terça-feira, 7 de setembro de 2010

FÚRIA DEMOTUCANA NA RETA FINAL DA CAMPANHA ELEITORAL


VERÔNICA SERRA - A linda filha que acompanha o pai na tarefa de fazer coisa feia.

Quebra de sigilo fiscal de Verônica Serra, filha do presidenciável José Serra, e indícios de sua suposta ligação com parentes de Daniel Dantas, o banqueiro corrupto do grupo Opportunity. Outros integrantes ligados ao PSDB - até mesmo o próprio José Serra - tiveram seus sigilos fiscais quebrados, e fala-se que o contador que pediu à Receita Federal a quebra de sigilos, Antônio Carlos Atella Ferreira, é supostamente filiado ao PT.

Há também o livro de Amaury Ribeiro Jr., Os Porões da Privataria, sobre os bastidores da privatização durante a Era FHC, com denúncias comprometedoras contra os tucanos. Neste caso eu me lembro muito bem de quando a grande mídia (inclui também a mídia fofinha, com Bandeirantes e tudo) fazia torcida para as privatizações derem certo, enquanto os manifestantes do contra eram vistos como vilões arruaceiros).

Amaury é um renomado jornalista investigativo de Minas Gerais, com larga experiência no Estado de Minas. Chegou a sofrer um atentado em 2007 quando, trabalhando em Brasília, investigava homicídios ligados ao narcotráfico local. Sobreviveu não só para contar história, mas para complicar ainda mais a vida dos demotucanos.

A guerra entre tucanos e petistas se acirrou quando a última pesquisa do Datafolha, certamente a contragosto de seus viscondes (vinculados aos barões da Folha, é claro), divulgou a vantagem de 29% da governista Dilma Rousseff sobre o tucano José Serra na preferência do eleitorado consultado. A falta de um escândalo que demoralizasse a candidatura petista - a exemplo do caso Lurian, durante a campanha de Fernando Collor em 1989 - , mas com a entrada de escândalos que enfraquesessem ainda mais a chapa tucana, irritou os serristas.

Aí a mídia golpista partiu para o ataque. Alega que a quebra dos sigilos fiscais dos tucano teriam sido uma artimanha partidária dos petistas, ou, como disseram, uma investigação de "aloprados petistas". Atella, acusado de filiação ao PT, declarou ser eleitor de José Serra. Mas o PiG bate o pé e diz que Atella é petista, sim.

Sem qualquer sectarismo, mas reconhecendo a inexpressividade e arrogância de José Serra, dá para perceber que os ataques e as acusações de espionagem petista na quebra de sigilos fazem parte de um grande jogo sujo da campanha tucana. É uma reação de quem está em pânico, estressado com tantos anos de poder e tanta corrupção feita nos bastidores durante anos e que começa a vasar agora.

O desespero dos tucanos em querer voltar ao Planalto na marra faz com que o saudável debate eleitoral fosse esquecido, enquanto se parte para a briga propriamente dita. Sobretudo quando a corrupção tucana começa a ser conhecida pela opinião pública.

A coisa está tão complicada para o demotucanato que já se fala numa saia justa entre Aécio Neves e José Serra, devido à pesquisa para o livro de Amaury. Há rumores de que existe um ciúme de Aécio por não ter sido escolhido presidenciável, e não topou integrar a tal chapa "puro sangue" tucana porque não queria ser jogado para segundo plano.

Há também a acusação, lá pelos pampas, de um segurança de Yeda Crusius - acusado também de extorquir donos de máquinas caça-níqueis - de espionar políticos oposicionistas à governadora gaúcha, o que pode complicar ainda mais a imagem já desgastada da "dama de ferro dos pampas" e ao PSDB gaúcho em especial.

Por essas e outras, o PSDB se complica como um partido completamente arrogante, prepotente, se comportando na corrida eleitoral feito o Dick Vigarista da Corrida Maluca. Isso apesar de José Serra ser mais um sósia do Mr. Burns, o ganancioso empresário do seriado Os Simpsons.

Amaury Ribeiro acaba de ser contratado pela TV Record. O mineiro, recebedor de vários prêmios, integrará o quadro de jornalismo investigativo da emissora, e certamente trocará figurinhas com Paulo Henrique Amorim, seu colega e integrante do Grupo de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé.

Um comentário:

Lucas Rocha disse...

Sabe porquê o breganejo Zezé Di Camargo deveria convidar Verônica Allende Serra, filha do demotucano José Serra, para um dueto especialíssimo? É porque o irmão dela se chama Luciano que, aliás, é pseudônimo do Welson, irmão do Mirosmar (nome verdadeiro daquele coronel goiano de "Pirenópis").