segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O NOIVO DA DANÇARINA



- Ei, quem é você?

- Sou o noivo da dançarina tal. Aquela do grupo de pagode rebolativo.

- Aquele grupo? A dançarina tal? Mas todo a a imprensa do Brasil anunciou que ela está solteiríssima!

- Solteiríssima coisa nenhuma. Sou o noivo dela. Fizemos um acordo.

- Como assim?

- Fiz um acordo, ora. Com o empresário da dançarina.

- E como se deu esse acordo.

- Olha, eu estava montando uma loja de material esportivo. A dançarina foi aprovada no teste para entrar no grupo. Aí o empresário desse grupo me falou que eu teria de dar um tempo na relação, por uns dois ou três anos, porque não fica bem a dançarina se projetar na mídia comprometida.

- E aí o que você fez?

- Eu não concordei, mas negociamos e acabei aceitando, desde que ela não aparecesse com outro namorado. Mas depois tive que dar umas duras no empresário.

- Por quê?

- Porque ele mandou minha noiva (eu me recuso a referi-la como ex-noiva) dizer que está encalhada e que os homens fogem dela. Com aquela aparência de loirona formosa? Dessas que há até briga de homens por causa disso? Temos que ser coerentes!

- E o que aconteceu?

- Eu telefonei para o empresário que, meio sem graça, disse que era uma forma de proteger a moça dos pretendentes. Mas aí eu falei que, pelo menos, ela dissesse que não arruma namorado por falta de tempo. Seria mais sincero. Assim o pessoal sai desconfiando.

- Quer dizer, quando a moça fica dizendo, meio à força, que "está solteiríssima", é bom desconfiar?

- Não exatamente. Mas, no caso das dançarinas de pagode, forró, arrocha, sim. Tenho amigos que também namoram dançarinas de arrocha e elas inventam que estão sozinhas. Orientação do empresário. Tudo mentira. A gente é indenizado (sic), ganha uma boa grana, muitos de nós até sumimos do lugar, se o grupo de pagode é de Salvador a gente se muda pro interior de Tocantins, o dinheiro às vezes dá até para entrar com um restaurante.

- Em certos casos, tem que sumir bem longe, né?

- Sim, se o cara é noivo de uma dançarina de forró do Pará, como eu falei com um cara num festival de Santarém, onde estou morando, o cara tem que se mudar para o Espírito Santo, por exemplo.

- Então essas dançarinas são quase todas comprometidas?

- Quase todas, como eu pude conversar com o empresário de minha noiva. O problema é que tem que ter dinheiro para indenizar todo mundo nessa separação provisória e cuidar para as dançarinas não arrumarem outros homens. Se arrumarem, é prejuízo na certa. Espero que isso não seja o meu caso. Se for, avanço em cima do empresário de minha noiva.

Nenhum comentário: