domingo, 5 de dezembro de 2010

MORRISSEY E MARR REPROVAM "TIETAGEM" DE PRIMEIRO-MINISTRO BRITÂNICO



Os ex-integrantes dos Smiths, o cantor Morrissey e o guitarrista Johnny Marr, reprovaram a declaração do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, de que gostava da música dos Smiths.

Marr havia pedido, no seu Twitter, a David Cameron parar de dizer que gosta dos Smiths. Morrissey, por sua vez, foi solidário ao ex-parceiro, além de fazer duras críticas ao premier britânico.

O motivo é que David Cameron quer derrubar uma lei que estabelece restrições na prática de caça aos animais.

Morrissey, vegetariano convicto e militante, é radicalmente contra qualquer ato de matança de animais, e disse que o primeiro-ministro caça, atira e mata animais por prazer. O cantor pediu aos fãs que enviassem manifestos aos parlamentares britânicos para que a lei que estabelece restrições à caça não seja derrubada.

Há 25 anos, os Smiths lançaram o álbum Meat is Murder, cuja faixa-título é um dramático protesto contra o extermínio de animais. "Não foi para esse tipo de pessoas (como David Cameron) que nós gravamos discos como Meat is Murder ou The Queen is Dead. Na verdade, (essas músicas) foram uma reação à esta violência", concluiu Morrissey.

NIEMEYER SE REINVENTA E COMPÕE SAMBA QUASE AOS 103 ANOS



COMENTÁRIO DESTE BLOG: Remanescente de uma brilhante geração de intelectuais que atuou na sociedade brasileira entre 1922 e 1964, Oscar Niemeyer mantém sua lucidez ao compor a letra de um samba. Ele é uma figura brilhante, de grande valor, e é ótimo que ele continue trabalhando, desenhando, escrevendo.

Em tempo: o livro que ele escreveu sobre a construção de Brasília, Minha Experiência em Brasília, completa 50 anos no próximo ano. Tomara que relancem o livro.

Niemeyer se reinventa e compõe samba quase aos 103 anos

Da Agência EFE

O arquiteto Oscar Niemeyer, uma lenda viva brasileira, se reinventa às vésperas de completar 103 anos, no dia 15 de dezembro, ao compor um samba dos músicos Edu Krieger e Caio Almeida.

"Não sei como encontro tempo para ficar brincando, mas minha música é uma besteira, uma coisinha divertida, nada importante", revelou o arquiteto em entrevista publicada neste sábado ao jornal "O Globo".

O criador do projeto de Brasília e de centenas de monumentos ao redor do mundo revelou que compôs a letra de "Tranquilo com a Vida" enquanto estava internado no fim de 2009, por problemas na vesícula e no intestino.

"Sempre fui muito ligado a esse pessoal do samba e quis fazer alguma coisa louvando o homem da favela", explicou. A letra segue fiel aos ideais comunistas do arquiteto, que costuma se definir como "o último stalinista".

Segundo O Globo, o samba será apresentado em versão digital no dia do aniversário de Niemeyer, quando completará 103 anos em plena atividade criativa e com vários projetos em execução.

O arquiteto entregou ao jornal a letra do samba, que começa dizendo "Hoje em dia minha vida vai ser diferente. Calça de pijama, camisa listrada, sandália no pé. Andar na praia, vou fazer toda manhã. Até moça bonita vai ter se Deus quiser".