sábado, 20 de março de 2010

ENQUANTO ISSO, UMA TALENTOSA ATRIZ É MAIS "DESCONHECIDA" QUE MUITA BBB


ESSA BELÍSSIMA ATRIZ, EM SENTIDO HORÁRIO: REPÓRTER DO TELECURSO 2010 E GAROTA-PROPAGANDA DOS PRODUTOS SAZON, FORD E TIGRE. INFELIZMENTE, ELA É MAIS "DESCONHECIDA" QUE MUITA NULIDADE DO BBB.

Você viu o comercial "Rosa" da marca de automóveis Ford. Tinha uma linda morena que, graciosamente, dizia sempre "tudo bem".

Pois é a mesma moça que aparece como a noivinha do comercial dos tubos Tigre, quando o casal é obrigado a aceitar também um encanador, porque não escolheu a marca Tigre.

É a mesma moça que também apareceu no comercial "Lupa" dos temperos Sazon, da Ajinomoto (indústria que faz o famoso macarrão Miojo Lamen). E apareceu também num comercial de farinha de trigo Dona Benta, no comercial da Leader, e outros.

Além do mais, ela agora é repórter do Novo Telecurso 2010.

Pois ela, simplesmente, apesar desse currículo invejável, é simplesmente DESCONHECIDA. Ninguém sabe o nome dela, buscá-la pelo Google é uma grande tortura, e até dá para capturar imagens de vídeo com ela para gravar no computador. Mas, sem saber o nome da gata, fica difícil. Como é que vou identificá-la? A "Rosa" do comercial da Ford?

Essa atriz, com larga experiência, com inegável talento e bons referenciais, no entanto é mais desconhecida que as nulidades do Big Brother Brasil, como Priscila Pires, que até agora não disse a que veio. Só fica indo a noitadas, indo a noitadas, até que um dia foi assaltada, para aprender a optar por um lazer mais diferente.

O caso dessa atriz, de uma beleza desesperadoramente fascinante, chega a ser pior do que outra maravilha, a repórter Elaine Bast, injustiçada pela Internet há uns dez anos. Elaine quase nunca aparecia na Internet, era passada para trás pelas musas dos comerciais de cerveja (com a ressalva de que algumas destas caíram na real e hoje são até tão bacanas quanto a repórter de economia da Rede Globo).

Hoje essa atriz "sem nome" é passada para trás pelas boazudas do BBB, ou pelas horríveis "mulheres-frutas" (as ridículas dançarinas de "funk). Essa atriz é mais desconhecida até do que uma Geisy Arruda surgida do nada para a fama.

Nem o Telecurso ajuda, porque nos vídeos disponíveis de seus programas recentes os créditos finais foram cortados, o que não dá para saber quem é essa maravilhosa moça, por enquanto a nossa "Rosa" do comercial da Ford.

Pois no Brasil cheio de absurdos, essa atriz, mulher deslumbrantemente linda, encantadora, inteligente, esforçada, simplesmente é desconhecida. Pode ser talentosa e atuante, mas isso pouco importa, quando a futilidade é o princípio do espetáculo. Não há espaço para moças lindas e bacanas na mídia machista e golpista.







CASO GEISY ARRUDA FOI UMA GRANDE "PEGADINHA"


GEISY ARRUDA - POLÊMICA NÃO PASSOU DE UMA GRANDE BOBAGEM.

O caso Geisy Arruda, em que uma universitária recebeu vaias ofensivas de colegas por causa de vestido sumário, provavelmente não passou de uma grande "pegadinha" na mídia, e foi uma forma de transformar a vulgaridade em "bandeira de luta" bem ao gosto do instinto politicamente correto da mídia sensacionalista.

Pois no país onde alguns idiotas querem que o "funk carioca" seja considerado "patrimônio cultural", o que vimos foi uma estudante se aproveitar de uma polêmica tola, forjada para dar a ela um status de vítima de preconceito, o que deixou excitados os militantes da mídia golpista ou mesmo da mídia fofinha, que viram no caso um pretexto para defender o que eles entendem como "liberdade de expressão". Tudo para fazer comover e obter apoio do público médio, que vê o Domingão do Faustão e acha o chatíssimo Alexandre Pires um gênio. Fora bobagens outras como Lady Gaga, Zezé Di Camargo & Luciano, Beyoncè Knowles e Guns N'Roses, deuses da mitologia politeísta dos filhotes do CCC.

Geisy nada fez na vida e virou famosa. Nem fazer parte do Big Brother Brasil, capitaneado pelo palhaço do Instituto Millenium, Pedro Bial, Geisy fez parte. E ela virou famosa, virou celebridade, virou um "artigo importante" na busca do Google. Fez lipo e foi dançar num grupo de porno-pagode baiano junto com uma professora que causou outra "polêmica", filando aula para rebolar ao som do grotesco ritmo.

Enfim, bobagem puxa bobagem. Mas não posso criticá-las, porque tem gente pronta para me espinafrar. O reacionarismo está em alta neste país.