terça-feira, 11 de maio de 2010

PiG CULTURAL: MÍDIA GOLPISTA TENTA REABILITAR MICHAEL SULLIVAN



A milícia talifan comemora. A mídia golpista - sobretudo as Organizações Globo - tentam a todo custo reabilitar os ídolos bregas mais antigos, como forma de tentar mudar o curso natural da música brasileira, sempre mantendo longe do legado cepecista-bossanovista de 1958-1967, considerado "subversivo" para o mercado e os detentores do poder.

Mais uma vez, O Globo tenta mudar a imagem do compositor Michael Sullivan, um dos artífices da música brega, sempre naquela pregação de que "brega é a verdadeira música popular" que a intelectualidade tendenciosa faz, sem saber que conta com o apoio mais explícito das duas maiores corporações do Instituto Millenium, o Grupo Folha e as Organizações Globo.

É bom deixar claro que Michael Sullivan foi protegido das Organizações Globo nos anos 80 e ele foi uma espécie de Roberto Campos da música brasileira, já que Sullivan traduziu fielmente na música as ideias que Roberto Campos lançou na economia quando era ministro do Planejamento do governo do general Castello Branco.

Mas, em tempos de "ditabranda", onde até os movimentos "universitários" de hoje (Vítor & Léo, Dário Jeans, Aviões do Forró, Luan Santana) são a realização plena dos sonhos dos tecnocratas do MEC-Usaid, que muitos dos jovens internautas são herdeiros ideológicos do Comando de Caça aos Comunistas e que hoje vemos "fantasmas" do Opus Dei, da TFP, do IPES-IBAD rondando a sociedade organizada, é lógico que Michael Sullivan é reabilitado, não sem uma boa parcela de jabaculê que faz até com que Arnaldo Antunes pareça ter recebido orientação espiritual de Marcelo Fromer.

Infelizmente, não se considera mais a música brasileira pela melodia, pela arte, pela produção de conhecimentos, de valores éticos, de valores sociais sólidos. Agora valem apenas os lotadores de plateias, os vendedores de discos, os astros dos programas de auditório, o puro entretenimento.

Cria-se num momento ou outro até um discurso "cabeça", de preferência mal escrito, tentando dizer que Sullivan "fez boas melodias" e por aí vai. Nada disso. Michael Sullivan vendeu discos, animou a TV aberta com suas músicas divulgadas em programas e trilhas sonoras, e só. A música de Sullivan & Massadas não passa de entretenimento. Mas a onda do 'kitsch' - que, segundo Umberto Eco, é quando o grotesco tenta se passar por "cultura superior" - está no auge no Brasil.

Mas, como dizem os mestres, cultura fraca gera povo fraco. E essa "cultura popular" que domina na grande mídia só interessa à grande mídia e seus adeptos e simpatizantes.

Um comentário:

O Kylocyclo disse...

É lamentável que Daniel Jobim, neto do mestre Tom, tenha aderido à arapuca romântica de Michael Sullivan, gravando com ele "Como um dia de domingo". Da mesma forma que Arnaldo Antunes cantando com Sullivan soa estranho e deslocado.

Quais são os próximos traidores culturais que aparecerão mais uma vez? Vai haver micareta no Instituto Millenium para abrigar toda essa patota, com Pedro Bial no comando?