domingo, 3 de junho de 2012

FOTOLOG USA FUTEBOL PARA SATIRIZAR PADRONIZAÇÃO VISUAL DO TRANSPORTE COLETIVO


Para o torcedor de futebol comum, parece chocante ver, nesta foto, os jogadores Loco Abreu, do Botafogo, Thiago Neves, do Fluminense, Vagner Love, do Flamengo, e um grupo de jogadores do Vasco da Gama ostentarem o mesmo tipo de uniforme.

Mas essa é a tônica de um dos primeiros sítios que surgem, na Internet, para satirizar a padronização visual do transporte coletivo, em que interesses tecnocráticos se lançam contra o interesse público embora se diga oficialmente o contrário, usando o futebol como meio de crítica.

Este sítio é o Brasileirão Fotopages, disponível no endereço - http://brasileirao.fogopages.com - , que através de uma linguagem de paródia, faz-se uma crítica à padronização visual, apesar de usar um discurso aparentemente favorável.

Afinal, como toda sátira, para se falar contra algo é usado o recurso da ironia. Portanto, o que parece ser posicionado a favor é, na verdade, posicionado contra, e o futebol é usado como forma de mostrar o quanto a identidade visual é importante e o quanto a perda dela pode confundir o público e, não somente isso, camuflar a empresa ou instituição que se envolvem em determinada atividade.

A analogia ao futebol se inspira no fato de que os projetos de mobilidade urbana de várias prefeituras municipais visa capitalizar o turismo durante a Copa de 2014. Portanto, o que mostra que a ligação entre futebol e mobilidade urbana não é assim tão aleatória como fonte de inspiração para o humorístico Brasileirão Fotopages.

Depois de tantos textos sobre as desvantagens da padronização visual nos ônibus serem escritos mas não ganharem respaldo real da população, principalmente porque houve uma fase em que busólogos reacionários e a favor de tal padronização chegaram mesmo a partir para calúnias e ofensas pessoais, destruindo petições digitais e até lançando um blogue para republicação leviana de textos contestatórios, foi preciso usar o esporte mais popular do país para mostrar o sentido destas desvantagens.

Quem gostaria de ver um Fla X Flu com os dois times usando o mesmo uniforme? E como tolerar que isso é tido como mais vantajoso porque disciplina melhor o esporte? E os paliativos que vão da identificação eletrônica dos jogadores à concessão do "ingresso único" para os torcedores que trocarem os uniformes tradicionais dos times pelos uniformes padronizados?

A identificação por sensores irá diminuir a confusão entre os times, apenas porque aponta, através de placares instalados nos estádios, o jogador que está com a posse da bola e os jogadores imediatamente próximos dele? E o ingresso único, com distribuição gratuita de engradados de cerveja, irá fazer o torcedor aceitar que diferentes times de um mesmo Estado passem a ter exatamente o mesmo uniforme?

A linguagem satírica, portanto, parece ser completamente a favor da medida. Por isso, que ninguém se assuste com isso. Mas imaginemos que isso se torne verdade e um Alexandre Sansão resolva mesmo aplicar a padronização visual nos times cariocas e, depois, nos paulistas, paranaenses, mineiros etc? O humorismo, muitas vezes, é uma denúncia narrada de forma diferente, coisas sérias são ditas através de mensagens cômicas.

Apesar do risco de mal-entendidos por parte de quem não entende o espírito da sátira, Brasileirão Fotopages merece ser divulgado e visitado. E que venham todas as torcidas visitar e prestigiar o fotolog. Mas sempre mantendo a esportiva.

Nenhum comentário: