sábado, 23 de outubro de 2010

REDE GLOBO PREFERE CONFIAR EM IMAGENS DE PÉSSIMA RESOLUÇÃO



É ridículo que, em detrimento da informação, a palavra do "amiguinho" valha mais do que a coerência do fato.

Na última semana, houve um protesto dos militantes do PT contra a campanha de José Serra no bairro do Campo Grande, no Rio de Janeiro, que gerou confronto com os seguranças e militantes do PSDB, além de resultar num incidente com o candidato, aparentemente atingido por um objeto redondo, muito provavelmente uma bolinha de papel.

A Rede Globo, ao noticiar o incidente, mostrou a reportagem feita pelo SBT que afirmou ser uma bolinha de papel o objeto que atingiu a cabeça de José Serra. Mas a emissora dos irmãos Marinho preferiu pôr em dúvida a tese, falando em um "objeto estranho", exagerando na reação do candidato, que passou a mão na cabeça depois do incidente.

Motrando uma imagem de péssima resolução, supostamente tirada do celular de um repórter da Folha de São Paulo, a Globo anunciou que Serra teria sido atingido por um objeto perigoso, duvidando que seja uma mera bolinha de papel.

Tsavkko escreve que o vídeo poderia ter sido feito por um militante do PSDB, mas eu mesmo já escrevi para ele informando da constatação da Globo. Se bem que, Folha ou PSDB, Globo ou PSDB, tanto faz, praticamente é tudo a mesma coisa.

Num pronunciamento recente, Lula comparou o mal-estar de José Serra com o "perigoso ataque" com o episódio do goleiro chileno Roberto Rojas. Vendo que um foguete sinalizador foi jogado para o gramado, perto da trave onde estava Rojas, ele tirou do bolso uma navalha e se cortou, e aí fingiu ter sido atingido pelo foguete, o que fez o jogo ser suspenso e o time todo sair de campo, com Rojas sendo socorrido pelos médicos. Era uma partida entre as seleções do Chile e do Brasil, em 1989, para a copa de 1990, jogo realizado no estádio carioca do Maracanã.

Depois a farsa foi descoberta, o time chileno foi punido de não participar de jogos oficiais durante cinco anos, e a responsável por ter atirado o foguete foi uma mulher chamada Rosemery Mello, que teve seus poucos minutos de fama, como a "fogueteira do Maracanã", tendo até posado para a Playboy.

Mas, como não havia portal Ego - olhem as Organizações Globo aí! - para dar guarita para as boazudas naqueles tempos, Rosemery caiu no ostracismo. Se tivesse portal Ego já naquela época, talvez ela aparecesse tanto na mídia quanto a autêntica musa e beldade substancial Luíza Brunet.

Rosemery não pararia um só momento, nas suas repetidas exibições corporais na praia, nas noitadas e nas quadras de escola de samba, com direito a "pagar calcinha", a mostrar decotes "avantajados" ou a "acidentalmente" deixar uma peça de roupa cair para mostrar seus "dotes" corporais.

Roberto Rojas, no entanto, também está relacionado ao mesmo Estado de São Paulo de José Serra, porque anos depois atuou como treinador do time do São Paulo.

Nenhum comentário: