quinta-feira, 19 de agosto de 2010

CONVERSA DE CHEFÕES



No Instituto Millenium, dois chefões da mídia golpista conversam sobre sua situação delicada.

CHEFÃO 1 - A mídia esquerdista está pegando demais no pé da gente. Se algum de nós faz um comentário contra o governo, dois ou três blogueiros já escrevem textos esculhambando a gente.

CHEFÃO 2 - O pior é que eles planejam um encontro mais animado do que o que aqui tivemos.

CHEFÃO 1 - Eles são mais espertos. E agora? Nós temos o poder econômico, o que queremos poderemos investir que tão logo conseguiremos. Mas eles têm o apoio da sociedade, pode não ser a maioria da população, mas é uma multidão bem barulhenta.

CHEFÃO 2 - Temos que mexer com isso, e não é no âmbito da política propriamente dita. O que vamos fazer? Diogo Mainardi aumentou o tom das agressões, foi processado e agora nem como turista volta mais ao país. Se voltar, só volta incógnito.

CHEFÃO 1 - No ramo do entretenimento, estamos salvos. Podemos naufragar de vez que nossos interesses continuarão preservados para nossos herdeiros. Sabe aquela cultura pseudo-popular que nossa mídia tanto veiculou desde os anos 60?

CHEFÃO 2 - Aqueles ídolos que diluem o samba, a música caipira e a música baiana num engodo popularesco, e mais aqueles ídolos que empurram porcarias tipo "funk" e tecnobrega?

CHEFÃO 1 - Sim, isso mesmo. A gente já encomendou uma campanha de defesa de tudo isso sem qualquer vínculo conosco.

CHEFÃO 2 - Ah, entendo. Otávio Frias Filho deu carta branca para Pedro Alexandre Sanches atuar na imprensa de esquerda.

CHEFÃO 1 - Pois é. Para defender nossos valores para o povo pobre sem que eles estejam associados aos nossos interesses.

CHEFÃO 2 - Quer dizer, sem que essa associação seja descoberta.

CHEFÃO 3 - Pessoal, já encomendei uns três ou quatro blogueiros para defender a música popularesca como se fosse ativismo sócio-cultural de esquerda. Recomendei para que eles não deixassem vazar o vínculo conosco. Tem um deles que comparou o "funk carioca" com a revolta de Canudos. DJ Marlboro seria o novo Antônio Conselheiro.

CHEFÃO 1 - Legal!!! Assim o povo fica distraído com tamanha lorota. Dessa maneira, ninguém faz ativismo social no Brasil. Temos intelectuais que podem falar até do protesto dos palestinos, aquele povo safado, como se estivesse do lado deles, mas no Brasil só falam vagamente do movimento dos sem-terra e mudam de assunto dizendo que a "verdadeira revolta popular" é o "rebolation".

CHEFÃO 2 - Mas o desvínculo desses intelectuais à nossa causa não será descoberto um dia? O Pedro (Alexandre Sanches) defendeu o tecnobrega na imprensa de esquerda, e hoje nossa mídia faz o mesmo discurso, na Globo, na Folha, com Gaby Amarantos e tudo.

CHEFÃO 1 - A gente inventa e diz que isso nada tem a ver. A gente tenta despolitizar a cultura e inverte as coisas. A gente chama de desordeiro o povo que luta pela qualidade de vida, e a gente chama de manifestante o povo que vai que nem gado para o clube da periferia consumir os modismos musicais da hora.

CHEFÃO 3 - Você nota, caro ... (Chefão 2), que na busca do Google há um monte de artigo que nem aponta essa desconfiança. Pedro (Alexandre Sanches) faz um grande trabalho para nós. Ele é o Instituto Millenium fora do Instituto Millenium. Ele recicla os modismos que rolam nas rádios, rolam no Faustão. Ele faz um discurso intelectualóide e depois devolve os modismos renovados para nossa mídia.

CHEFÃO 1 - Belo plano! Assim o povo é transformado numa massa de idiotas e ninguém desconfia! Imagine, os barracos da favela agora são considerados arquitetura pós-moderna!! Rá, rá, rá, rá!!

Risos entre os três chefões.

CHEFÃO 2 - É mesmo. Arquitetura pós-moderna!! Rá, rá, rá!!

CHEFÃO 3 - O cara mal consegue construir um banheiro com uns tijolos arrumados de um depósito de lixo e vira arquiteto pós-moderno!! Rá, rá, rá, rá!!

Mais risos.

CHEFÃO 1 - A juventude vai que nem gado para os eventos dos clubes suburbanos, consumir o sucesso do momento, e está fazendo ativismo social!! Rá, rá, rá, rá!!

Mais risos.

CHEFÃO 3 - E revolta popular no Brasil agora é dançar o "rebolation", ou rebolar o "funk" até cair no chão!!

Muito mais risos.

CHEFÃO 1 - Delícia viver neste país. Pobre Diogo Mainardi. O coitado teve que viver no exterior de vez, porque deixou até de ser visitante no próprio país.

CHEFÃO 3 - Ele é o Olavo de Carvalho pop. E vai perder de ver o circo pegar fogo.

CHEFÃO 2 - Acho que o Pedro (Alexandre Sanches), depois que a poeira baixar, vai ganhar um Arquivo Confidencial no Domingão do Faustão. É só esperar ele virar celebridade, ganhar Nobel da Paz... Rá, rá, rá!!

CHEFÃO 1 - Nobel da Paz!! Rá, rá, rá!! Só por ter defendido o tecnobrega na imprensa de esquerda!! Rá, rá, rá!!

CHEFÃO 3 - A intelectualidade fala do medo de voltarem os antigos artistas populares, como Ataulfo Alves, Cartola, Jackson do Pandeiro...

CHEFÃO 2 - Que horror!!

CHEFÃO 3 - ...e ninguém vê esse medo. O cara fala que a era do Jackson do Pandeiro acabou, agora é só Léo Santana, e a opinião pública acredita.

Mais risos, e muito mais histéricos.

CHEFÃO 2 - Gente. Vamos nos mexer. Os blogueiros progressistas já vão se reunir na próxima semana. Temos que agendar outra reunião do Instituto Millenium. Será que vai dar para convidar o Pedro (Alexandre Sanches) desta vez?

CHEFÃO 1 - Não sei. Vou ver se convido o professor Eugênio Raggi, ando lendo umas mensagens dele no fórum Samba & Choro e vi que ele é um dos nossos. Fingiu que falava mal da Globo, mas depois entrou num fórum do Globo Esporte e mostrou estar no nosso lado.

CHEFÃO 3 - Não sei se o Eugênio vai comparecer, ele deve estar ocupado em Belo Horizonte.

CHEFÃO 1 - Mas vamos tentar. Se chamamos o Marcel Granier, da RCTV da Venezuela, podemos chamar o Eugênio Raggi. Quanto ao Pedro Sanches, vamos ver se Pedro Bial e Nelson Motta, nossos sócios, falam com o colunista de "Paçoca". Bial e Motta falam a língua jovem e moderna de Pedro Sanches. Creio que o Pedro está assustado, mas um dia ele será um dos nossos. Até o Hermano Vianna a gente manda conversar com o Pedro. Os dois são quase que irmãos, de tão engajados na mesma causa popularesca.

CHEFÃO 2 - Enquanto isso, o Zé Povinho dança o "funk", o "rebolation" e o "tecnomelody" pensando fazer ativismo social. Ô povinho bunda!! Rá, rá, rá!!

CHEFÃO 3 (imitando o Justo Veríssimo) - Quero que o povo todo se exploda!! Rá, rá, rá!! O que (Benjamin) Netanyahu e o Departamento de Estado americano deixam de fazer com o povo palestino... Rá, rá, rá!!

Risos, risos e risos. As elites são sádicas, mesmo.