quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Regiane Alves é diferente


Com musa de verdade, a coisa é diferente. E, como sabemos, já é percebida por muitos internautas, como aqueles que votaram nas musas do AskMen.

A atriz Regiane Alves, no ar em Tempos Modernos, novela da Rede Globo, e cujo nome da primeira novela em que participou, Fascinação, tem tudo a ver (ela é fascinante), nasceu um mês e uma semana depois de Sheila Mello e se casou três vezes (a terceira é a atual), sem qualquer dependência de avaliação de mamãezinha nem de irmãozinho.

Pois a maravilhosa Regiane, em vez de ficar explorando o corpo em notícias sem importância, nos brindou com a dica de leitura de um livro, em entrevista a Caras.

Trata-se de Meu Último Suspiro, livro do polêmico cineasta espanhol Luís Buñuel. Um livro de memórias, do cineasta famoso pelas críticas aos absurdos da vida (Sheila Mello teria sofrido nas mãos dele se ela fosse sua personagem). É o livro de cabeceira de Regiane, que comentou sobre a obra:

"Eu estou lendo 'Meu Último Suspiro', do Luis Buñuel. É bom primeiro porque é a história dele, do cineasta, são memórias da vida que ele vai contando no livro todo. Eu adoro essa obra porque eu gosto da língua espanhola e gosto das referências que ele usa".

Pamela Anderson


Determinado site de celebridades escreveu, recentemente, uma nota dizendo que a atriz Pamela Anderson está "actually hot", algo como dizer que está "uma verdadeira gatona".

Alguma coisa deve ter acontecido com o responsável por essa nota. Das três, uma:

1) Ele deve ter bebido muito na noite anterior do seu trabalho.

2) Ele deve ter passado muito tempo no Iraque, sem ver qualquer rosto feminino na sua frente.

3) Ele deve ter mau gosto mesmo.

PESQUISA AVALIA TRANSPORTE PÚBLICO DE SP COMO "POSITIVO"


SÓ MESMO MUITO MONDEGO PARA FAZER OS PAULISTANOS FICAREM FELIZES COM O INSOSSO SISTEMA DE ÔNIBUS PAULISTANO.

A Associação Nacional de Transportes Públicos realizou uma pesquisa com 2352 pessoas e constatou que o sistema de transporte público da cidade de São Paulo tem 50% de aprovação.

Embora, aparentemente, a pesquisa favoreça ao padrão "curitibano" dos ônibus paulistanos, cujo visual uniformizado camufla as empresas, só reconhecíveis por pessoas muito atentas, como muitos busólogos que visitam garagens de ônibus, deve-se levar em conta o seguinte:

1) O Metrô levou a melhor na avaliação dos pesquisados.

2) 2.352 entrevistados é um número muito pequeno.

3) Certamente a maior parte dos entrevistados é de classe média ou média alta.

4) Boa parte dos entrevistados não precisa ser usuária dos transportes avaliados.

A pesquisa, apesar de bem-intencionada, acaba resultando, mesmo sem querer, num tendenciosismo, uma vez que os políticos paulistas e os tecnocratas do transporte público inevitavelmente vão se autopromover às custas dos resultados da pesquisa.

Além disso, a pesquisa pode abafar toda a revolta que o povo paulistano - certamente muito mais do que os "dois mil e tantos" pesquisados, mas que não foram consultados da mesma forma - teve em relação aos reajustes dos preços dos ônibus na capital paulista.