quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

SÍTIOS DA INTERNET PROTESTAM CONTRA MACARTISMO DIGITAL


Alguns sítios na Internet realizam hoje protesto contra o projeto de lei em discussão no Congresso Nacional dos EUA para combater o que as autoridades entendem como "pirataria digital".

O projeto, na prática, é uma espécie de macartismo digital - equivalente ianque ao "AI-5 digital" do senador mineiro Eduardo Azeredo, do PSDB - que impedirá a livre circulação de informações na Internet.

Wikipedia e Google manifestaram seus protestos contra a medida, alterando suas páginas hoje. O Wikipedia desativou sua edição em inglês, com uma página em cor grafite avisando: "Imagine um mundo sem o conhecimento livre". Já o Google, também em sua página em inglês, fez um protesto bem discreto: "Avise ao Congresso: Por favor, não censure a rede!".

O portal de vendas Amazon.com e o Facebook também pretendem aderir ao protesto, mas já se adiantaram opostos à medida. Além deles, Reddit, eBay, Twitter, PayPal, Zynga, Mozilla, entre outras, são contra a medida. Em compensação, corporações como Disney, Universal, Paramount e Warner Bros., grandes estúdios de Hollywood, são a favor da medida.

O projeto de lei é representado pelas campanhas que, para nós, brasileiros, possuem siglas muito engraçadas, SOPA (Stop Online Piracty Act - Parem com Atos de Priataria Online) e PIPA (Protect IP Act - Ato de Proteção do Protocolo de Internet).

O "macartismo digital" surgiu em consequência das transferências de arquivos de áudio e vídeo na Internet, feitas em virtude dos caros preços de CDs e DVDs. A medida causou um colapso na indústria fonográfica e cinematográfica internacional,.

Mas o projeto de lei, hoje discutido no Senado, teria sido impulsionado quando o australiano Julian Assange, através do portal Wikileaks, divulgou informações secretas das autoridades norte-americanas. Informações confidenciais passaram a ser mundialmente conhecidas, causando uma séria crise política internacional.

Atualmente, Assange está preso na Suécia. Seu principal colaborador, o soldado norte-americano Bradley Manning, está preso nos EUA em condições subhumanas, tendo sido torturado mais de uma vez.

O projeto pode causar um sério prejuízo na Internet do mundo inteiro, afetando vários portais de livre informação. No Brasil, o projeto de lei, se sancionado, poderá ser um estímulo à aprovação do projeto similar do senador Azeredo.

Nenhum comentário: