terça-feira, 25 de maio de 2010

AINDA SOBRE O INTELECTUAL ETNOCÊNTRICO


PEDRO ALEXANDRE SANCHES - Exemplo de intelectual etnocêntrico.

O mais cruel disso tudo é que o intelectual etnocêntrico dz odiar o etnocentrismo, acha que está gostando do "outro" - no caso, o povo pobre - através de uma mera e hipócrita exaltação, que despreza os verdadeiros problemas que o povo sofre.

Esse intelectual etnocêntrico, que invade revistas e jornais de esquerda e até mesmo periódicos de faculdades, elogiando modismos como "rebolation", tecnobrega e o que vier mais, faz um discurso completamente idealizado.

Ele acusa de idealistas os intelectuais que defendem a verdadeira cultura popular, sobretudo de raiz. Como se não pudéssemos mais voltar aos tempos em que os sertões geravam Luís Gonzaga e Cornélio Pires, ou que as favelas e os morros geravam Jackson do Pandeiro e Ataulfo Alves. Um novo Dorival Caymmi, então, se ele surgir na periferia de Salvador é visto como "burguês".

Mas são esses defensores do "rebolation", do "funk carioca", do tecnobrega, do "brega de raiz" de Waldick e Odair, de todo esse espetáculo da vulgaridade embalado como se fosse "etnografia pós-moderna", que idealizam o povo, que adotam uma visão paternalista e romantizada do povo pobre. São esses intelectuais "generosos" que veem a miséria como se fosse um paraíso selvagem de tijolos e asfalto, em que o povo que, na realidade, é explorado pelo poderio dos barões da mídia, é associado à ideia falaciosa de uma "felicidade inocente, purificada e resignada".

Enquanto o povo pobre, desdentado e miserável faz um sorriso patético sob as ordens da grande mídia, os intelectuais da espécie de Hermano Vianna e Pedro Alexandre Sanches ficam felizes, no seu bom paternalismo sociológico. Mas, e quando o povo enraivecido coloca pneus em chamas nas rodovias, reivindicando justiça social, será que vai baixar o espírito vejista que, no fundo, está dentro dessa intelectualidade hipócrita?

(TRANSCREVI, COM ADAPTAÇÕES, O MESMO COMENTÁRIO MEU PARA O TEXTO O ETNOCENTRISMO INTELECTUAL E O POVO, PORQUE O ASSUNTO ACABOU RENDENDO UM TÓPICO À PARTE)

Um comentário:

DannyAdMasc disse...

Concordo com vc, odeio esses intelectuais que ficam ofendendo o povo se disfarçando que estão defendendo a "cultura" do povo.Para esses intelectuais hipócritas, só ricos e sudestinos podem ter bom gosto, e todas as pessoas pobres e nordestinas são pornôgráficas, machistas.