sábado, 6 de março de 2010

TRAIDORES CULTURAIS


EM SENTIDO HORÁRIO: PEDRO BIAL, REGINA CASÉ, ARNALDO JABOR, PATRÍCIA PILLAR, HERMANO VIANNA E MARCELO MADUREIRA.

Houve um tempo em que certas pessoas que atuavam na cultura e na militância política de nosso país eram consideradas dignas de admiração. Eram indivíduos que, talvez por um certo exagero, eram considerados heróis, traziam esperança em qualquer de suas manifestações.

Na história política, pessoas como José Dirceu, presidente da UNE durante a fracassada reunião em Ibiúna, quando ele e outros estudantes foram presos, e os guerrilheiros remanescentes Dilma Rousseff e José Genoíno, eram tidos como heróis até se tornarem decepcionantes quando chegaram ao poder.

Mesmo na direita, heróis forjados pela ideologia tecnocrática como Heródoto Barbeiro, Jaime Lerner, Mailson da Nóbrega, Otávio Frias Filho e Fernando Henrique Cardoso, embora não tivessem o carisma natural dos grandes idealistas, também se tornaram frustrantes diante de uma sociedade em que o senso crítico retoma com toda a força no Brasil através da atual geração de blogueiros.

Mas, também na cultura, os equivalentes culturais de José Dirceu, José Genoíno, Dilma Rousseff e outros combatentes, tornam-se decepcionantes traindo seu idealismo anterior, aderindo ao esquemão conservador da mídia, o esquemão que criou os tecnocratas e depois adotou em seu seio a antiga esquerda militante e guerrilheira que lutava contra a ditadura. E que hoje janta com antigos aliados da mesma ditadura que combatiam.

Pessoas que antes representavam o que era moderno, vanguardista e, de um certo modo, esquerdista, na medida em que eles também representavam ideologias novas e mais democráticas, hoje se acomodam com o poder e, embora contem com algum talento e profissionalismo, sua postura ideológica se torna decepcionante, o que prejudicou seriamente seu carisma anterior.

Nem vamos falar de Arnaldo Jabor, porque já falamos em outro texto.

Vemos Pedro Bial, que antes era um poeta performático, um jornalista alternativo e um intelectual atuante, até poderia ser um simples profissional da grande mídia por questões de visibilidade. Mas não é. Pelo contrário, passou a ser o apresentador titular de um dos símbolos máximos da imbecilização televisiva, o Big Brother Brasil (ou PiG Brother Brasil). E, não bastasse isso, escreveu um livro entusiasmado sobre Roberto Marinho e participa, com gosto, da cúpula do Instituto Millenium, organização de direita com fachada de "instituto", como o IPES há quase 50 anos. Só não estava no Fórum Democracia e Liberdade de Expressão porque tinha que apresentar o BBB 10.

Vemos Regina Casé, atriz de vanguarda, estrela do Asdrúbal Trouxe o Trombone, hoje está a serviço do golpismo cultural da grande mídia. E sob o apoio do escudeiro Hermano Vianna, antropólogo que era admirável quando escrevia artigos para revistas como Bizz e outras, nos anos 80, era o irmão intelectual do músico Herbert Vianna, dos Paralamas do Sucesso, mas hoje também é o militante maior do golpismo cultural.

O humorista Marcelo Madureira, de Casseta & Planeta, só assume papel de esquerdista, agora, quando parodia a Marta Suplicy, sogra da também casseta Maria Paula. O "Guerreiro, o Bombeiro" do C&P e um dos ghost writers por trás do Agamenon Mendes Pedreira agora é um neoconservador entusiasmado, um ex-comunista convertido em direitista. E não é só para defender a Rede Globo, da qual é empregado, mas a mídia golpista como um todo, porque compareceu, com gosto, no mesmo fórum que Pedro Bial não pôde comparecer por "compromissos de trabalho".

E Patrícia Pillar, que parecia aquela moça bacana dos nossos sonhos, lindíssima, sensual, engajada culturalmente, que viveu uma longa relação com o ex-Boca Livre Zé Renato (hoje um corajoso pesquisador cultural, além de renomado artista), que nos excitava numa cena de Roque Santeiro usando um conjunto vermelho de suéter, camisa de gola, calça justa e sandálias que a tornava charmosa e sexy, decepcionou feio, quando se casou com Ciro Gomes, um ex-tucano que só é "esquerdista" no sentido pejorativo descrito pelo amigo Marcelo Delfino no blog Brasil Um País de Tolos.

Mas Patrícia fez coisa pior, defendendo o nada vanguardista cantor brega Waldick Soriano, tão conservador que, se fosse convidado para a reunião do governo militar em dezembro de 1968, teria também votado pelo AI-5. Pior, um vídeo com Waldick no TV Mulher defendendo a ditadura foi retirado do portal Globo.Com, porque "pegava mal", talvez pelo lobby que a atriz tem nas Organizações Globo.

Que sabemos de outros exemplos decepcionantes, como os óbvios casos de Caetano Veloso e Gilberto Gil, às vezes condescendentes com a degradação cultural brasileira, em outras posando de donos da verdade absoluta no Brasil, é verdade. Mas só os seis famosos que aparecem na foto que ilustra este texto mostram o quanto as circunstâncias mudam as pessoas, que por mais visibilidade, por mais dinheiro, acabam traindo os antigos ideais. Ganham fama, mas perdem a reputação que tinham antes.

PEDANTISMO APELA MAIS DUAS VEZES


GRUPO REVELAÇÃO E A DUPLA BREGANEJA CÉSAR MENOTTI & FABIANO - Dois nomes que agora se autopromovem às custas de repertório alheio.

Dois nomes da Música de Cabresto Brasileira agora apelam para vampirizar o acervo de nossa MPB. Já veteranos, eles começam a apelar para o repertório alheio, naquele esquema da música paralisada de que já falamos.

Os ídolos popularescos não criam algo que preste, e quando passam os dois, três ou, no máximo, cinco sucessos jogados nas rádios, e cinco anos e cinco álbuns depois, eles partem para o pedantismo, se promovendo às custas de repertório alheio, para disfarçar o natural esgotamento de sua mediocridade musical.

O grupo de sambrega Revelação, ou Grupo Revelação, escolheu a música "Sina", de Djavan, para sua nova fase "revisionista". Já a dupla breganeja César Menotti & Fabiano, agora promovida também a "universitária" (no mesmo ponto de vista do antigo CCC da Mackenzie, vale lembrar), escolheu a bela música "Natural", do hoje injustiçado grupo mineiro 14-Bis.

As duas gravações seguem a tendência pedante típica dos sambregas e breganejos. Os sambregas, além de parasitarem o samba autêntico, procuram usar o repertório de Djavan para levar vantagem. Já os breganejos, além de parasitarem a música caipira, se apropriam às custas do repertório do Clube da Esquina.

Uma reportagem do portal R7 com a dupla César Menotti & Fabiano afirmou que o grupo enche de covers nas suas apresentações, certamente para camuflar o péssimo repertório, cujas músicas autorais só são memoráveis para quem é muito fanático (e, por sinal, bastante reacionário).

Infelizmente, Djavan e 14-Bis não serão favorecidos com essas supostas homenagens. Pelo contrário, fora o dinheiro dos direitos autorais, os dois nomes da MPB autêntica continuarão marginalizados pelas rádios. Até porque as rádios tocam, no lugar das canções originais, as terríveis gravações dos ídolos popularescos.

TRISTE NOTÍCIA: RÁDIO GLOBO AM TERÁ CLONE EM FM



Triste notícia: além da Infra Rádio Tupi, a agora virá aí a Rádio Bobo FM. De tão boba, ela vai reproduzir a programação da Rádio Globo AM 1220, para a alegria do Instituto Millenium, da Confederação Brasileira de Futebol, do Partido da Imprensa Golpista e de outras forças do mal empenhadas em derrubar o rádio AM e a segmentação do rádio FM, seguindo, aos poucos, os passos dos "barões" da mídia holandesa e irlandesa.

Não me venham dizer que programação tipo rádio AM não dá jabaculê porque o fedor jabazeiro é muito maior do que lixo podre acumulado nas ruas. Os dirigentes esportivos cariocas vão adorar, porque assim que enriquecerem além da conta, poderão "lavar" seu dinheiro nas emissoras FM, que, com qualidade cada vez pior, estão sempre receptivas ao dinheiro vindo "de fora", porque os astros do rádio podem assim ganhar mais dinheiro, mas só uma pequena parte será registrada como salário.

