sexta-feira, 2 de julho de 2010

A DERROTA DO "BRASIL" DA REDE GLOBO



Não foi o povo brasileiro que perdeu com a derrota, por 2 X 1, pela seleção holandesa, na partida de hoje da seleção brasileira de futebol.

O "Brasil" que estava em campo era o da Rede Globo, dos dirigentes esportivos, dos barões da mídia gorda e da mídia fofa, dos empresários das multinacionais que investem no Brasil no afã de um lucro maior do que o investido, entre outras elites detentoras do poder político, econômico, midiático e lúdico de nosso país.

Mas o Brasil do povo que luta por reforma agrária, que perde suas casas sob as chuvas, que é vítima da violência, que luta por uma cultura popular de qualidade, esse Brasil estava fora da copa de 2010 desde o começo. Aliás, é um Brasil que já foi eliminado pelos chefões da política, da economia e do entretenimento.

O Brasil que perdeu a partida de hoje, portanto, não é o nosso Brasil. Não. Como a maioria dos parlamentares do Congresso Nacional não nos representa, como os ídolos popularescos que aparecem no Domingão do Faustão ou nos textos oportunistas dos intelectuais etnocêntricos. Nada disso nos representa.

Pois o país da especulação financeira, do "jeitinho brasileiro", da impunidade política, da corrupção e do crime, dos abusos contra o meio ambiente, do brega-popularesco se achando acima da MPB, do machismo agonizante querendo usurpar para si as mulheres realmente emancipadas, esse país foi derrotado de forma brilhante pela veloz e ágil seleção holandesa.

Na Rede Globo, acusada indevidamente de ser contra a "seleção", pintou um clima de luto. Até o superanimado Thiago Leifert, apresentador do Globo Esporte, apresentava ares de tristeza profunda. E Galvão Bueno, indignado, perguntava o porquê de tal derrota.

O império maior da mídia golpista queria o hexa, mas a falsa impressão de que se empenhou contra tal finalidade foi por causa do clima de saia justa causado pelo técnico Dunga, que vetou às Organizações Globo o privilégio exclusivo das entrevistas a ele e sua equipe.

Afinal, o clima todo da Rede Globo e seus satélites midiáticos era de repetir a "façanha" da copa de 2002, quando a seleção brasileira de futebol, insegura e instável desde as eliminatórias em 2001, venceu todas as partidas mais pela brecha dos times adversários do que pelo talento (medíocre) dos jogadores. Esse clima estava todo em 2010, e nos jogos anteriores ao de hoje, contra a seleção holandesa.

Mas a desilusão tomou todo mundo de surpresa. A Globo esperava que a seleção da Holanda fosse enfraquecer igualmente à do Chile, no jogo anterior. Tanto que o primeiro gol, que durante alguns minutos garantiu vantagem da seleção brasileira, foi comemorado com euforia além da conta pela mídia e pela torcida simpatizante e adepta.

Só que a virada holandesa devolveu ao Brasil a razão. Deixou a Rede Globo e toda a mídia esportiva perplexos. A doutrina da "emoção" sucumbiu ao fracasso, não bastasse o desempenho terrível que as emissoras FM com roupagem de AM do Brasil estão tendo, com Ibope em queda livre.

É certo que a Holanda não tem mais rádio AM e que lá também existe "Aemão de FM". Mas essas emissoras, além de não posarem de "campeãs de audiência", também não promovem o cafajestismo midiático que se faz na terra brasilis.

E da Rede Globo não adiantou os amigos de Galvão Bueno lançarem o "Fala, Galvão". Com a derrota de hoje, o "Cala Boca Galvão" falou muito mais alto. Com um doce gostinho de laranja da Holanda.

2 comentários:

estilo_ronaldcom disse...

Agora só falta culparem a imprensa pela derrota, esquecendo que a "seleção" jogou com a cara do "técnico descontrolado".

M.V "Shogun" disse...

Minha singela opinião sobre esta seleção da CBF: http://shogunidades.blogspot.com/2010/06/uma-selecao-brasileira-que-nao.html