quinta-feira, 23 de setembro de 2010

NEM ÁLVARO DIAS AGUENTA MAIS JOSÉ SERRA



Quem diria. A arrogância de José Serra, que já causa descontentamento em Aécio Neves, causa incômodo em Tasso Jereissati e causa mal-estar em Álvaro Dias.

O tucanato já não está tão unido como antes. Num tempo em que até a "cultura" brega-popularesca que rola na maioria das rádios de nosso país está evitando, com medo, a grande mídia, mesmo com suas associações mais do que evidentes (o Domingão do Faustão não está aí para mentir), o demotucanato anda perdendo a cabeça com a continuidade da baixa reputação de José Serra nas pesquisas de intenção de voto.

E, enquanto a pauta demotucana mais recente é o apelo às religiões tradicionalistas para agirem em socorro a José Serra - lembrando os velhos "rosários" do padre Patrick Peyton que animaram a "ecumênica" Marcha da Família Unida com Deus pela Liberdade, no Vale do Anhangabaú, em Sampa, em 19 de março de 1964 - , sobretudo através do presidente do (ironia!) PTB, Roberto Jefferson (sim, o PTB hoje é demotucano, o partido que um dia foi presidido por João Goulart que chefiava o Executivo naquele mesmo 64).

Ah, e há também a choradeira dos barões e dos viscondes da grande mídia no Clube Militar, revivendo o que seus papais e vovôs passaram nos idos de março de 1964.

Voltando a Álvaro Dias, ele afirmou que o PSDB paranaense abandonou José Serra e que ele decidiu seguir a solidariedade familiar e apoiar a candidatura, para o governo do Paraná, do irmão Osmar Dias, que é do PDT e integra a chapa de apoio da petista Dilma Rousseff.

Álvaro, no entanto, não parece ter revisto sua posição radicalmente anti-petista de antes. Mas sua mágoa com José Serra mostra o quanto a dupla PSDB/DEM irá enfrentar na sua grave crise.

A ÚLTIMA LUTA CONTRA A DITADURA



Este é o palco do seminário Arte e Vanguarda na internet - Blogosfera: A Imprensa Alternativa do Século 21@, no Centro Cultural Banco do Brasil.



Esta, a plateia do seminário. Fotos de autoria de Bruno Monteiro.

No detalhe da foto da plateia, o rapazote de óculos e camisa de gola verde é o responsável por este blog.

COMENTÁRIO DESTE BLOG: Este manifesto foi distribuído pelo pessoal do movimento Rio Blog Prog, na noite de anteontem, no Centro Cultural Banco do Brasil, no evento que contou com a participação de Luiz Carlos Azenha e Mauro Santayana, e que teve a presença de um nerd meio esquisito de camisa de gola verde com listas. Esse era eu.

O seminário foi bem bacana e muito esclarecedor. E mostra o quanto Luiz Carlos Azenha e seus amigos do Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé se tornaram a bússola e o farol da moderna blogosfera brasileira.

O manifesto, mesmo impresso, também é disponível na Internet, no próprio Óleo do Diabo, blog do referido autor, Miguel do Rosário (o sobrenome, obviamente, não tem relação alguma com os rosários do Padre Peyton tão queridos do PiG nos anos 60).

A última luta contra a ditadura

Por Miguel do Rosário - Blog Óleo do Diabo

A julgar pelos editoriais, a imprensa brasileira se acha uma vítima trêmula e indefesa, pronta para ser devorada pelo bicho papão totalitário. Claro que há o constrangimento de ter apoiado a ditadura, contra o mesmo bicho papão, mas se ele (o papão) não existia antes e mesmo assim justificou-se um golpe de Estado, não é tão difícil inventar novamente o mesmo inimigo; dessa vez não exatamente para dar um golpe, mas algo mais fácil, como queimar um candidato e eleger outro. Considerando que esses jornais transformaram-se em poderosos conglomerados econômicos à sombra do regime militar, pode-se especular que nossa batalha contra os desmandos desses grupos consiste na última luta dos brasileiros contra o fascismo que pendurou nossa liberdade e nossas esperanças, por vinte longos anos, num pau de arara.

Como empresas privadas, os jornais têm liberdade para defender ou atacar seja quem for, mas a Constituição ficaria grata se evitassem desrespeitar o direito dos indivíduos à honra e à privacidade e, sobretudo, se se esforçassem em conter seus ódios pessoais e tratassem as instituições democráticas e seus representantes com um mínimo de decoro e respeito. Não pedimos isenção. Ao contrário, pedimos honestidade em declarar sua preferência partidária, como fazem os jornais norte-americanos, o que ajudaria os leitores a separar notícia de opinião e entender melhor o que estão lendo.

Conhecemos a imprensa de outros países e francamente não observamos em lugar nenhum do mundo (com exceção dos EUA, onde imprensa deixa bem claro de que lado está) um engajamento partidário tão enlouquecido e agressivo como vemos no Brasil.

A imprensa de fato tornou-se um quarto poder, mas à diferença dos outros poderes, goza de uma liberdade quase selvagem. Pode incentivar as pessoas a tomarem remédios que não precisam, espalhar informações falsas sobre partidos, destruir a reputação de inocentes, pressionar juízes a emitir ordens de prisão (ou de habeas corpus), desestabilizar governos… E quando setores da sociedade, como as associações de medicina, por exemplo, iniciam debates para criar leis que regulamentem o uso de informações sobre saúde, os grupos de mídia não apenas se recusam a dialogar como lançam pesadas acusações contra os que desejam o debate. Eles se pretendem intocáveis. A liberdade de imprensa converte-se, portanto, em objeto de luxo de uso exclusivo de meia dúzia de proprietários de jornais e tv.

Não temos ilusão quanto aos defeitos de nossa classe política e seus representantes, mas também não nos iludimos quanto à perseguição seletiva praticada por uma imprensa desde sempre identificada com ideais conservadores – e portanto com os partidos afinados com esses ideais.

Protestamos, em suma, contra hábitos sinistros que estão se arraigando em nossa imprensa, como fazer acusações sem provas e prejulgar pessoas e instituições de maneira açodada, desrespeitando o princípio da presunção da inocência. Com seu poder, a mídia consegue intimidar inclusive juízes, produzindo outra aberração contra a democracia, que é obstruir o direito de todo cidadão ou empresa de ter um julgamento isento e livre, longe das paixões políticas.



Protestamos, principalmente, contra a tentativa de interferir no processo eleitoral, através da criação de factóides que vão parar diretamente, às vezes no mesmo dia, na página de alguns candidatos. Denúncias devem ser feitas, claro, mas embasadas num mínimo de provas e fundamentos lógicos. Os escândalos que pipocam não nascem da intenção louvável de aprimorar o funcionamento da máquina pública, e sim do desejo mal disfarçado de produzir estragos políticos no adversário da vez.



Enfim, quando vemos a mídia engajada em campanhas partidárias, e ainda lançando suspeitas de que há forças querendo censurá-la ou silenciá-la (o que é mentira); e, para culminar, participando de seminários no Clube Militar, como o que deverá acontecer dia 23 de setembro deste ano, intitulado “Democracia Ameaçada”, muitos cidadãos começam a se questionar, preocupados, se haveria alguém imaginando um golpe, seja um violento, com uso de armas, seja um “pacífico”, como fizeram em Honduras no ano passado, onde o presidente eleito, após decisão do Supremo Tribunal Federal (convertido assim num poder quase monárquico, acima da soberania popular), foi preso pelo exército e conduzido para fora do país. Todos, incluindo o golpe contra Chávez, em 2002, tem algo em comum: a cumplicidade entre oposição conservadora e corporações midiáticas.

Falamos apenas dos jornais. Quanto à mídia televisiva, os fatos são muito mais graves, porque são concessionárias de serviço público, e há leis que proibem a veiculação de material entendido como propaganda partidária.

Quando chamamos a imprensa de golpista, portanto, referimo-nos não só a seu papel fundamental na preparação do golpe de 64 e na consolidação política do regime militar, como também no esforço constante, até hoje, para derrubar ou eleger governantes a partir de artifícios nada éticos de manipulação da notícia.

Reiteramos nosso apreço pela liberdade de imprensa e de expressão, mas observamos que estas liberdades não são direitos exclusivos dos donos de jornal: elas também valem para o leitor, que não deve ser enganado; e para o jornalista, que deve ter direito a trabalhar sem se submeter aos caprichos ideológicos do patrão.

Por fim, convidamos a todos a se libertarem do vício triste de pensar com a cabeça alheia, e a conhecerem a blogosfera política, onde se trata a informação com muito mais profundidade: ela é verificada, checada, conferida novamente, revirada de todos os lados, discutida, rechaçada, e de novo aceita; e onde, principalmente, respeita-se a inteligência do leitor e procura-se fazer com que ele a use efetivamente, pensando politicamente por si mesmo.

Somos os representantes da edição fluminense de uma articulação nacional, os Blogueiros Progressistas, ou seja, de esquerda, e nossa luta mais importante, nas últimas semanas, tem sido desmontar as manipulações midiáticas que visam confundir e influenciar o eleitorado, deturpando a vontade popular.

Data: 23 de setembro, 19 horas

Local: Auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

(Rua Rego Freitas, 530, próximo ao Metrô República, centro da capital paulista).

Presenças confirmadas de dirigentes do PT, PCdoB, PSB, PDT, de representantes da CUT, FS, CTB, CGTB, MST e UNE e de blogueiros progressistas.