada legais, dessas que bancam as pretensas "gostosas" ou, quando muito, são extremamente piegas, cafonas e fanáticas.

É essa a realidade. E realidade no Brasil não é um conto de fadas.

Nenhum comentário: