quarta-feira, 20 de outubro de 2010

NOVAMENTE, DE MPB SÓ O ZECA PAGODINHO



Mais uma vez, um evento comemorativo de uma conhecida rede de supermercados do Rio de Janeiro (dica: uma de suas mais recentes filiais fica na antiga garagem da SERVE, em Niterói), com quatro cantores, só um deles de fato faz parte da MPB autêntica: o sambista Zeca Pagodinho.

Novamente ele, que foi o único também na edição do ano passado do mesmo evento.

Os outros cantores são apenas estrelas do brega-popularesco, ainda que seja uma cantora de axé-music erroneamente considerada "rainha da MPB" (título que, no entanto, seguramente vai para Marisa Monte) ou um veterano cantor brega - pai de um ator e cantor emo - que também é erroneamente creditado como "cantor de MPB", quando sua música não passa de um brega mais luxuoso, clone dos momentos menos inspirados de Roberto Carlos. Dica, ele cantou uma música de Márcio Greick que fez o autor deste blog chorar copiosamente, bebezinho, lá pelos idos de 1971 em Florianópolis.

Para completar, há o cantor breganejo que perdeu o irmão, e certamente também não faz parte da MPB autêntica, por mais que seus adeptos ou fanáticos de toda ordem (da intelectualidade etnocêntrica aos talifãs) tentem insistir. É até engraçado que ele agora reclame dos antigos discos da dupla, acusados de malfeitos, mas foram eles que trouxeram os sucessos que a tornaram mais famosa há 20 anos atrás. É cuspir no prato que comeu.

Pois, afinal, não adianta insistir o contrário. O único, único mesmo, da MPB autêntica, com P maiúsculo de Popular mas também com M maiúsculo de música, é Zeca Pagodinho. Que apenas por mera coincidência aparece nas mesmas rádios que os lotadores de plateias, mas seu trabalho é realmente consistente, afinal Zeca é um grande discípulo de Noel Rosa, e é um dos poucos que mantém, na prática, o samba como patrimônio cultural da humanidade.

Quem for esperto só vai para a festa de aniversário do tal supermercado para ver o Zeca. O resto não faz falta, só serve para os muito fanáticos, como os talifãs do Abreganistão.

Um comentário:

Marcos Vinicius Gomes disse...

Engraçado. O Zeca por aqui em Sampa não é considerado 'MPB nato', já vi tocar na Rádio Cultura (na USP nunca ouvi) e toca também nas 'Bands' e congêneres. Acho que é mais um destes casos que circulam entre as duas fronteiras.