sábado, 25 de setembro de 2010

BREGA-POPULARESCO E GRANDE MÍDIA, CRISE EM CONJUNTO E EM SEPARADO



Brega-popularesco - Desculpe, grande mídia, que tanto foi responsável pelo meu sustento, pelo meu crescimento e pela transformação dos "sucessos do povão" num fenômeno tão dominante que nem a MPB de tempos atrás consegue mais conter. Nós estamos em crise, mal podemos ficar juntos nessa situação tão difícil!...

Grande mídia - Por que será? Por que será? Éramos tão felizes durante mais de 40 anos! Os políticos conservadores estavam do meu lado e do seu. Por que será? Era tão fácil a grande mídia mostrar as mulheres-frutas como exemplo de "feminismo"... Tão fácil mostrar cantores de pagode romântico e música sertaneja no Domingão do Faustão, na primeira página de Ilustrada, na capa da Contigo... Por quê? Por quê? Por quê?

Brega-popularesco - Está tão difícil agora... Mas éramos tão unidos e vivíamos felizes e juntos, até a Era FHC, não lembra?

Grande mídia - Grandes momentos.

Brega-popularesco - Podíamos promover juntos micaretas em Porto Alegre e Belo Horizonte, íamos realizar vaquejadas até no litoral paulista, na Barra da Tijuca, quem sabe?

Grande mídia - Eu sei. Mas os ataques que eu sofro da mídia esquerdista, dessa blogosfera suja, nos deixa num impasse. Desculpe.

Brega-popularesco - Aí eu entendo. A minha associação a ti poderia me botar para perder. Ai, ai. Tenho que sobreviver com meus ídolos sendo tocados nas FMs que restam, nas lojas de eletrodomésticos, supermercados, nas Lojas Americanas...

Grande mídia - Desculpe se o Faustão não ter aberto as portas para seus cantores e grupos com frequência. A coisa está feia. Já estão dizendo que os humoristas do Casseta & Planeta são tucanos, quanto mais se algum cantor de pagode romântico aparece na Globo um dia desses? Já não basta que um deu o maior xabu porque cantou para o George W. Bush?

Brega-popularesco - É, e a diva da axé-music que participou do Cansei, que fez aquela música que mais parece o tema do Instituto Millenium... "Não me conte seus problemaaaaaa...".

Grande mídia - É, um caminho perigoso. Temos que ficar separados. Não sei se vai colar. A galera está toda desconfiada. Eu estou caindo a cada dia e, quanto mais reajo, mais surra eu levo. A blogosfera está fogo.

Brega-popularesco - Quando terminou a Era FHC, paguei a intelectualidade para falar bem de meus ídolos, para espalhar essa história de "vítimas de preconceito", vendo que nossos anos felizes poderiam terminar.

Grande mídia - Mas nesses oito anos de Era Lula nós ainda poderíamos viver felizes juntos. Até evento comemorativo de São Paulo teve duplas sertanejas.

Brega-popularesco - Mas tínhamos que costurar parcerias com entidades filantrópicas, para dar um tom social e disfarçar nosso casamento. Até uma ONG surgida numa favela carioca teve que entrar para promover nossos artistas como se fossem ativistas sociais.

Grande mídia - Foi uma trabalheira a gente promover o "funk carioca" logo depois que Tim Lopes foi morto. Foi algo estranhíssimo de explicar.

Brega-popularesco - É verdade. E enquanto você dava o maior espaço para os funkeiros, eu pagava a intelectualidade para dizer que eles não tinham acesso na mídia.

Grande mídia - E o povo convenceu?

Brega-popularesco - Em parte. Mas veio uma multidão questionando tudo isso e aí a campanha pró-funkeiros foi por água abaixo. Todos viram a ligação de nós dois nesta campanha. E nós, que fingimos estarmos separados, fomos apanhados em nova lua-de-mel.

Grande mídia - E o que você fez, mesmo, não me lembro?

Brega-popularesco - Aí deixamos os funkeiros com seus empresários-DJs e políticos associados, e aí trabalhamos a mesma campanha para o tecnobrega do Pará.

Grande mídia - Ah, sim! E logo senti que a história ia se repetir. Nós fingindo que nos separamos, para sermos pegos em flagrante, na verdadeira lua-de-mel com as aparelhagens de Belém do Pará.

Brega-popularesco - É difícil explicar por que o tecnobrega já está no Domingão do Faustão. É preciso apelar para o festival de mentiras, mesmo. Intelectual mentiroso tem mais credibilidade. Mente com categoria. Aí temos que dizer que o tecnobrega está fora do controle de você, que só fez sucesso graças à Internet...

Grande mídia - Graças a redes sociais que não tem mais de dez mil seguidores por mês, boa parte deles de heterônimos das mesmas pessoas.

Brega-popularesco - Pois é. Não dá para lotar final de Copa do Mundo. Mas a mentira foi aí, acho que pelo menos a visibilidade garantiu o sucesso da mentira.

Grande mídia - É, mas gostaria que tivéssemos um tucano no poder, para podermos voltar aos tempos felizes quando mídia, política e entretenimento andavam pelo mesmo lado.

Brega-popularesco - Estou cansado de pedir apoio da esquerda. Só uns políticos fisiológicos e uns intelectuais de visão etnocêntrica, bem Avenida Paulista mesmo, conseguem me dar apoio. Têm visibilidade, mas já começam a ser desmascarados.

Grande mídia - Até eles. Por enquanto, eles têm a plateia animada ao seu lado.

Brega-popularesco - E se não tiver? José Serra também foi um Deus há uns 25 anos atrás.

Grande mídia - Tudo que a gente tem que fazer agora é chorar.

Brega-popularesco - Para mim não é problema. Tenho a música sertaneja e o pagode romântico para derramar lágrimas.

Grande mídia - A gente se vê depois do fim da tempestade. Beijos.

Brega-popularesco - Beijos.

2 comentários:

Leandro disse...

É impressão minha ou você não leu a edição "imparcial" do jornal extra de ontem?

O Kylocyclo disse...

Leandro, eu não li, mas você deve entender o texto de maneira relativa. O brega-popularesco não sairá de todo da grande mídia, mas ultimamente anda tomando cautela, porque, com o tiroteio ideológico na política e mídia de hoje, quem tutela os "sucessos do povão" está com medo de vê-los associados à máquina serrista.