quinta-feira, 17 de junho de 2010

GEISY ARRUDA GANHA ATÉ BIOGRAFIA. E A "ROSA" DO COMERCIAL DA FORD?



A atriz que fez a "Rosa" do comercial da Ford (aquele do "tudo bem") está aí, no comercial da Aspirina, no comercial do produto de limpeza Veja, mostrando toda sua encantadora beleza morena e seu admirável talento. Fez vários comerciais, fez reportagem no Telecurso 2010, fora o que ela estudou e batalhou antes e no decorrer de sua carreira.

Infelizmente, no Brasilzinho cafona, essa atriz não é reconhecida. O problema nem é apenas saber o nome dela, mas é dar o reconhecimento devido a ela, batalhadora, inteligente, dedicada. Ela tem um nome a zelar, mas qual é o nome dela? Ela tem méritos, mas qual é o mérito de quem não é reconhecido pelo grande público?

Enquanto isso, Geisy Arruda, lançada numa "pegadinha" numa universidade paulista, que fez a imprensa sensacionalista fazer Contracultura em copo d'água, com a mesma choradeira do "preconceito", da "liberdade de expressão" etc. Surgida do nada, Geisy até tem o direito de cursar faculdade e até virar celebridade, mas é muito estranho que ela passe a ser superestimada por isso, tal qual uma genérica de uma Big Brother Boazuda.

Geisy está a ganhar uma biografia própria, cheia de fatos "picantes", escrita pelo jornalista do portal Terra, Fabiano Rampazzo, que será publicada pela editora Matrix, do jornalista, publicitário e empresário Paulo Tadeu.

Não dá para negar que Geisy é um produto desse mundo de futilidades, de inutilidades. Que já vimos na "jornalista" Priscila Pires, cuja única coisa que faz é ir para noitadas, noitadas e noitadas. Ou nas clones de Priscila Pires, como Anamara, Lia Khey e outras, que também só sabem ir para noitadas e, quando dão entrevista, só falam de banalidades sobre ex-colegas de "riélite", sobre namoro, e, sobretudo, sobre noitadas. Ninguém merece!!

E nossa doce "Rosa" do comercial da Ford, que, além de ser uma mulher de uma beleza fascinante e apaixonante, é uma talentosa atriz, dotada de natural desenvoltura e inteligência, mas isso não é suficiente para torná-la reconhecida, muito menos popular. Porque hoje em dia as pessoas não se tornam famosas porque têm talento, se tornam famosas porque "aparecem".

Como se vê, este é o Brasil, "campeão" da mediocridade, que até no futebol ganha todas sem fazer uma jogada que preste. É o Brasil onde o descartável se torna célebre, e o que deveria ser célebre torna-se completamente descartável.

Um comentário:

Bruna disse...

Puts, isso é triste mesmo.

O "caso Geisy" nada mais é do que o reflexo de nossa sociedade: fútil, superficial, burra, ignorante e cretina.

Até cansa tentar promover reflexões críticas nas pessoas...