terça-feira, 10 de agosto de 2010

CHICO ANYSIO, MAITÊ E A TROPA DE CHOQUE


CHICO ANYSIO, NA PELE DO FASCISTA JUSTO VERÍSSIMO, POTENCIAL GAROTO PROPAGANDA DE JOSÉ SERRA, E A ATRIZ MAITÊ PROENÇA, A NOVA VOZ DA "REAÇÃO" DEMOTUCANA.

COMENTÁRIO DESTE BLOG: Chico Anysio andou falando mentiras e errou até quando disse que Dilma Rousseff participou do sequestro do embaixador estadunidense Charles Elbrick, em 1969. Não, não foi Dilma, foi Fernando Gabeira, que por sinal apoia José Serra, que participou do sequestro (ele até lançou livro sobre isso, não precisamos perguntar qual o título, né, companheiros?).

Além do mais, Maitê Proença - que perdeu a mãe por força de valores machistas - recorreu aos machistas para fazer sua "campanha" eleitoral do medo. Junto a eles, já tem também a turma do Instituto Millenium, antro da direita brasileira e espécie de instituição secreta dos defensores da música brega-popularesca (aqueles que tentam nos convencer de que Amado Batista, MC Créu, Gaby Amarantos e É O Tchan são líderes de uma suposta revolta popular das periferias), fazendo a sua campanha tenebrosa para defender o "hipocondríaco" José Serra.

Chico Anysio, Maitê e a tropa de choque

Por Altamiro Borges - Blog do Miro

Chico Anísio, o humorista da TV Globo que sempre manteve sólidos vínculos com as elites no poder – ele até foi casado com a ex-ministra de Collor de Mello que surrupiou a poupança dos brasileiros –, despejou mentiras contra a candidata Dilma Rousseff numa entrevista recente ao programa Cultura Geral, na rádio Guarani FM, de Belo Horizonte:

“Eu fico meio grilado porque a candidata Dilma, assim como o Gabeira, está proibida de entrar nos Estados Unidos e em mais 11 países. Se botar o pé em Miami vai presa e não sei como que um presidente do Brasil pode conviver com essa proibição de entrar em 11 países, na América e mais 11 países importantes tipo Alemanha, Inglaterra, França, Itália”.

A radialista ainda retrucou: “Mas isso são águas passadas”. Mas, em tom sério, o decadente humorista insistiu na mentira: “Não… não, americano não perdoa. Ela participou do seqüestro do embaixador americano. Americano não perdoa, não”.

Mentiras e machismo explícito

Duas mentiras repetidas na maior caradura. A ex-ministra, que nunca negou o seu engajamento na resistência à ditadura militar, não participou do seqüestro do embaixador dos EUA no Brasil, Charles Burke Elbrick. Dilma Rousseff também nunca foi proibida de entrar naquele país. Tanto que, poucos dias depois das falsidades de Chico Anísio, ela até visitou os Estados Unidos.

Já nesta segunda-feira, a atriz global Maitê Proença negou a sua história – ela que teve destacado papel na luta pela redemocratização do país – ao afirmar ao jornal Estadão que a discriminação das mulheres talvez “venha a calhar nesse momento de eleições, atiçando os machos selvagens e nos salvando da Dilma”. Maitê já declarou que está em dúvida entre Marina Silva e José Serra, mas participou do jantar oferecido por artistas globais ao demotucano no Rio de Janeiro.

Globais investem na tática do medo

As duas declarações – uma mentirosa e outra machista – possivelmente não foram orientadas por Ali Kamel, o “senhor das trevas” da TV Globo, mas indicam o clima predominante na poderosa emissora. No Jornal Nacional, Willian Bonner não disfarça sua rejeição à candidata do governo – o que gerou outra “briga no ninho tucano” durante a entrevista de Dilma Rousseff, com Fátima Bernardes solicitando “um minutinho” de calma ao seu marido agressivo. Nos outros telejornais, Merval Pereira, Cristiana Lobo e outros também não escondem as suas preferências eleitorais.

No seminário do Instituto Millenium, realizado em março passado, várias estrelas da TV Globo já tinham sinalizado qual seria a linha editorial da emissora na cobertura das eleições de 2010. Willian Waack, Arnaldo Jabor e Marcelo Madureira, entre outros, esculhambaram o presidente Lula e a sua candidata. O evento do Millenium, antro da direita brasileira, serviu para unificar o discurso da mídia em torno da “tática do medo”. Na ausência da atriz global Regina Duarte, que cumpriu este deprimente papel nas eleições de 2002, outros já se alistaram na tropa de choque.

2 comentários:

Marcelo Delfino disse...

Medo do José Serra também vale? Pois eu tenho. Creio que o Alexandre também tenha. Ou não?

O Kylocyclo disse...

Tenho, sim. Medo de Serra fazer o Brasil descer mais abaixo. Já citei, através de texto alheio, o que Geraldo Alckmin fez com as Apaes paulistas. É uma amostra de como Serra, coleguinha de Alckmin, pode fazer com a saúde no Brasil.