domingo, 28 de março de 2010

JORNAL EXPRESSO: O PERIGOSO JAGUNÇO DAS ORGANIZAÇÕES GLOBO


Quem é que, de fato, combate pra valer os movimentos sociais? Claro, o cidadão médio vai pensar que é o aparelho policial repressivo. O intelectual médio deve imaginar que são as pregações verbais de Diogo Mainardi, Eurípedes Alcântara, William Waack e tantos outros semelhantes.

Errado. Quem combate pra valer os movimentos sociais é a imprensa populista, comprometida a manipular o inconsciente coletivo com frivolidades como boazudas, fanatismo no futebol e idiotices como o Big Brother Brasil. Sem falar do brega-popularesco mais rasteiro, já que o brega-popularesco comportado (Belo, Alexandre Pires, Zezé di Camargo & Luciano, Ivete Sangalo) fica por conta da imprensa semi-populista.

As Organizações Globo, uma das entidades-mor do Instituto Millenium, símbolo máximo do Partido da Imprensa Golpista, tem um jornal populista carioca, o jornal Expresso, além de um jornal semi-populista, Extra. Mas falaremos do pior deles.

O jornal Expresso, dessa forma, executa o serviço de controle social pregado pela Rede Globo. Faz o que o Jornal Nacional não consegue fazer. Executa o controle social na base, que são as classes populares. Com seu sub-jornalismo chulo, vulgar, grotesco, estúpido, o jornal Expresso tira do povo a atenção a coisas realmente importantes, para fixá-los no espetáculo popularesco das mulheres-frutas, da exploração patética da violência, da pieguice chorosa da adoração dos ídolos neo-bregas, da supervalorização do vazio através de atrações como o Big Brother Brasil.

O jornal Expresso, como toda imprensa popularesca, combate na prática qualquer movimento social. Torna-se um jagunço eletrônico, frio, calculista, direto, mas sem derramar um pingo de sangue. Já bastam os litros de sangue derramados pela pistolagem do latifúndio, que, para evitar espetáculos genocidas, tem que cumprir também sua quota de controle social sobre as classes populares das zonas rurais e suburbanas no país. Daí o aparelho ideológico do coronelismo ter inventado a ideologia brega-popularesca, a subordinação da cultura brasileira à mediocridade dominante de hoje.

O jornal Expresso, dessa forma, garante o sono tranquilo dos irmãos Marinho, como instrumento deles de controle social do povo subordinado a tais elites.

ORSON WELLES TERÁ GRAVAÇÃO UTILIZADA EM FILME



O mestre do cinema dos EUA, o ator, locutor e cineasta Orson Welles, terá uma de suas últimas gravações lançada num filme sobre o Natal.

Welles gravou sua voz narrando os contos do livro Christmas Tales (Contos de Natal), de Robert X. Leed, e concluiu meses antes de morrer, em 1985. A gravação foi feita a pedido do escritor, que era amigo do cineasta.

A gravação será utilizada na adaptação cinematográfica do mesmo livro, do mesmo título da obra literária, e que será uma produção que combinará ação real em 3D com animação de computador.

Welles, sabemos bem, havia sido um jovem de ideias bastante ousadas. Narrou a adaptação radiofônica do livro Guerra dos Mundos, de H. G. Wells, em 1938, com um realismo que assustou os estadunidenses. Dirigiu e protagonizou Cidadão Kane, que surpreendeu pela história, dramaticidade e até pelo ousado tema, baseado na vida de um magnata da mídia. Quis fazer um filme no Brasil que fosse o mais fiel possível à nossa realidade, It's All True, que a mercantilista indústria cinematográfica dos EUA (a mesma que produz filmes que, olhem só, são tidos como "alternativos" pelo Telecine Cult) boicotou e fez deixá-lo inacabado. E quis lançar uma linguagem original para o cinema estadunidense, o que fez de Welles um dos grandes criadores do cinema mundial.

GILBERTO DIMENSTEIN CRIMINALIZA GREVE DE PROFESSORES DE SP



Em um artigo na Falha de São Paulo, o articulista Gilberto Dimenstein, naquela costumeira tendência da mídia golpista em criminalizar os movimentos sociais, chamou os professores que faziam greve contra o governo de São Paulo de "baderneiros".

Pior é que Dimenstein coordena uma ONG em tese educacional, Cidade Escola Aprendiz, é especializado em jornalismo comunitário, e até pouco tempo atrás, quando a Folha de São Paulo era considerada "mídia boazinha", era considerado um dos "mestres" do jornalismo, um dos símbolos de "liberdade de opinião" e "defesa da cidadania". Mas, sinceramente, nunca foi para mim. Sempre achei ele meio yuppie, um tanto metido.

E, agora, com ele chamando os professores de "baderneiros" - lembra seu ídolo FHC chamando os aposentados de "vagabundos" - , Gilberto Dimenstein se junta às trapalhadas cometidas pelo colega Bóris Casoy. Péssima lição de jornalismo para quem fica criminalizando os movimentos sociais.

Sim, lugar de professor é na escola, ensinando ou pesquisando. Mas é preciso ter melhor qualidade de vida, não é mesmo?

SEJA SINCERO, EUGÊNIO RAGGI!!


LUÍS NASSIF - Além de jornalista, é também apreciador da MPB autêntica.

Eugênio Arantes Raggi faz muita falta aos fóruns do Instituto Millenium. Quem sabe tais eventos seriam mais divertidos com um cara que junta um discurso grotesco com tiradas irônicas, que certamente inspirariam os hoje direitistas Arnaldo Jabor e Marcelo Madureira nos seus comentários por enquanto mal-humorados (sim, em se tratando de Marcelo ser membro do Casseta & Planeta).

Mas Raggi tem medo, muito medo, de assumir seu apreço à Rede Globo, ao Partido da Imprensa Golpista, a Collor, Sarney, ACM, que ajudaram tanto nos ídolos musicais que o "professor" de Belo Horizonte tanto defende. Prefere dar falsa impressão para a plateia, se infiltrando nos portais que contestam a grande mídia.

Seja coerente, Eugênio Raggi!!

Eugênio Raggi condena a MPB feita entre 1930 e 1968, que para ele é reflexo de uma mentalidade nacionalista maquiavelicamente traçada por Getúlio Vargas. Raggi também desceu farpas violentas aos partidos de esquerda. O que significa isso? Significa que, juntando o ódio ao nacionalismo ao ódio à esquerda, Raggi seria um perfeito golpista, estando nas primeiras fileiras dos defensores do Golpe de 1964.

Raggi, contraditoriamente, está inscrito no portal de Luís Nassif, um dos jornalistas críticos da grande mídia e que também é especialista em MPB autêntica. Portanto, as convicções culturais de Nassif deveriam causar asco em Eugênio Raggi, que chega ao ponto de dizer que o livro Eu Não Sou Cachorro, Não, de Paulo César Araújo, é uma "bíblia".

Por outro lado, seus ídolos Alexandre Pires, Exaltasamba e Banda Calypso, fora outras breguices, nada seriam se não fosse a forcinha das Organizações Globo, que Raggi deve pensar ser uma "inocente" divulgação. Ele deve acreditar que o sucesso da Banda Calypso se deu com o casal Chimbinha & Joelma pedindo esmola nos ônibus de Belém do Pará. Coitado. Alexandre Pires tornou-se fenômeno de mídia por causa do apoio da Rede Globo. Ou será que o sucesso dele, para Raggi, veio porque ele pedia dinheiro nas sinaleiras de BH, hein?

Se ele fosse menos cego na sua arrogância e fosse mais coerente no seu ponto de vista, assumindo seu direitismo, seu apreço à mídia golpista - certamente ele deve ser um fanático enrustido pela Rede Globo - , que tanto fez pelos seus ídolos. Vamos desejar que o protegido do prof. Raggi, que deve trabalhar nas afiliadas mineiras do SBT ou Record, seja contratado pela Rede Globo, porque assim facilitariam as coisas, e o professor mineiro será estimulado a ser mais sincero em suas abordagens midiáticas.

Mídia e entretenimento, no Brasil, se interrelacionam. Por isso, não adianta pegar pesado no reacionarismo cultural se ele é afrouxado nas questões da mídia. Está na cara o caráter golpista das opiniões de Eugênio Raggi, que odeia demais a esquerda para ele participar de sites que questionam o direitismo da grande mídia. Raggi deveria é ficar apegado ao Instituto Millenium e seus militantes. Porque suas opiniões são a face cultural do mesmo reacionarismo que move a mídia golpista de nosso país.

DEFENSORES DO BREGA-POPULARESCO SÃO GOLPISTAS E INSEGUROS


ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO E ALEXANDRE PIRES - ÍDOLOS QUE CONTAM COM DEFENSORES REACIONÁRIOS E CULTURALMENTE GOLPISTAS.

Os defensores da música brega-popularesca mostram cada vez mais que são pessoas inseguras, golpistas culturais, pessoas com problemas de auto-estima, e ainda vão acabar prejudicando os próprios ídolos musicais que tanto defendem.

Eu nunca escrevi, num blog favorável a Alexandre Pires, Zezé Di Camargo & Luciano ou quem quer que seja, para espinafrá-los da forma mais irresponsável. O que eu critico neles é a mediocridade deles como artistas, mas nunca os desmoralizei como pessoas, nunca os depreciei como seres humanos.

Mas Olavo Bruno, cheio de moral para julgar a música brasileira de acordo com o que ele gostaria que fosse, me espinafrou quando eu criticava os ídolos "sertanejos" que ele tanto gostava. Arrogante, ele chegou a dizer que meu blog estava condenado ao fracasso ("A cada caiu para O Kylocyclo"). Ele acredita que seus ídolos breganejos, axezeiros e até mesmo o brega "de raiz" (ele defendeu Benito di Paula e José Augusto) se tornarão populares se Olavo Bruno puxar o tapete da MPB.

Pois são pessoas assim que fazem comentários caluniosos, não eu. Olavo Bruno chegou a dizer que, pela vontade dele, o mestre João Gilberto teria morrido de fome. Sim, um cara desses que exige respeito a Zezé Di Camargo & Luciano, Vítor & Léo e até João Bosco e Vinícius, simplesmente parte para o ataque mais desmoralizador contra a música brasileira.

Isso criará problemas futuros, sem dúvida. Imagine se um programa tipo Estação Globo chama tanto Maria Rita Mariano, "estraçalhada" por Olavo, e os ídolos deste, Vítor & Léo. Aí o assessor de Maria Rita fala para o produtor de TV que um carinha defensor de Vítor & Léo falou mal de Maria Rita. "Foi um comentário muito infeliz, não me leve a mal. Parece ser um cara importante, com tanta presença que esse tal Olavo tem na Internet. Mas o cara quer puxar o tapete da MPB, mesmo. Carinhas assim só vem para bagunçar".

Aí cria-se um clima de saia justa, os rumores se espalham de boca em boca, e daí para Olavo Bruno se transformar num perigoso jagunço cultural, é um pulo. Aí ele tira férias da Internet, feliz da vida por ter bancado o "dono da verdade" nos inúmeros fóruns em que ele deixou mensagens na Internet. Mas, na volta, ele recebe o troco: NINGUÉM fica solidário com ele, e Olavo passa a ser chamado de grotesco para baixo. Preço que ele paga pelas grosserias e baixarias que escreveu na Internet.

O mesmo com Eugênio Raggi. Os textos longuíssimos, grotescos, burros, arrogantes, que o professor mineiro usava para julgar a MPB de acordo com o seu próprio umbigo, transformaram ele na figura mais chata de fóruns como Samba & Choro. Antes dele me espinafrar com seus textos - eu tentei participar do mesmo fórum - um outro internauta me preveniu "Se prepare que lá vem o professor", como quem dissesse: "Lá vem o Chatonildo com suas pregações ridículas".

Imagine o que Francielle Siqueira, a "fã" de Alexandre Pires que despejou comentários grossos contra mim, deve ser vista pelas fãs do cantor mineiro. Deve ser vista como uma dondoca chata e metida. O fã se preocupa em gostar do ídolo, ficar perto dele. Quem é que vai se preocupar em esculhambar quem fala mal do ídolo? Se o cara se preocupa mais com quem não gosta do seu ídolo do que em gostar dele, então pode ser tirada de onda, insegurança, reacionarismo barato. Nem o pretexto de "preservar a imagem" do seu ídolo justifica tamanhos ataques.

MÚSICA BREGA-POPULARESCA LIDA COM "ALEGRIA" - Se a música brega-popularesca, ou a Música de Cabresto Brasileira, lida com valores "positivos", "alegres", com "alto astral", então por que há defensores com uma agressividade semelhante a de um nazi-punk?

A axé-music queimou sua imagem por causa disso. Que "alegria" é essa que se converte em raiva na menor contrariedade? Pensam seus defensores que vão conseguir a unanimidade para seus ídolos assim, através de comentários agressivos?

Se eu falo mal de Alexandre Pires, convém para a verdadeira fã do cantor apenas discordar, e não perder tempo me espinafrando em e-mails, comentários ou qualquer meio de mensagem. Apenas evitar ler meus textos, e vai logo para a página do cantor. Por que Francielle Siqueira, por exemplo, não se preocupa em desejar felicidades para a família do cantor? Por que ela não se preocupa em admirá-lo, se diz tanto ser sua fã?

Essas pessoas, com seus comentários reacionários - há também outros, mais anônimos - , com a máxima certeza não contribuirão para salvar a reputação dos seus ídolos. Pelo contrário, suas raivas só vão promover a imagem negativa dos seus ídolos, mais e mais.

Porque toda a aura de "alto astral" que seus ídolos se esforçam em passar, toda a alegria das apresentações ao vivo se desfaz através da repercussão dos comentários raivosos dos defensores, tidos como "fãs" desses ídolos. Dessa forma, a repercussão converterá esses defensores em fãs violentos, pessoas intolerantes, que se contradizem pregando a tolerância dos outros (no caso, eu), mas tão intolerantes que não suportam ler as críticas que este blog faz para eles.

Ora, ora, este blog não é um blog de música popularesca. Por isso, não sou obrigado a aplaudi-los pela mediocridade que fazem nem fingir que eles são geniais, quando eles deixam claro serem artisticamente menos expressivos do que sua projeção na mídia (golpista) sugere.

MÁ NOTÍCIA: MULHER JACA ESTÁ SOLTEIRA



A dançarina do Créu, a Mulher Jaca, não fugiu do Brasil para se casar com um magnata. Apenas fez viagens num cruzeiro marítimo com estrangeiros e depois voltou solteira.

Será que só sobra isso de mulher solteira nesse país, salvo raras exceções?

Essas mulheres vulgares são piores do que espantalho. Para piorar, a Mulher Jaca escorregou feio no português, conforme declaração feita ao portal Ego: "Fiquei bem à vontade, era um navio com muitos estrangeiros e poucas pessoas me reconheceram. Aproveitei de todas as formas!(risos). Foram os 5 dias mais feliz da minha vida!"

Cinco dias "mais feliz"? Credo, que falta de concordância!! Que grande burrice, infelizmente exaltada por essa mídia populista que, no ramo do entretenimento, faz coisas piores do que Veja faz no ramo da informação. Mas como entretenimento, segundo muitos, não é mais do que lazer "água com açúcar", deixa-se passar a mídia populista, mesmo o pseudo-cult portal Ego, sem saber do perigo grave que é domesticar e imbecilizar o povo, porque é dessa forma que os movimentos sociais, que causam pavor na mídia golpista, se dissolvem sem disparar um tiro.

ORGANIZAÇÕES GLOBO TEM SUA MÍDIA PSEUDO-ALTERNATIVA



O que dizer de uma grande corporação da mídia cuja manipulação ideológica é tal que introjeta no inconsciente coletivo até de parte das pessoas que aparentemente a odeiam? Muitas pessoas estufam o peito falando mal do Domingão do Faustão e, nos domingos, estão lá assistindo ao programa e até mesmo às suas piores atrações. E com direito a competir com o apresentador nas zilhões de vezes que Fausto Silva fala a saturada gíria "galera".

Muitas pessoas dizem rejeitar a Rede Globo, mas dizem abominar seu poder de mídia, mas seguem seus valores, seus princípios, mostrando que eles mesmos são muito mais dominados pelas Organizações Globo do que os espectadores mais submissos e alienados. Porque de uma forma ou de outra sofrem sua influência, mesmo quando tentam desculpar dizendo "nada a ver". Eugênio Raggi faz falta nos fóruns do Instituto Millenium, até para abraçar os irmãos Marinho.

As Organizações Globo, por isso, conta com uma divisão "alternativa", cujo poder de mídia a juventude alienada e reacionária não enxerga sequer à distância. São veículos que acabam pautando o gosto médio da juventude "descolada", mesmo aquela que se diz "diferente" e "insubmissa ao poder da mídia". Quanto poder tinha Luciano Huck! Seu raio de influência atingia até os "roqueiros" que ouviam 89 FM e Rádio Cidade, que diziam achar Huck "ridículo".

Pois esse público é presa fácil da corporação maior do Partido da Imprensa Golpista. São ferinhas que podem ser domesticadas, ainda que não sintam amores pelo seu tutor, tal qual o pitbull que não é carinhoso ao seu dono, mas lhe é obediente. E as Organizações Globo tem sua própria mídia pseudo-alternativa, que determina o que deve ser oficialmente considerado "vanguarda" no entretenimento brasileiro. O "funk carioca" se valeu muito dessa manobra.

Os principais veículos pseudo-alternativos das Organizações Globo são estes:

PORTAL EGO - O portal Ego, embora trabalhe com o universo da vulgaridade mais popularesca, tenta passar uma imagem de "cult" para os internautas. Sobretudo na ênfase das noitadas, dos eventos de moda, criando uma aura de "bacana" até nas bobagens feitas pelos membros das várias edições do Big Brother Brasil.

QUEM ACONTECE - Coitado de Andy Wahrol. Aqui o jovem médio abomina as artes plásticas, a "cultura pop" que consomem é vendida como "estilo" e "atitude" pela revista Quem Acontece, aparentemente uma concorrente de Caras. A revista tenta manobrar o gosto juvenil sob a prespectiva do comportamento em geral.

MULTISHOW - Que mentira, que lorota boa. Como é que as Organizações Globo iriam criar "inocentemente" uma emissora que misturasse TV Cultura e MTV? A pretendida fusão fica só na aparência, porque por debaixo dos panos o canal pago Multishow empurra muita porcaria digna de ser o pior do SBT. A música brega-popularesca é tratada como se fosse a "vanguarda pop-cult". Ah, e tem também o Big Brother Brasil, para "variar".

GNT - Espécie de Multishow para trintões, com ênfase para o público feminino. Tenta trabalhar o lado sentimental da ideologia brega, exibindo documentários como Sou Feia Mas Tô Na Moda, de Denise Garcia, e Waldick, Sempre No Meu Coração, de Patrícia Pillar.

FANTÁSTICO (REDE GLOBO) - O programa televisivo, que representa o showrnalismo levado até as últimas consequências, tenta a todo custo manipular o público através de uma falsa reputação de "revista eletrônica alternativa". O programa tenta vender o ideal de vida brega como se fosse "vanguarda". Foi a partir dele que veio o Central da Periferia, que também se valeu do pretensiosismo "alternativo" para reciclar o establishment brega que contamina as rádios brasileiras.

TELECINE CULT - O que dizer de um canal de filmes que tenta vender o cinemão comercial dos EUA como se fosse "cinema alternativo"?