quarta-feira, 7 de abril de 2010

PAULO EGYDIO, O MESTRE DE JOSÉ SERRA



Quem diria, o hoje empresário e ex-governador de São Paulo, Paulo Egydio Martins, tendo sido uma importante figura da direita brasileira, na prática é um dos grandes mestres do hoje presidenciável José Serra.

Paulo Egydio teve a "façanha" de desviar o caminho da União Nacional dos Estudantes (UNE) para a direita, como presidente da entidade em 1951 e estabelecendo contatos com estudantes estadunidenses que faziam "intercâmbio" no Brasil, com a mesma inocência com que uma parte da sociedade organizada fundou o IPES e o Instituto Millenium.

Aliás, Paulo Egydio participou do IPES-IBAD, foi ministro da Indústria e Comércio do governo Castello Branco e governador de São Paulo na época de Ernesto Geisel. Nomeou o íntegro José Mindlin para a Secretaria de Cultura, mas ele saiu quando o jornalista Wladimir Herzog, da TV Cultura, foi assassinado pelos torturadores militares, em 1975.

Paulo Egydio foi filiado da UDN e ARENA, e hoje está no PSDB. Ironicamente, o antigo líder estudantil de esquerda, José Serra, que esteve presente até no comício de João Goulart na Central do Brasil, em 13 de março de 1964, é um dos mais entusiasmados seguidores do conservadorismo de Paulo Egydio. Como líder estudantil, Serra não seguiu a sua linha, mas depois, como político, Serra se transformou num líder conservador, claramente direitista, ávido por privatizações e outros delírios tecnocratas, e em reprimir os movimentos sociais quando ameaçam os interesses das classes dominantes que cercam o tucano.

Portanto, José Serra aprendeu muito com o conservadorismo do empresário e banqueiro Paulo Egydio Martins.

LEONARDO IVO NOS LEMBRA DE SÉRGIO RICARDO



De forma oportuna, o amigo Leonardo Ivo, do blog Fatos Gerais, ao questionar o "funk carioca", ou o favela bass, nos lembrou de uma antiga canção de Sérgio Ricardo, um grande artista brasileiro, vivo e ativo (só menos ativo, porque o mercado não lhe dá espaço). Hoje pouco conhecido, ele foi muito mais do que um cantor de festivais que jogou o violão para a plateia depois de ser vaiado. Era influenciado pela Bossa Nova, pela música de protesto de cunho cepecista e compôs músicas para o filme Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha, musicando até mesmo alguns poemas do cineasta.

A música que Leonardo Ivo nos lembra foi gravada há 50 anos, "Zelão", uma canção de protesto que faz parte do disco A Bossa Romântica de Sérgio Ricardo. Abaixo tem uma gravação da música reproduzida com arquivo de imagem no You Tube. Em outra oportunidade, mostrarei outra música de Sérgio Ricardo na série sobre o verdadeiro som universitário.

"Alexandre, O favela bass nunca representará o povo favelado. Ele feito para domina-los. Só o samba os reprentava de verdade como nesta letra do compositor Sergio Ricardo, que morava no Vidigal escreveu. Veja:
"Todo morro entendeu quando o Zelão chorou
Ninguém riu, ninguém brincou, e era Carnaval
No fogo de um barracão
Só se cozinha ilusão
Restos que a feira deixou
E ainda é pouco só
Mas assim mesmo o Zelão
Dizia sempre a sorrir
Que um pobre ajuda outro pobre até melhorar

Choveu, choveu
A chuva jogou seu barraco no chão
Nem foi possível salvar violão
Que acompanhou morro abaixo a canção
Das coisas todas que a chuva levou
Pedaços tristes do seu coração."

Esta musica se chama Zelão e tive contato com ela ainda criança na segunda série do primário em 1992 no livro Integrando o Aprender da Editora Scipione, da famigerada Editora Abril. Olha como são as coisas!"

DILMA ROUSSEFF JÁ PREPARA CHAPA FISIOLÓGICA


DILMA RECEBEU O APOIO DE ANTHONY GAROTINHO, ENVOLVIDO EM CORRUPÇÃO.

Assim como fez Lula nas suas campanhas eleitorais, sua candidata à sucessão, a também petista Dilma Rousseff, costura suas alianças duvidosas para ver se ganha fácil nas eleições.

Já começa a se aliar com o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PR-RJ), envolvido em vários casos de corrupção.

Dilma também cogita chamar para vice em sua chapa o sugar daddy, ou melhor, sugar grandaddy Michel Temer, uma das múmias do fisiologismo político do PMDB, que, como lembra o amigo Marcelo Delfino, de Brasil Um País de Tolos, é o maior partido de aluguel do Brasil e, também, o único remanescente dos tempos da ditadura (quando era conhecido apenas como MDB).

Se é assim que o PT faz para conseguir conquistar o Planalto, só nos resta dizer "PT, saudações".

BLOGS PELA DEMOCRACIA É TUCANO



Para quem imagina que o site Blogs Pela Democracia não é de esquerda nem de direita, um aviso. O site é de direita.

Para quem odeia José Serra e outros tucanos e adora Blogs Pela Democracia, outro aviso. O site é tucano. PSDB na veia.

Além disso, artigos da Veja, Folha de São Paulo e O Globo são reproduzidos com gosto pelo blog de nome plural (influência dos Estados Unidos da América, um país com nome plural?). E até um artigo de Fernando Henrique Cardoso foi publicado com prazer pelo "Blogs".

O verde-amarelo do Blogs Pela Democracia, portanto, cheira bem o alaranjado do Instituto Millenium.

Para quem gosta do PSDB e lê Blogs Pela Democracia, desejamos boa sorte na sua opção ideológica e eleitoral.

Mas, para nós, basta dizer apenas "Não, obrigado".