E, com menos grana pro ECAD (as FMs "Aemizadas" não tocam música), menos grana para o INSS e menos grana para o IRRF, veremos o rádio FM, nas suas emissoras "Aemizadas", aumentarem o festival de enriquecimento ilícito, garantido pela dupla transmissão AM/FM, que aos olhos da audiência são uma só rádio, mas para as autoridades e banqueiros, são duplas de rádios completamente diferentes. Daí que as rádios vão faturar duas vezes por um só trabalho. E com os colunistas de rádio fazendo vista grossa.

Definitivamente, o rádio FM, no Brasil, MORREU.

PARTIDO DA MÍDIA GOLPISTA DÁ SEU AVAL PARA O "REBOLATION"


A mídia golpista dá o maior apoio à Música de Cabresto Brasileira. Certo, ela não faz parte da discografia pessoal dos "barões" da grande mídia nacional e regional de nosso país. Afinal, essa "cultura do cabresto" é feita para controlar o povo pobre, e mesmo a penetração da "cultura" brega-popularesca nas universidades e nos redutos de classes média e alta, só serve para legitimar esse controle social, impedindo que referenciais verdadeiros da nossa cultura repercutam mesmo na classe média.

Pois Regina Casé, outrora atriz do revolucionário Asdrubal Trouxe o Trombone, convertida na titia dos pobres pela mídia golpista - que cada vez derruba antigos heróis, pois Pedro Bial, Arnaldo Jabor, Hermano Vianna, Marcelo Madureira e outros - , já apresentou o horrendo Central da Periferia (que seu produtor Hermano Vianna, aquele que, no quesito guitarrista, prefere o Chimbinha do Calypso ao hermano Herbert, sonhava ser um marco da TV brasileira), da Rede Globo, e agora tem um outro quadro no Fantástico, Vem Com Tudo.

Mas Regina Casé não cansou de mostrar o brega-popularesco que na "Central" foi inserida no saco de gatos que misturava o folclore brasileiro com a "lavagem musical" de bregas e neo-bregas, sobretudo funqueiros. E no ano passado já havia divulgado o "rebolation" (REBOLEJO), no mês de maio, para os telespectadores carneirinhos da emissora dos irmãos Marinho. Vejam aqui o texto da versão do site do referido programa:

Isto é que é uma pandemia! Não param de chegar vídeos de dança por aqui. O pessoal do rebolation (criação autenticamente brasileira?) ficou com ciúmes do destaque que o Vem Com Tudo deu para o jumpstyle e para o shuffle, e resolveu invadir nosso blog a partir de todas as frentes nacionais. Quem não gosta de rebolation é doente do pé.

O Carllos Lobo Guimarães, do Mato Grosso do Sul, mandou ver no rebolation mais “raiz” (hehehehehe): (Segue um vídeo)

Já o Gaabrielll, do Acre, é mais eclético na sua demostração de psy-rebolation e melbourne shuffle, e também nos efeitos irados de vídeo que também são a maior tendência na internet. (Segue outro vídeo)


A seguir, mostramos os mais recentes comentários feitos sobre o programa, todos elogiando o horrendo ritmo popularesco. Note o baixo QI e o dialeto "clubberês" (tipo gírias "balada" e "vey" ou "véio") da rapaziada amestrada pelo PiG do entretenimento:

1.
76
Felipe A. Riedi:
19 fevereiro, 2010 as 20:26

Rebolation se define em uma palavra! determinaçao (Y)
Ve o meu video der gostar ^^
http://www.youtube.com/watch?v=fRvXSSmkYsk
2.
75
thayllanny rebolation:
29 janeiro, 2010 as 18:11

adoro fazer parte dessa “enorme” comunidade de rebolation que ta no mundo inteiro ate os gringos tao adkrindo (rsrsrs)
3.
74
Gabriela:
7 dezembro, 2009 as 12:24

Gente, acho rebolation o máximo. E a moda pegou, hein? Agora é em todo lugar: em casa, na escola, na balada, no shopping e até no meio da rua! Eu até já aprendi uns passinhos, mas acho q o legal é criar. Uma amiga minha criou o “rodolation”, que é o giro com os pés juntos. Já tentei fazer, mas é difícil!
4.
73
fernando:
26 novembro, 2009 as 19:29

gostei mais da segunda dassa o muleque e mais rapido e fica mais bonito
os passosss
5.
72
paula:
14 novembro, 2009 as 14:48

rpz eu adorei o primeiro video, mas acho que ele podia ter dançado passos mais elaborados n tao simples…
O rebolation hj é mais criatividade, deslocamento e pra o ritmo ficar bom msm tem que por sentimento e acho que os passos dele foram muito simples e que ele tem capacidade pra dançar muito mais…
Parabens aew!
6.
71
Jardel:
12 novembro, 2009 as 14:08

Eu prefiro o Melbourne shuffle [M]uitO mais legal. mais dificil. e só kem dança [bem como eu ;* ] sabe como éh.
Melbourne shuffle Diimaiis <~~~~~ <3 rebolation="Forever…." v="rUHj0qkOk1s" v="gjTZghIEvs4">

NÃO TEM POLÊMICA: ENSINAR "REBOLATION" NA ESCOLA É RUIM MESMO!


Uma diretora foi filmada dançando o "rebolation" (REBOLEJO), dando um péssimo exemplo para os alunos com tamanho grotesco. Nem tem a ver com sensualidade, de tão brutal é esse grotesco. E de tão imbecil é o "pagodão baiano", o porno-pagode, que lançou essa suposta novidade, que não é mais do que o "tchan" reciclado pela geração pós-Harmonia do Samba, há dez anos.

O "espetáculo"

O incidente ocorreu numa escola de Papagaio, interior de Minas Gerais, e deixou os pais revoltados, com toda a razão. Afinal, que valores sociais o porno-pagode traz de relevantes? Nenhuns!! Segundo o professor Mário Magalhães, entrevistado pela Rede Record, o incidente fere o código de ética da escola, diante do péssimo exemplo que não só professores como a diretora, através do "rebolation", apresentam para os alunos.

Por isso, não existe polêmica. "Rebolation" é ruim mesmo. É imbecilização gratuita, brutal e vulgar. E será inútil me acusarem de moralista, preconceituoso e coisa e tal, porque os apologistas da baixaria, podendo ser um Rodrigo Faour da vida, não convencem com suas falácias tendenciosas.

LINK PARA A NOTÍCIA:
http://noticias.r7.com/vestibular-e-concursos/noticias/diretora-ensina-rebolation-a-alunos-e-gera-polemica-20100306.html

IMAGINE SE ISSO OCORRESSE NA MÚSICA BRASILEIRA?



Você é um freguês e vai para um restaurante qualquer, o primeiro que você viu, mais barato e acessível. Aí você pede ao garçom um prato de sopa, já que sua fome pede este tipo de prato.

Esperando ansiosamente pela sopa, o que lhe chega à mesa é uma água mal-temperada de caldo de carne fora do prazo e de óleo de soja vencido, com alguns nacos de salsa e coentro. A sopa não tem densidade e, além do mais, uma mosca já acompanhava o prato há tempos. O gosto da sopa é ruim, sem sal, com um leve sabor estranho de cominho estragado, e a mosca nadando de vez em quando na sopa, que foi preparada sem higiene.

O freguês, enojado depois que tentou experimentar a sopa, vai reclamar com o gerente. Deu toda sua queixa à sopa malfeita e infectada. O gerente, irritado, disse que essa sopa foi feita com as condições que o cozinheiro conhecia. "Você é preconceituoso e autoritário", diz o gerente, furioso. "Você quer mandar no nosso cozinheiro? Ele teve origem pobre, mora com a mãe separada e uns treze irmãos. Tinha quinze irmãos, mais dois morreram vítimas da violência, um em casa caso. Você é um grande moralista, e quem é você para reclamar de uma inocente mosca voando na sopa? Você é contra o ecossistema, rapaz?", acrescentou o gerente.

O freguês foi reclamar então com o assessor do restaurante, um jovem formado em Jornalismo. Ele disse que o padrão de fazer sopa é esse mesmo, é a intuição de gente que veio da periferia, e que esse padrão de fazer sopa já começa a ser adotado, em certos horários, nos mais conceituados restaurantes da cidade. E que seria anti-ecológico evitar que alegres mosquinhas nadem nas sopas, afinal esses insetos têm sede e precisam também usufruir dessa deliciosa (sic) sopa. O assessor ainda chamou o freguês de preconceituoso, invocado, despudorado e raivoso.

Substitua "sopa" por "música", "sopa malfeita" por "música de baixa qualidade" e "mosca" por "baixarias", "restaurantes conceituados" por "TVs educativas" e "rádios segmentadas de MPB", "gerente do restaurante" por "crítico musical" e "assessor do restaurante" por "intelectual". Depois, veja o resultado.