quarta-feira, 4 de julho de 2012

PANIQUETE CAROL BELLI AFIRMA NÃO TER VONTADE PRÓPRIA


Em entrevista recente ao Portal Terra, a paniquete Carol Belli, uma das novas musas do Pânico da Band, disse que "tenta não ser vulgar" mesmo quando o contexto mostra o contrário, apenas de uma forma politicamente correta.

Afinal, as chamadas "paniquetes" ou panicats são a "Victoria's Secret" dentro do contexto de vulgaridade feminina em que as "mulheres-frutas" (as "musas" funqueiras) levam o grotesco até as últimas consequências.

Mas isso não quer dizer que as paniquetes sejam mais bacanas que as "mulheres-frutas" ou outras do gênero (ex-BBBs, ex-dançarinas de "pagodão" etc). Várias paniquetes, mesmo aquelas metidas a "espertas", também andam falando muita besteira.

É o caso de Carol Belli quando demonstra claramente não ter vontade própria. Criticada pelo fato de ouvir muito a tal "música sertaneja" - não se fala da boa música caipira, mas do breganejo dos últimos 30 anos - , sobretudo essa geração atual de "pegadores" (Michel Teló, Gusttavo Lima, João Lucas & Marcelo), ela simplesmente disse: "Está na moda, todo mundo vai".

Isso mostra simplesmente o que é uma mulher que não tem vontade própria. E mal sabe Carol, que apenas tem 20 anos, que mulheres que primam seu gosto musical com música de qualidade, como, por exemplo, a "intragável" MPB "biscoito fino" (vítima do preconceito "populista" de intelectuais da moda), têm muito mais vantagem na vida social do que aquelas que se apegam ao brega-popularesco, mesmo achando isso o máximo.

Pois não adianta moças dizerem no Orkut ou Facebook que "são diferentes" e "têm vontade própria", se gostam de Exaltasamba e Bruno e Marrone. Elas sempre levam a pior, nunca irão escolher, na vida amorosa, alguém mais diferenciado do que um jogador de futebol ou um peão de vaquejada.

Já aquelas que, mesmo nascendo depois de 1978, não sentem vergonha de encarar uma Sílvia Telles, um Jacob do Bandolim, um Turíbio Santos ou Toninho Horta em vez de Ivete Sangalo, Exaltasamba ou Bruno e Marrone, têm maior vantagem na vida. Afinal, inteligência se demonstra, inteligência não é pose.

Mais uma vez uma paniquete não conseguiu eliminar o péssimo estigma de vulgaridade. Se ela espera conquistar homens legais, tipo Geisy Arruda, resta um consolo: Geisy não irá chorar sozinha na rua da amargura, terá uma amiga junto para consolar e chorar junto.

Nenhum comentário: