terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

IDEIAS CONFUSAS PERMITEM VISÕES REACIONÁRIAS



Num país de ainda precária alfabetização e de um trânsito confuso de informações e dados, alguns oportunistas permitem criar visões retrógradas e reacionárias, protegidos pela visibilidade e pelo poder da mídia que apoiam.

A overdose de informações faz com que se confundam "ípsilones" com "ís", e no entretenimento brega-popularesco isso se valeu para certos oportunistas, protegidos ora pelo meio acadêmico, ora pela mídia, ora pela classe social abastada, se valessem de uma visão "socializante" que permitisse que a domesticação sócio-cultural das classes pobres no Brasil se tornasse bem-sucedida.

É estarrecedor o quanto tal visão "oficial" - que esconde valores gravemente conservadores, relacionados à dominação das classes pobres pelas oligarquias e a transmissão de valores retrógrados às classes dominadas - se impõe sob o verniz de "valores progressistas", como se servisse uma bomba-relógio dentro da mais bela embalagem de aniversário.

Ver na busca do Google que o machismo das popozudas, por exemplo, não é visto como machismo, é claramente assustador. Nota-se as manobras da mídia para fazer prevalecer o tipo ideológico delas no imaginário (ou na falta-de-imaginário) das classes populares, e tenta-se até mesmo impô-las como modelo de sucesso feminino para as jovens da periferia.

A condição machista é clara. Muito evidente. São moças que se preocupam mais em inflar seios e glúteos com silicone e limitarem suas carreiras a só mostrar o corpo, de uma forma obsessiva, exagerada e repetitiva.

Moralismo? Nada disso! Até porque há mulheres que investem em sensualidade, posam nuas e tudo, e nem por isso ficam de "mostrar demais" o corpo a qualquer hora, como carne de rua.

Aí vemos o caso de Cléo Pires. Ela foi usada como "bode expiatório", para desviar as indignações da sociedade com o grotesco de Valesca Popozuda, Solange Gomes, Nana Gouveia e similares. A atriz foi acusada injustamente de "exploração do corpo", quando vemos que Cléo adota uma postura mais discreta e sóbria, o que despertou inveja das "boazudas" deixadas de lado, mas badaladas por sítios reacionários como o portal Ego, das Organizações Globo.

Nos blogs progressistas, um internauta de nome André acabou também fazendo a festa dos pró-popozudas, porque falou mal do engajamento das verdadeiras feministas. O internauta chamou mulheres que lutam por seus direitos de "feminazis", o que quase provocou um "racha" entre os blogueiros de esquerda, favorecendo o establishment midiático arranhado pela vanguarda blogueira.

O discurso "anti-machista" atribuído às popozudas - uma página infeliz disse que o É O Tchan "não era machista" porque contava com seis dançarinas! - é reforçado pelo celibato aparente de suas moças (uma delas teve que romper o casamento com um astro do "funk melody" para não atrapalhar seus compromissos com uma escola de samba). E, o que é pior, fala-se até em desculpas "de fundo social", como aquela história da dançarina tal, pelo seu rebolado, "conseguiu comprar uma casa para sua mãezinha doente".

Outra manobra discursiva fica por conta da manipulação que a mídia faz com o povo pobre. Esses oportunistas do discurso, pretensos possuidores da verdade, tentam dizer que isso não existe, que é uma visão paranóica e delirante, que o povo "está feliz" e que qualquer questionamento nesse sentido é "preconceituoso". Esses oportunistas, dotados de preconceitos ocultos pela máscara da "bondade social", chegam mesmo a dizer que quem questiona essa manipulação do povo pobre pela mídia golpista (que "não" existe), é porque "sente nojinho de povo pobre".

Discursos assim já foram feitos por jovens fascistas, na Europa, e deu em ditaduras sanguinárias. O discurso reacionário nem sempre é explícito, muitas vezes o cara joga um discurso inverso, acusa os outros dos defeitos que ele tem, ele tenta convencer a população de que ele "está correto", até que depois ele obtém o poder, seja sozinho, seja ao lado de outros reacionários.

As classes populares estão pouco informadas de quem foi o Cabo Anselmo. O sargento José Anselmo dos Santos tinha 22 anos em 1964 quando adotou um discurso "progressista" e "socializante" que enganou a sociedade. Se existisse Internet e Cabo Anselmo fizesse blogs na época, ele procuraria desmentir o máximo possível qualquer acusação de que ele era um agente da CIA e um jovem direitista. Lançaria mão de xingações, sobretudo em quem não tem visibilidade suficiente para contestá-lo de forma mais firme.

Anos depois, Cabo Anselmo revelou quem era. Um dedo-duro voraz, que entregou aos órgãos de tortura seus próprios amigos e uma ex-namorada, que foram mortos pelos torturadores do regime militar, instalados no temível DOI-CODI.

Sim, o "adorável" Cabo Anselmo, "pracinha tudo de bom", "garotão moderno, que pensa pelo país", "portador de grandes ideias para o povo", revelava-se um mortífero denunciador de manifestantes contra a ditadura militar.

As recentes transformações vividas em nosso país mostram as pressões que influem na decadência do brega-popularesco, processo que assusta seriamente as elites do Brasil, já chocadas com a repercussão das revoltas ocorrentes no Egito contra o ditador Hosni Mubarak.

No Brasil, o reflexo das revoltas do povo egípcio e tunisiano (as revoltas da Tunísia derrubaram o ditador Ben Ali) pode representar a derrubada de oligarquias midiáticas, de latifundiários e dos barões do entretenimento popularesco, por isso as elites, em total pânico, tentam amaciar o discurso para evitar que seus valores retrógrados caiam em desuso e o poderio oligárquico seja derrubado.

Por isso, para proteger as popozudas, falam em "liberdade do corpo", um equivalente erótico do pretexto de "liberdade de imprensa" da mídia golpista. Falam que o povo pobre "está feliz", fazendo papel de idiota na grande mídia. Acusam seus discordantes de "sentir nojo de pobre" com a mesma fúria que a ditadura militar acusava seus opositores de "subversão".

Com isso, a extrema-direita tentou várias manobras: chamar as militantes feministas de "feminazis", pregar atentado contra Dilma Rousseff no Twitter, esculhambar blogs como Mingau de Aço, FAlha de São Paulo, Angry Brazilian, na medida em que eles crescem e ganham visibilidade.

Dentro dessa mesma extrema-direita, existe mesmo a juventude da direita dente-de-leite, com visual moderninho e discurso coloquial mascarando o máximo possível suas ideias retrógradas. Esse pessoal existe há um bom tempo na Internet, equivalendo, em ações, ao que o Comando de Caça aos Comunistas fazia nos anos 60. Se o CCC de 1964 queimou a Sede da UNE, o CCC de hoje prefere mandar um vírus para o e-mail da UNE.

Tudo isso por causa de poucas pessoas que se esforçam para esclarecer a população, fora do poderio caquético da velha grande mídia.

Nenhum comentário: