domingo, 27 de junho de 2010

NOTARAM QUE BREGA-POPULARESCO NUNCA TEM MÚSICA DE PROTESTO?


NÃO ESPEREM UM EQUIVALENTE AO CANTOR GERALDO VANDRÉ EM AXÉZEIROS, BREGANEJOS, FUNQUEIROS ETC.

Notaram que, na Música de Cabresto Brasileira, não existe uma única canção de protesto?

Que, quando muito, as "canções de protesto" - como o "Rap da Felicidade" de MC Cidinho & MC Doca, "Firme e Forte" do Psirico e "Favela" do Parangolé não passam de canções inofensivas em prol do conformismo social?

Que as "músicas de protesto" de Chitãozinho & Xororó e Zezé Di Camargo & Luciano chegam ao nível do risível de tão anódinas?

Que "Eu Não Sou Cachorro Não", de Waldick Soriano nunca foi canção de protesto, nem a pau, queiram ou não queiram as teses conspiratórias fabricadas por Paulo César Araújo?

E que o próprio Odair José afirma em suas entrevistas que não é mais do que um simples cantor romântico?

Que o "funk carioca" (FAVELA BASS) nunca fez um protesto real contra os verdadeiros problemas que atingem o povo, mas sempre se empenh0u no suspeitíssimo "orgulho de ser pobre" que tenta aquietar as massas populares ante a opressão das elites?

Que mesmo nas covers oportunistas de MPB, os ídolos da música brega-popularesca sempre tomam cuidado para não gravar uma canção 'contundente' do artista em questão? Ou alguém vai ouvir um conjunto ou cantor de sambrega gravando "Apesar de Você" de Chico Buarque?

Que música realmente de protesto a "alegria" da axé-music vai encarar? "Chega de bobeira, chega de bobagem, já virou sacanagem?". Não.

Quem é que disse que tecnobrega é "música de protesto"? "Hoje eu tô solteira"? Fala sério!!

Este é o tom da música brega-popularesca. Música de mero entretenimento, que já não é comprometida, de forma alguma, com a produção social de conhecimento, nem com a qualidade artística, nem com a transmissão de valores sociais edificantes.

Não bastasse isso, a música brega-popularesca não se compromete em coisa alguma a alertar dos reais problemas dos brasileiros, sendo mais uma música anestesiante, patrocinada pelas elites detentoras do poder político, econômico e midiático para exercer o controle social através da manipulação cultural das mesmas.

Só isso deveria causar preocupação a mais para nossos analistas acerca das manobras político-midiáticas dos donos do poder sobre o povo.

3 comentários:

Marcelo Delfino disse...

Tem aquela musiquinha ridícula que Zezé Di Camargo & Luciano gravaram ("todo mundo tá ferrado", diz certo trecho) que foi parar na campanha de TV do Lula em 2002. E por isso mesmo nem deve ser levada em conta.

Canção de protesto de verdade não tem ideologia nem partido. Senão vira jingle ou música panfletária.

Lucas Rocha disse...

Porque o brega pós-jovemguardista Odair José é muito sincero quando fala, nas entrevistas, que não passa de um mero cantor romântico?

Brasilia Xpress disse...

Isto sem falar no som de mala, alientante pelo barulho e que tornam inviáveis para pessoas cabeça, como é o caso de Goiânia. Caipira-brega dam apologia machista impregnando, sem piedade os ouvidos alheios. Dia e Noite. A alienação para o barulho do chamado som automotivo é talvez o agente mais pernicioso do alheiamento e do isolamento. Neleninguém fala. E para quê falar? ´E muito perigoso....