quinta-feira, 15 de julho de 2010

BIG BROTHER BRASIL SENTE O REFLEXO DA DECADÊNCIA



A ex-integrante da edição recente do Big Brother Brasil, Tessália Serigheli, disse em entrevista que ela e a maioria dos seus ex-colegas não recebem qualquer convite para aparecer em eventos ou participar de algum programa de televisão.

Sem querer julgar os méritos de quem participou nas edições do BBB, isso mostra que um reality show não é o melhor caminho para o lançamento de talentos. Poucos que passaram por este tipo de programa conseguiram se sobressair na mídia.

Pelo menos, Tessália, coerentemente, disse que os ex-integrantes que conseguiram emplacar na televisão expressavam uma combinação de inteligência e sorte, dando como exemplos Grazi Massafera e Sabrina Sato.

Abrindo um parênteses, podemos também acrescentar que mesmo quem consegue aparecer constantemente na mídia, como no caso de Anamara e Priscila Pires, não deixam de expressar a crise do formato, uma vez que, neste caso, as duas se inserem num contexto de vulgaridade feminina e, como famosas, são muito superficiais e fúteis.

Tessália, pelo menos, mostrou ser mais pé no chão com seu depoimento realista, e ela afirmou que pretende investir num vídeolog, espécie de blog em imagens de vídeo.

2 comentários:

Marcelo Delfino disse...

Há de se acrescentar o caso do baiano Jean Willys, que já se destacava como professor antes mesmo do BBB. Ele agora é candidato a deputado federal pelo PSOL-BA.

Lucas Rocha disse...

Será que a Tessália Serighelli está ficando "mais inteligente" com um depoimento bem realista?