segunda-feira, 17 de maio de 2010

BULLYING FOI TARDIAMENTE RECONHECIDO



Atualmente, fala-se muito do problema do bullying nas escolas e até nos ambientes sociais e de trabalho, definindo-o como um fenômeno de assédio sexual que intimida quem não se enquadra no status quo social.

Mas esta prática não é nova, pelo contrário, é antiguíssima, e foi tardiamente reconhecida pela Psicologia no mundo inteiro.

Pessoas como eu foram vítimas dessa prática terrível, feita, nas escolas, tanto por alunos que claramente apresentam problemas psicológicos, os garotos-problemas, quanto por alunos aparentemente bem-sucedidos, que expressam prepotência no ambiente social escolar. Estes últimos ainda não são vistos por muitos como problemáticos, até porque esses opressores morais são geralmente líderes de torcidas, animadores de gincanas, galãs de suas salas de aula, exímios esportistas ou, simplesmente, rapazes supostamente "legais".

Por isso mesmo, o bullying foi durante séculos menosprezado pela sociedade, era visto como um probleminha de nada, uma brincadeira de criança, uma descontração sem qualquer gravidade. Quem era humilhado é que tinha que carregar, com toda sua paciência, a vergonha que sofria, sem ser ouvido por outrem e sem poder apelar para quem quer que seja.

Felizmente, nos últimos anos, o bullying - que eu definia, quando eu era adolescente, como "implicância" (e olha que eu desconhecia o termo em inglês, mas conhecia bem o fenômeno pela própria vivência pessoal) - tornou-se um fenômeno psicológico problemático, mas isso depois das consequências graves, por vezes trágicas, serem muito conhecidas.

Artistas como Peter Gabriel, Morrissey, Chris Martin e o falecido Kurt Cobain já relataram que foram vítimas de bullying. Um jovem estadunidense vítima de bullying se suicidou e seu caso inspirou a música "Jeremy", do Pearl Jam.

Por outro lado, quem estava do outro lado da humilhação, ou seja, quem é que pratica bullying contra os outros, pode ter vivido seus tempos de "reis" nas suas escolas. Mas hoje se tornaram anônimos abastados, casmurros, sem o menor carisma, atingindo postos de decisão e de poder sem qualquer mérito especial.

No Brasil, muitos implicantes - ou seja, muitos que praticavam bullying contra os outros - tornaram-se magnatas gananciosos ou políticos corruptos. Os antigos jovens "legais" e "bacanas", supostos modelos de sucesso e prestígio para crianças e adolescentes de suas escolas, hoje estão causando encrencas e brigas nas ruas, ou comandando esquemas de corrupção. Estão roubando, agredindo e lesando os brasileiros às custas da impunidade da lei.

O Brasil virou o grande palco para o bullying adulto desses cafajestes sociais. E o povo brasileiro, a maior vítima desses implicantes.

Nenhum comentário: