sábado, 31 de dezembro de 2011

FAÇA SUA BOA AÇÃO: PROTESTE CONTRA A TURISMO TRANS1000!



Faça a sua boa ação do dia, em respeito ao povo da Baixada Fluminense que usa os ônibus da Turismo Trans1000.

Proteste contra os desmandos da empresa, famosa pela frota velha e sucateada e pelo descumprimento de normas trabalhistas.

Exija que as linhas da empresa sejam operadas por outras mais capazes.

Assine a petição no seguinte endereço: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N10041

Proteste escrevendo para a imprensa, reclamando constantemente.

E chame todos os amigos e familiares a fazer o mesmo.

E não se esqueça também de conhecer e seguir o blogue "FORA TRANSMIL - PORQUE NINGUÉM AGUENTA MAIS": http://foratrans1000.blogspot.com/

A nossa vida só melhora quando mostramos aos outros nossos direitos e necessidades.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

FAÇA SUA BOA AÇÃO: PROTESTE CONTRA A TURISMO TRANS1000!



Faça a sua boa ação do dia, em respeito ao povo da Baixada Fluminense que usa os ônibus da Turismo Trans1000.

Proteste contra os desmandos da empresa, famosa pela frota velha e sucateada e pelo descumprimento de normas trabalhistas.

Exija que as linhas da empresa sejam operadas por outras mais capazes.

Assine a petição no seguinte endereço: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N10041

Proteste escrevendo para a imprensa, reclamando constantemente.

E chame todos os amigos e familiares a fazer o mesmo.

E não se esqueça também de conhecer e seguir o blogue "FORA TRANSMIL - PORQUE NINGUÉM AGUENTA MAIS": http://foratrans1000.blogspot.com/

A nossa vida só melhora quando mostramos aos outros nossos direitos e necessidades.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

FAÇA SUA BOA AÇÃO: PROTESTE CONTRA A TURISMO TRANS1000!




Faça a sua boa ação do dia, em respeito ao povo da Baixada Fluminense que usa os ônibus da Turismo Trans1000.

Proteste contra os desmandos da empresa, famosa pela frota velha e sucateada e pelo descumprimento de normas trabalhistas.

Exija que as linhas da empresa sejam operadas por outras mais capazes.

Assine a petição no seguinte endereço: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N10041

Proteste escrevendo para a imprensa, reclamando constantemente.

E chame todos os amigos e familiares a fazer o mesmo.

E não se esqueça também de conhecer e seguir o blogue "FORA TRANSMIL - PORQUE NINGUÉM AGUENTA MAIS": http://foratrans1000.blogspot.com/

A nossa vida só melhora quando mostramos aos outros nossos direitos e necessidades.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

FAÇA SUA BOA AÇÃO: PROTESTE CONTRA A TURISMO TRANS1000!



Faça a sua boa ação do dia, em respeito ao povo da Baixada Fluminense que usa os ônibus da Turismo Trans1000.

Proteste contra os desmandos da empresa, famosa pela frota velha e sucateada e pelo descumprimento de normas trabalhistas.

Exija que as linhas da empresa sejam operadas por outras mais capazes.

Assine a petição no seguinte endereço: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N10041

Proteste escrevendo para a imprensa, reclamando constantemente.

E chame todos os amigos e familiares a fazer o mesmo.

E não se esqueça também de conhecer e seguir o blogue "FORA TRANSMIL - PORQUE NINGUÉM AGUENTA MAIS": http://foratrans1000.blogspot.com/

A nossa vida só melhora quando mostramos aos outros nossos direitos e necessidades.

domingo, 25 de dezembro de 2011

NATAL BRASILEIRO NÃO É INVERNO



Esqueçamos toda a macaqueação do natal norte-americano, esqueçamos a obsessão consumista e vamos refletir sobre o verdadeiro sentido humano da data.

O Kylocyclo fica por aqui, retornando em janeiro próximo. Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

HOMENS DE DECISÃO E PODER NÃO SABEM O QUE É DIVERSÃO



Um grande contraste que se vê na sociedade é que os homens conhecidos profissionalmente como sinônimos de decisão, sucesso e poder simplesmente precisam ser mandados na hora do lazer.

Sim, isso mesmo, patrões ou, pelo menos, homens de iniciativa e sucesso se comportam de forma impotente, medíocre e sem a menor espontaneidade fora de sua rotina de trabalho. Empresários, economistas, advogados, médicos e até mesmo diretores de jornalismo ou publicitários, salvo honrosas exceções, parecem verdadeiros "bananas" entediados na hora do lazer.

O que muitas vezes parece normal é, na verdade, constrangedor. Sem perceberem, profissionais liberais que, na hora do trabalho, são exemplo de eficiência e criatividade, no lazer parece que não estão à vontade.

É muito comum, por exemplo, ver um grupo de profissionais liberais numa festa ou num almoço de amigos se reunir, em pé, para aquele bate-papo pedante em que um indivíduo tenta parecer mais inteligente que os outros.

Aí é aquele desastre, que poucos percebem porque é tanta gente pagando mico que isso tudo parece normal. Cientistas sociais frustrados, críticos de arte incompetentes, dublês de legisladores fajutos, todo mundo esbanjando pedantismo, não apenas para tentar provar aos outros uma inteligência que não tem, mas para cada um tentar provar o mesmo para si.

Talvez se eles pudessem se divertir, sem que dependam de alguma criança por perto para fazer alguma brincadeira, seria ótimo. A diversão, quando bem dosada - nada a ver com as viciadas noitadas da juventude atual - , faz muito bem para a mente das pessoas.

Mas como dizer para executivos de 40, 45 anos para praticarem jogos eletrônicos eles mesmos? Ou dizer para um empresário de 58 anos para fazer um castelo de areia com seu colega de trabalho na praia? E como fazer empresários de restaurantes dançarem, gritarem e se esbaldarem nas próprias festas que financiam?

A vida é muito curta para transformar o lazer na extensão da sisudez viciada do ambiente de trabalho. E, cá para nós, profissionais liberais, executivos e empresários falando sobre política não irá fazê-los ganhar um assento nobre na ONU. Até porque tudo isso não passa de pedantismo barato colhido nos telejornais e jornais de véspera.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

DEPUTADA QUER PUNIR CANTOR POR CONSIDERAR MÚSICA RACISTA



COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A axé-music não tem compromissos éticos. Seja com fricotes, chicletões, pagodões etc. Isso se vê tanto no É O Tchan quanto no Pagodart e até num Luiz Caldas que, na sua breve guinada "metal", cantou música sobre suicídio.

A deputada Luíza Maia tornou-se corajosa no esforço de querer punir o machismo de grupos de "pagodão" baiano - também conhecidos pela exploração racista da própria imagem dos negros, tratados de forma caricata - e quer punir Luiz Caldas pela letra racista de "Fricote", seu primeiro sucesso.

Em Salvador, felizmente, surgem esforços para cometer abusos de cantores e grupos. Como a regulação da mídia que começa a se esboçar com o Conselho Estadual de Comunicação, para combater o já famigerado poderio dos barões regionais da velha mídia baiana (Marcos Medrado, Mário Kertèsz, Pedro Irujo etc).

BA: deputada quer punir cantor por considerar música racista

Do Portal Terra

Depois de apresentar um projeto propondo proibir, em nível estadual, o patrocínio público para artistas de pagode que cantem músicas com letras que humilhariam as mulheres, a deputada estadual Luiza Maia (PT) investiu nesta quarta-feira contra o criador da axé music Luiz Caldas e uma das músicas-símbolo do movimento, surgido na década de 1980, Fricote, de autoria de Caldas e Paulinho Camafeu.

Casada com o prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT) e, portanto, primeira-dama do município, ela resolveu "punir" Luiz Caldas determinando que fosse cortado 30% do cachê do artista que se apresentou recentemente na cidade e cantou Fricote, "cuja letra apresenta cunho racista e depreciativo às mulheres negras", acredita a parlamentar.

Conforme ainda a deputada a canção "abala a autoestima da mulher negra, internalizando no imaginário coletivo a imagem de que ela é, entre outras coisas, feia e desleixada, o que se constitui também como uma forma de violência simbólica".

Em viagem pelo interior da Bahia, Luiz Caldas preferiu não comentar a atitude da deputada, mas sua assessoria de imprensa lamentou que Luiza Maia não saiba separar "obras lúdicas das chulas" e acredita ainda que a deputada está "desconectada" com a realidade. A assessoria negou que a proibição de cantar Fricote estaria em contrato mesmo porque isso seria inconstitucional, pois caracterizaria censura.

Luiz Caldas teria cantando os versos "nega do cabelo duro/que não gosta de pentear/ quando passa na Baixa do Tubo/ O negão começa a gritar..." pois foi uma exigência do público que assistia ao seu show. A assessoria não quis revelar quanto foi o cachê do cantor, mas disse que não pretende reclamar judicialmente devido ao corte.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

DEBRA MESSING ESTÁ SOLTEIRA!!



Mais uma solteira na praça. É a bela atriz que protagonizou o seriado Will & Grace, Debra Messing, que, depois de 11 anos, se separou do roteirista Daniel Zelman.

Os dois são pais de Roman, de sete anos, e a separação foi feita de forma amigável e em decisão mútua. O ex-casal viverá separado, mas na mesma cidade, Nova York, por causa do filho.

Debra, conhecida também por sua beleza graciosa e seu divertido senso de humor, se prepara para estrear, no canal NBC, o drama musical Smash, que irá ao ar na emissora em fevereiro do próximo ano.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

BEACH BOYS VOLTAM COM NOVO DISCO E TURNÊ



Resolvidas as desavenças pessoais entre Brian Wilson e o primo Mike Love, os Beach Boys já se juntaram para a turnê comemorativa dos 50 anos e já preparam um novo disco, a ser lançado em abril próximo.

Além dos remanescentes da formação original - Brian, Mike e o amigo Al Jardine - , o grupo conta também com Bruce Johnston e David Marks. Dois membros originais do grupo, os irmãos de Brian, Dennis e Carl Wilson, faleceram respectivamente em 1983 e 1998.

Bruce Johnston, um músico conhecido por vários projetos musicais de guitar instrumental, havia substituído Brian Wilson quando este decidiu largar provisoriamente o grupo para compor o repertório que veio a constituir o álbum Pet Sounds. Já David Marks havia substituído provisoriamente Al Jardine quando este largou o grupo para concluir os estudos.

Antes do retorno, Mike Love trabalhava em parceria com Bruce Johnston e detinha a marca Beach Boys. Brian trabalhava sua carreira solo e tinha Al Jardine como parceiro. Com o retorno, o grupo - também conhecido por suas permutas com os Beatles, já que Pet Sounds, influenciado pelo beatle Rubber Soul, influenciou o também beatle Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band - já voltou a excursionar, com vários vídeos recentes no YouTube (não vou botar os linques aqui para estimular o pessoal a garimpar).

Os Beach Boys, a princípio, não eram levados a sério pelo público roqueiro. Grande engano. O grupo sempre teve um repertório simpático e juntava os vocais inspirados pelo doo wop com a instrumental das bandas guitarrísticas da época. E Brian largou o grupo para compor Pet Sounds porque queria se aperfeiçoar como compositor.

E o resultado é uma trajetória respeitável, e comparável aos Beatles. E mostra o quanto a década de 1960 tornou-se rica a partir dessas bandas, que ensinaram à sua geração a possibilidade de acreditar na boa música, na criatividade e no estilo, independente de qualquer expectativa de sucesso.

Afinal, o que realmente é bom acaba fazendo algum sucesso um dia, e permanece como arte em detrimento de muita coisa duvidosa que é badalada no calor do momento, mas com o tempo cai no mais absoluto esquecimento.

Sejam bem vindos em sua volta, Beach Boys!!

sábado, 17 de dezembro de 2011

CARNAVALESCO JOÃOSINHO TRINTA E ATOR SÉRGIO BRITO MORRERAM



O ator e diretor de teatro, Sérgio Brito, de 88 anos, e o carnavalesco Joãosinho Trinta, de 78, faleceram em decorrência a insuficiência respiratória, respectivamente no Rio de Janeiro e em São Luís.

Sérgio foi de uma geração ligada ao Teatro Brasileiro de Comédia, famoso pela sua linha sofisticada de produção de peças teatrais, o que havia causado polêmica há 50 anos atrás por não apostar em temáticas brasileiras.

Mas essa geração, incluindo Sérgio, que esteve à frente do Grande Teatro Tupi, um dos primeiros programas de teleteatro da televisão brasileira, e como diretor de Ilusões Perdidas, primeira novela realizada pela TV Globo (e que tinha até Leila Diniz no elenco) em 1965, esteve acima até mesmo das limitações temáticas do TBC e adaptou-se às transformações que o teatro brasileiro sofreu ao longo do tempo.

Sérgio se foi pouco depois de Ítalo Rossi, da mesma geração do teatro brasileiro, o que, em ambos os casos, haverá lacuna porque eram grandes mestres da atuação teatral numa época de cultura forte e genuína.

Já Joãosinho Trinta era um grande artista da estética carnavalesca, desde os tempos em que as escolas de samba não eram comandadas pela contravenção e não eram movidas ao comercialismo dos últimos carnavais. Sobretudo em tempos de hoje, quando as escolas de samba se tornam "pistolão" da vulgaridade feminina dominante na velha mídia.

Portanto, a cultura está hoje triste. Não é ainda aquela tristeza chocante da tragédia do Gran Circo Norte-Americano, que hoje completa 50 anos de ocorrência, mas 1961 ainda era um tempo de uma cultura florescente e ascendente, que a ditadura militar e o neoliberalismo macularam. Hoje ainda vivemos desses efeitos, e quando perde alguém que fez grandes colaborações para nossa cultura, nosso país fica cada vez sem seus referenciais.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

FOO FIGHTERS TERIA PROVOCADO ABALOS SÍSMICOS



Cientistas da equipe neozelandesa de Geologia GeoNet constataram que uma apresentação do grupo norte-americano Foo Fighters na cidade de Auckland, também na Nova Zelândia, teria causado abalos sísmicos na região, comparáveis aos sentidos em regiões vulcânicas, onde ocorrem também terremotos.

Mas, com toda a certeza, isso não vai promover os cantores e grupos de axé-music a "terremotos" ou "furacões" já que as catástrofes que eles causam são outras e não se tem conhecimento de um ídolo de axé-music que tenha se apresentado em algum lugar às vésperas de uma catástrofe natural.

Além disso, o Foo Fighters é uma banda séria de de grande valor musical. Seu som é barulhento, embora inclua melodias também (os caras são influenciados pelos Beatles e até Paul McCartney, amigo de Dave Grohl, sabe bem disso) e, se pensarmos bem, o fato do grupo, com seu potente equipamento sonoro e suas guitarras barulhentas, causar um abalo sísmico não é algo tão estranho assim.

Isso porque abalos sísmicos acontecem até em cotidianos de cidades onde não ocorrem terremotos. Eu mesmo percebi, tanto quando estava nos arredores do Costa Azul, em Salvador - dois exemplos, a Av. Artur de Azevedo Machado e a Rua Augusto Lopes Pontes - quanto na Av. Roberto Silveira, em Icaraí, Niterói, o chão tremer levemente quando caminhões e ônibus passavam pelos locais.

Portanto, não é coisa de se preocupar muito, e, se o Foo Fighters ainda não pode ser considerado um grupo de divindades da Natureza, pelo menos mostra o quanto a energia do grupo pode causar nas estruturas físicas de um lugar.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

SUCESSO DE "A PRIVATARIA TUCANA" É ALERTA PARA TECNOCRACIA



O livro "A Privataria Tucana", de Amaury Ribeiro Jr., é um expressivo sucesso nas vendas, apesar de sua divulgação praticamente nula na grande mídia. E o sucesso foi estimulado sobretudo pela modesta mas ascendente e constante divulgação de blogueiros na Internet.

O conteúdo do livro é uma série de documentos que indicam o envolvimento de políticos do PSDB, seus amigos e parentes com banqueiros e especuladores financeiros num esquema gigantesco de corrupção tramado por trás de uma série de privatizações feitas pelo governo FHC.

Mesmo os respectivos filhos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do presidenciável derrotado José Serra, Paulo Henrique Cardoso (que também é "laranja" da Disney no controle acionário da Rádio Itapema FM) e Verônica Serra, envolvida com negócios do banqueiro Daniel Dantas, do grupo Opportunity.

Mas o livro pode causar efeitos ainda mais devastadores. De longe, o escândalo da "privataria" dos governos FHC é um dos maiores escândalos políticos depois de Fernando Collor, e só dentro do PSDB seus efeitos foram intensos, criando uma crise interna no partido e nos dois aliados, o DEM e o PPS, que perderam muitos integrantes que migraram para o PSD "ressuscitado" pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab.

O livro já é uma "caixa de Pandora" da política brasileira, mas pode derrubar toda a tecnocracia brasileira, mesmo aquela hoje formalmente rompida com o tucanato. Isso porque a onda de privatizações da Era FHC, pivô de todo o escândalo, era vista na época como um paradigma forte de desenvolvimentismo e supremacia técnica nas decisões para o país.

Isso significa que o desgaste pode atingir, com o tempo, tanto tecnocratas das Comunicações e dos Transportes como também a intelectualidade etnocêntrica, que defendem ideias e procedimentos nem sempre associados ao interesse público.

Nas Comunicações, destaca-se a decadência da televisão aberta e agora da TV paga (que a "gatonet" das milícias influiu decisivamente), a queda da imprensa e do poder de influência dos chamados grandes jornalistas como "formadores de opinião".

No rádio, a "Aemização das FMs" tornou as emissoras chatas de serem ouvidas, além de terem provocado uma verdadeira "dança das cadeiras" no mercado radiofônico, responsável por muitas demissões de seus funcionários, em muitos casos demissões em massa.

Nos transportes, a chamada "curitibanização" dos ônibus, ancorada pela padronização visual e pela formação política de consórcios, já mostra sua decadência irreversível, o que anda irritando seus adeptos, que não conseguem explicar por que negam esse fracasso, enquanto acidentes e tragédias acontecem em função desse sistema comandado com mãos-de-ferro pelos secretários de transportes.

A irritação desses adeptos, alguns deles busólogos, se deve, entre muitos fatores, ao fato do ex-político Jaime Lerner estar com a reputação em xeque (comprometendo a imagem de Lerner, que tem a mesma fome privatista de José Serra, para a Copa de 2014).

A intelectualidade etnocêntrica, centralizada pela "trindade" Paulo César Araújo, Hermano Vianna e Pedro Alexandre Sanches, já não consegue esconder que prefere a mercantilista, bastarda e tendenciosa "indústria cultural" do brega-popularesco, que glamouriza a pobreza e transforma as classes populares em caricatura de si mesmas, do que a verdadeira cultura popular. Com a reputação turbinada pelo jabaculê radiofônico e televisivo, Araújo, Vianna e Sanches brincam de etnografia para sustentar tão somente o "deus mercado" popularesco, comprando o apoio de quase toda uma intelectualidade influente.

Todos esses tecnocratas, mesmo que estejam formalmente rompidos com o tucanato há pelo menos cinco anos, só puderam consolidar sua reputação através do contexto sócio-político do governo Fernando Henrique Cardoso. Em muitos aspectos, os próprios politicos do PSDB, principalmente FHC e José Serra, de uma forma ou de outra inspiraram esses "especialistas" na divulgação de suas ideias nos últimos quinze anos.

Portanto, os arranhões que serão feitos pelo livro de Amaury Ribeiro Jr. envolvem um país cujo progresso social dependia das decisões vindas do alto dos escritórios refrigerados. A supremacia do poder privado sobre o interesse público entrará numa séria crise, nos próximos anos, o que mostrará que o privado e o público não podem se confundirem.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A MODA AGORA É CAMISA PRA DENTRO!



A moda agora é mulher colocar a camisa pra dentro. É o que mostram essas dez musas, da esquerda para a direita e de cima para baixo: Luíza Brunet, Chris Nicklas, Flávia Freire, Michelle Loreto, Ana Paula Araújo, Suzana Pires, Aninha Lima, Christiane Torloni, Marina Ruy Barbosa e Sílvia Bandeira.

Só a seleção eclética dessas musas, atrizes, modelos e jornalistas, dá o tom da atual tendência. E que, sem reprovar o uso de tops, indica que o uso obsessivo e fora de contexto (e de estação) dessas camisas curtas já não faz mais sentido.

Nas ruas, a tendência é cada vez mais crescente. O uso de camisas longas postas para dentro de calças, bermudas e saias pelas mulheres é o que mais se vê nas ruas das grandes cidades. E mostra o quanto as mulheres podem unir sensualidade e elegância sem o exibicionismo corporal.

Além disso, quando havia a moda dos tops, o que se via eram as mulheres sempre puxando as camisas para baixo, toda vez que, num movimento corporal mais discreto, as barrigas apareciam. E nem toda mulher tinha sensualidade de sobra para usar camisas curtas e, ainda por cima, em qualquer momento.

Pois a volta das camisas para dentro e o crescimento da tendência pode refletir mudanças no vestuário feminino dos próximos tempos. Será que as "boazudas" vão ter que aderir à moda para não serem passadas para trás?

domingo, 11 de dezembro de 2011

MORREU O ATOR RODOLFO BOTTINO



COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O ator Rodolfo Bottino foi uma das admiráveis figuras do teatro brasileiro dos anos 70, antes de ser um galã de TV nos anos 80.

Era também bastante jovial, o que nos faz perguntar por que os cinquentões joviais morrem (o que, certamente, não é desculpa para os cinquentões que hoje estão vivos fiquem prostrados na sua sisudez "madura", "elegante", "comedida" e "paternal").

E, por incrível que pareça, não morreu pelos efeitos da AIDS, mas por embolia pulmonar durante exames para uma cirurgia. O ator ultimamente era apresentador e cozinheiro de programas de culinária.

Muita paz, Rodolfo.

Chef e ator Rodolfo Bottino morre aos 52 em Salvador

Do Portal Terra

Morreu na manhã deste domingo, aos 52 anos, o ator e chef de cozinha Rodolfo Bottino. Ele estava internado em um hospital de Salvador para realização de cirurgia no quadril, quando sofreu uma embolia pulmonar durante exames. Ainda não há informações sobre o sepultamento.

Galã da televisão nos anos 1980, Bottino chegou ao sucesso como o Lauro da minissérie Anos dourados, exibida pela TV Globo em 1986. Ele também atuou em novelas, filmes e espetáculos teatrais.

Amante da culinária, se formou chef de cozinha no curso Le Cordon Bleu, na França. Foi dono do restaurante Madrugada, no Rio de Janeiro, e apresentou o programa Bottino Ali Na Mesa, exibido pela Rede Mulher, em 1998.

Um de seus últimos trabalhos foi a peça Homens, Santos e Desertores, que esteve em cartaz no Rio de Janeiro até julho deste ano.

Em 2006, o ator enfrentou um câncer no pulmão. Dois anos depois, ao completar 50 anos, revelou ser portador do vírus da Aids desde a década de 90.

sábado, 10 de dezembro de 2011

"NOVO" JORNAL NACIONAL CONTINUA NA MESMA



O "novo" Jornal Nacional está no ar, com Patrícia Poeta fazendo dobradinha como titular ao lado de William Bonner, enquanto a esposa deste, Fátima Bernardes, se retirou para planejar um novo programa, a ser transmitido de manhã, e que já foi previamente anunciado como um programa de entrevistas.

Mas foi muito barulho por nada, e já se esperava disso. Como emissora comercial, a Rede Globo não iria mesmo mexer muita coisa no JN, como não havia mexido em sua essência quando trocou a dupla Cid Moreira e Sérgio Chapelin pelo casal William e Fátima. Apenas precisam renovar o produto, com novas embalagens.

O que muda no programa é a perda daquele caráter "família" do casal telejornal, e também as maiores mudanças estão por conta dos bastidores, dentro das relações de poder internas no setor jornalístico da emissora.

Pois o "padrão Globo" de jornalismo continua com o mesmo ar asséptico de sempre, com seu tendenciosismo ideológico conservador, mas que certamente terá o tom mais ameno, já que as próprias relações de poder se relacionam justamente com isso.

Isso porque a apresentadora Patrícia Poeta é esposa do jornalista Amaury Soares, que, devido às disputas internas, foi viver em Nova York como diretor de eventos da Globo International, braço estrangeiro da TV Globo e principal canalizador da emissora na exportação de suas novelas.

Amaury havia se afastado da TV Globo carioca pela ascensão de seu desafeto Ali Kamel, protegido de Evandro Carlos de Andrade, depois que este, oriundo do jornal O Globo, faleceu quando era diretor de jornalismo da emissora. Ali assumiu a direção da Central Globo de Jornalismo, impedindo a ascensão de Amaury Soares na hierarquia executiva do jornalismo da emissora. Amaury, do contrário de Kamel, possuía vínculo apenas com a televisão.

Com a entrada de Patrícia no JN, a influência de Amaury Soares, ainda que Ali continue como "chefão" do "jornalismo global", começa a aumentar. Certamente Amaury voltou para o jornalismo da emissora e aos poucos deve abocanhar postos hierárquicos na medida em que Kamel se "queima" sobretudo pelas críticas feitas pela blogosfera e seu modelo telejornalístico tenha resultado em muitas derrotas no Ibope da Globo.

Pois são apenas essas as grandes novidades na Globo. E que, mesmo assim, não se comparam à rivalidade dos antigos aliados Walter Clark e José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, na direção geral de programação da Globo. Os tempos eram outros e Clark, embora tenha trabalhado na TV Rio, aproveitou também ideias da TV Excelsior para adaptá-las ao contexto político da época, o regime militar.

Sabe-se que a TV Excelsior transformou os noticiários da televisão brasileira, os programas de auditório e as novelas, modernizando a linguagem televisiva como um todo, além de criar uma grade fixa para os dias da semana, tendo horários fixos para novelas, filmes, infantis e outros programas básicos de segunda a sexta.

Mas foram, repetimos, outros tempos. Hoje a Rede Globo que anuncia seu casamento midiático com o "funk carioca" (tendo como padrinhos de casamento a revista Contigo e a Folha de São Paulo) em 2012 é apenas a Rede Globo neoliberal que tenta sobreviver muitos anos após o fim da ditadura militar que a consagrou e após o fim do governo Collor apadrinhado pela emissora.

Os tempos são outros. Mas a Rede Globo continua a mesma coisa.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

PRODUTORES DE "A GRANDE FAMÍLIA" SÃO CONTRA PADRONIZAÇÃO VISUAL DOS ÔNIBUS DO RJ



Quem observa o seriado A Grande Família, da Rede Globo de Televisão, deve observar que a edição de imagens em back projection usadas no seriado ainda mostra ônibus com visual diversificado, sobretudo com ônibus mais antigos.

Só raramente ônibus com visual padronizado aparecem no seriado, isso quando não há outra alternativa. Mas nota-se que os ônibus diversificados aparecem até mesmo num fictício micro-ônibus que teria feito parte da frota da Transportes Santa Maria.

A atitude da produção do seriado destoa da de outros seriados - como Entre Tapas e Beijos, numa contrastante clipe que toca uma música de Jorge Veiga para mostrar os ônibus padronizados que nada têm a ver com os "bons tempos" do Rio - e até da novela Fina Estampa, que mostram com desenvoltura e até certo orgulho o visual "buscopan" dos ônibus cariocas.

Portanto, certamente Lineu Silva gostaria muito de mover uma ação popular contra a Prefeitura do Rio de Janeiro, para derrubar a padronização visual que confunde os passageiros. E nem o Agostinho Carrera seria capaz de tanta malandragem assim com o povo do Rio.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A ALEGRIA DE VIVER DE JÚLIO TEDESCO



Quem é que valoriza a vida? Aqueles que se aprisionam no rigor das etiquetas sociais ou aqueles que buscam o prazer de viver, ainda que em dado momento, seja por erros ou falhas de toda ordem, acabam perdendo a vida num dado instante?

Há alguns dias o surfista e paraquedista Júlio Tedesco faleceu. Ele havia sofrido um acidente quando fazia skysurf (ou surfe aéreo) e não conseguiu abrir seu pára-quedas. Ao cair, ficou gravemente ferido e faleceu ao ser socorrido. Ele estava gravando uma reportagem para um programa do canal Sportv.

Ele tinha 54 anos e era dentista. Mas, do contrário de muitos homens de sua geração, ele via nos esportes radicais uma maneira de encontrar o prazer na vida, de relaxar diante das pressões do cotidiano. Apesar dos cabelos brancos e do ar de senhor de idade, Tedesco era jovial e tinha um grande amor pela natureza e através dos esportes radicais ele estabelecia esse contato com o ar livre e com a livre emoção da aventura.

Sua tragédia lamentável não impede que reconheçamos que ele buscava a alegria da vida. Pelo contrário, ele valorizava bastante a vida e teve o mérito de tentar romper com aquele paradigma antigo da "maturidade" dos 50 anos, quando a regra é ser escravo do próprio prestígio sócio-econômico e profissional e transformar o lazer numa mera propaganda desse prestígio.

Sabe-se que a escolha do surfe aéreo foi bastante arriscada. Mas Júlio Tedesco teve coragem de assumir, aos 54 anos, sua vontade de manter a emoção da vida em alta, para ele os esportes radicais eram melhores do que prostrar na maresia burguesa dos formalismos mil que sucumbem muitos homens de sua geração.

Pelo menos Júlio negou essa morosidade da vida, esse "brincar de velhice" que ilude muitos cinquentões apegados ao formalismo viciado, à sisudez compulsiva, que não os faz mais maduros. Eles só têm a experiência profissional, o conhecimento livresco, mas até para contemplar a natureza o fazem por puro esnobismo granfino e paternal demais.

Júlio buscou o prazer da vida, à sua forma. Pena que ocorreu esse acidente fatal. Mas ao menos ele mostrou que a meia-idade não é pretexto para a verdadeira preguiça que está por trás da sisudez e da personalidade racional demais, do prazer escravizado e anulado por regras de etiqueta, pelo ar paternal demais para com os mais jovens, pelo pedantismo que tenta nivelar os cinquentões aos mestres octogenários, mas que não passa de um "brincar de ser velho" que dificilmente fará os "coroas" de hoje mais maduros.

Espera-se que, lá em cima, Júlio Tedesco se recupere da tragédia repentina e dolorosa. E que ele seja abençoado pela lição de jovialidade da qual os esportes radicais apenas eram uma pequena parte. Que sua busca pela alegria de viver, em negação à sisudez confortável de seus contemporâneos, possa representar uma boa lição para aqueles que atingem os 50 anos com suas rugas e cabelos grisalhos ou brancos. Até porque devemos deixar também que o sentimento juvenil também se amadureça e se envelheça.

Boa sorte, Júlio, no seu retorno à pátria espiritual. E valeu pela tentativa de ser jovial na meia-idade.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

REDE GLOBO FARÁ SÉRIE SOBRE "FUNK CARIOCA"



O PiG, "PANCADÃO DA IMPRENSA GOLPISTA", SERÁ UM GRANDE CONSOLO PELA REDUÇÃO DE PODER DE ALI KAMEL NA "VÊNUS PLATINADA".

O "funk carioca", para comemorar dez anos de entrosamento com as Organizações Globo, promete emplacar na velha grande mídia através de um seriado a ser produzido pela Rede Globo sobre o estilo.

Quem foi chamado para bolar a história foi o escritor Paulo Lins, do mesmo meio intelectual de José Padilha e Guilherme Fiúza, ambos integrantes do Instituto Millenium, organização ligada aos militantes da velha mídia, patrocinada pelo Departamento de Estado dos EUA e politicamente integrada ao PSDB/DEM.

Pois a recente divulgação, pelo blogue Mingau de Aço, sobre o envolvimento de José Padilha, cineasta que relançou ao sucesso o "Rap das Armas" (de MC Júnior & MC Leonardo), com o mesmo "instituto" em que integram Otávio Frias Filho, Leandro Narloch, José Piñera (ex-ministro do general Pinochet e irmão do atual presidente chileno, Sebastian Piñera) e possui membros da Opus Dei em seus quadros, repercutiu até no Blog da Dilma.

A medida derruba completamente o mito esquerdista que o "funk carioca" tem por boa parte da intelectualidade influente do país, além de mostrar que os defensores e adeptos do ritmo neo-brega carioca aos poucos estão deixando o jogo duplo de promovê-lo tanto na mídia esquerdista quanto na direitista.

A opção pela Globo, claramente anunciada pela imprensa e pela Internet, mostra que o "funk carioca" pretende mesmo ficar com a velha grande mídia, que oferece maiores chances de mercado.

Não será mais possível dizer que o "funk carioca" é "discriminado pela grande mídia" ou "passa longe das corporações da velha mídia". Até porque essa discriminação nunca aconteceu. E essa associação com a velha mídia só se tornará cada vez mais explícita, a partir de 2012.

sábado, 3 de dezembro de 2011

O "SOLO" DE MICHAEL STIPE EM 1985



Michael Stipe, durante o período de crise interna do R. E. M., em 1985 - ano da brilhante música "Driver 8" - , já chegou a gravar três músicas no disco Visions of Excess, do projeto Golden Palominos, do baterista Anton Fier (e que teve outros convidados, entre eles John Lydon).

Stipe cantou e participou da composição de três faixas, "Omaha", "Clustering Train" e "Boy Go". Esta última tocou bastante na Rádio Fluminense FM.

As faixas são uma amostra que talvez Michael Stipe solo não possa tanto ser um R.E.M. diluído, se ele quiser pode fazer uma carreira completamente diferente do ex-grupo. Talento ele tem de sobra para isso.





sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

VÍDEO DE DESPEDIDA DA TRANSMIL

Vídeo de despedida da Turismo Trans1000, de Mesquita (RJ), recém publicado no YouTube. Com a "Valsa da Despedida" (Robert Burns - versão João de Barro), com Francisco Alves e Dalva de Oliveira.

(Outro vídeo foi publicado no lugar, sem as fotos que foram retiradas a pedido do seu autor)