sábado, 11 de setembro de 2010

PÉSSIMA IDEIA DO LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL DE COBRIR O TECNOBREGA



Péssima ideia do Le Monde Diplomatique, na versão brasileira do jornal esquerdista francês, de cobrir o tecnobrega numa entrevista com um dos autores do livro sobre o gênero, Ronaldo Lemos.

Eu que achava que Le Monde Diplomatique, pelo menos na sua edição brasileira, fosse um periódico mais sério no trato dos assuntos em geral, sem exceder os sócio-culturais, fiel à orientação original de Ignacio Ramonet, Serge Halimi e outros. Eu que via seriedade no periódico, apesar das presenças de direitistas como Heródoto Barbeiro e Fernando Gabeira no conselho editorial brasileiro.

Certamente será mais um artigo apologético a manchar a mídia esquerdista, principalmente quando se torna a cada dia mais evidente que o tecnobrega foi agraciado pela mídia golpista.

Não adianta Sakamotos e Patolinos falarem que o tecnobrega faz jogo duplo, guerrilha com a grande mídia, porque essa descupla delirante não cola. O que está claro é que os ídolos tecnobregas aparecem felizes quando vão ao Domingão do Faustão, o que não é uma presença inocente nem despretensiosa, levando em conta que o programa é uma das meninas dos olhos das Organizações Globo.

Certamente, para esquerdistas que veem direitismo até em piada do Casseta & Planeta e até nas vírgulas do Arnaldo Jabor, não enxergar manobra direitista no Domingão do Faustão é o fim da picada. Fingir que o tecnobrega continua fora da mídia, enquanto seus ídolos estão todos lá, sorridentes diante de Fausto Silva, é o cúmulo da insensatez. É o supra-sumo da desinformação arrogante de certos deslumbrados com a hegemonia brega-popularesca que quer destruir a cultura brasileira.

Se a mídia esquerdista adotasse seu senso crítico, dando utilidade ao potencial investigativo dos jornalistas e ao potencial contestatório dos cientistas sociais, certamente perceberá o quanto o tecnobrega, no seu Estado de origem, o Pará, foi agraciado até pela grande mídia local. Não bastasse o fato de que as "aparelhagens" nada têm a ver com pobreza, são empresários do entretenimento sustentados pelas oligarquias locais.

O Liberal, maior jornal paraense e ícone da mídia golpista local, fez uma cobertura entusiasmada do gênero, um de seus artigos tem até o título de "Viva o Tecnobrega!".

Por outro lado, Lúcio Flávio Pinto, o jornalista aplaudido pelas pessoas que estavam no Encontro dos Blogueiros Progressistas e edita o esquerdista Jornal Pessoal, chamou o tecnobrega de lixo.

A mídia esquerdista, surda aos avisos de Cassandra dos textos de O Kylocyclo, e deslumbrada com o Cavalo de Tróia do tecnobrega - patrocinado e difundido pelo coronelismo local e sua mídia - , vai continuar indiferente ao nosso blog. Continuará franzindo o cenho, até se convencer que se encontra num impasse sério. É esperar para ver.

Nenhum comentário: