segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

REDE GLOBO FARÁ SÉRIE SOBRE "FUNK CARIOCA"



O PiG, "PANCADÃO DA IMPRENSA GOLPISTA", SERÁ UM GRANDE CONSOLO PELA REDUÇÃO DE PODER DE ALI KAMEL NA "VÊNUS PLATINADA".

O "funk carioca", para comemorar dez anos de entrosamento com as Organizações Globo, promete emplacar na velha grande mídia através de um seriado a ser produzido pela Rede Globo sobre o estilo.

Quem foi chamado para bolar a história foi o escritor Paulo Lins, do mesmo meio intelectual de José Padilha e Guilherme Fiúza, ambos integrantes do Instituto Millenium, organização ligada aos militantes da velha mídia, patrocinada pelo Departamento de Estado dos EUA e politicamente integrada ao PSDB/DEM.

Pois a recente divulgação, pelo blogue Mingau de Aço, sobre o envolvimento de José Padilha, cineasta que relançou ao sucesso o "Rap das Armas" (de MC Júnior & MC Leonardo), com o mesmo "instituto" em que integram Otávio Frias Filho, Leandro Narloch, José Piñera (ex-ministro do general Pinochet e irmão do atual presidente chileno, Sebastian Piñera) e possui membros da Opus Dei em seus quadros, repercutiu até no Blog da Dilma.

A medida derruba completamente o mito esquerdista que o "funk carioca" tem por boa parte da intelectualidade influente do país, além de mostrar que os defensores e adeptos do ritmo neo-brega carioca aos poucos estão deixando o jogo duplo de promovê-lo tanto na mídia esquerdista quanto na direitista.

A opção pela Globo, claramente anunciada pela imprensa e pela Internet, mostra que o "funk carioca" pretende mesmo ficar com a velha grande mídia, que oferece maiores chances de mercado.

Não será mais possível dizer que o "funk carioca" é "discriminado pela grande mídia" ou "passa longe das corporações da velha mídia". Até porque essa discriminação nunca aconteceu. E essa associação com a velha mídia só se tornará cada vez mais explícita, a partir de 2012.

Nenhum comentário: