quinta-feira, 3 de março de 2011

REDE GLOBO CANCELA SERIADO "ALINE"



Justamente quando o seriado Aline, protagonizado pela gracinha da Maria Flor (foto), estava pegando ritmo, na sua atual fase gravada em imagem de película, a Rede Globo decide encerrá-lo, com a exibição do episódio de hoje, que nem terminou o lote da segunda temporada (que terá alguns episódios inéditos).

É um desrespeito ao elenco e à produção do seriado, que, desde meados do ano passado se dedicou a gravar seus episódios.

Além disso, a baixa audiência, principal alegação da emissora, não se justifica, porque o Big Brother Brasil também está perdendo audiência, mas a atração pretende permanecer até 2020.

Correm boatos de que entidades ultraconservadoras, que se incomodaram com a bigamia da personagem, teriam pressionado para a emissora cancelar o seriado.

Só que, no caso do Big Brother Brasil, o Ministério Público Federal é que está, a princípio, apenas observando o programa, enquanto movimentos contra a baixaria na televisão fazem sua parte. E se articula uma frente parlamentar pela democratização da Comunicação, no Congresso Nacional.

O mais irônico disso tudo é que o "promíscuo" seriado Aline - cuja bigamia é comparável à imaginação fictícia de Dona Flor e Seus Dois Maridos e do seriado Armação Ilimitada, exibidos com êxito na Globo - termina sempre com uma mensagem de esperança, sem pieguice, mas com emoção suficiente para fazermos sorrir para a vida e dormirmos tranquilos na certeza de que nem tudo está perdido.

Enquanto isso, o tedioso e repetitivo Big Brother Brasil investe nos mais baixos valores morais, numa promiscuidade sexual pior do que a de Aline e seus namorados Pedro e Otto, e no entanto as "entidades defensoras da moral" não se mexem.

Pior: em que pese a decadência, irreversível mas por enquanto lenta, do Big Brother Brasil, há fanáticos doentes, uma minoria barulhenta, que pedem para que "se respeite o direito de assistir ao programa".

Como tem maluco neste país...

Um comentário:

soulegal disse...

Se, em junho de 2011, fizessem, lá em Governador Valadares (cidade mineira que fica entre o Rio de Janeiro e Salvador), uma passeata contra o "Pânico Na TV" e o "Big Brother Brasil", será que os integrantes dos dois programas vão virar empresários e voltar ao anonimato?