domingo, 4 de abril de 2010

PARTIDO DA MÍDIA GOLPISTA DÁ SEU AVAL AO SAMBREGA


O "SAMBA", SEGUNDO A MÍDIA GOLPISTA - JORNAL EXTRA FAZ PROPAGANDA DO SAMBREGA COM REPORTAGEM SOBRE CANTOR DO EXALTASAMBA.

Da mesma forma que o breganejo se empenha, com o apoio do latifúndio e da mídia golpista, em matar a música caipira mesmo quando parasita parte de seu cancioneiro, o sambrega também investe na sua campanha agressiva para enfraquecer o samba.

Por enquanto, há a fase da cooptação. Breganejos bajulando Renato Teixeira e Almir Sater, ou parasitando o repertório do Clube da Esquina. Sambregas bajulam Jorge Aragão e Zeca Pagodinho, e parasitam o repertório de Djavan. A parasitagem visa a apropriação da imagem dos artistas originais pelos ídolos popularescos, enquanto as músicas originais sofrem uma "morte lenta" na memória do grande público.

Hoje o jornal Extra fez uma reportagem com o cantor do Exaltasamba, Thiaguinho. Lançado pelo programa Fama, da Rede Globo - engole essa, Eugênio Raggi, que baixou a lenha em Roberta Sá, que tinha carreira antes deste programa - , Thiaguinho é um dos ídolos emergentes do sambrega, ao lado do colega Péricles e de ídolos hoje solo como Belo e Alexandre Pires. Gente que já anima a moçada reacionária que não gosta que falem mal desses ídolos.

O sambrega, ou o "pagode mauricinho", tenta imitar os clichês do samba tradicional da mesma forma que o poser metal tenta imitar os clichês do rock clássico. Tudo uma questão de marketing, superprodução, banho de loja, de tecnologia, ajuda de outros arranjadores e... defensores reacionários!! Há, há!! "Fulano canta pra caráio". Então tá. Fazer o quê... Mas se até Paulo Maluf tem defensores...

O jornal Extra é um veículo das Organizações Globo, vedete do Instituto Millenium, símbolo do Partido da Imprensa Golpista. "Mas a mídia não-golpista dá espaço para o Exalta...", dirá um. Razões concorrenciais, diga-se de passagem. Além disso, o forte do apoio está mesmo na mídia golpista, que vê na música brega-popularesca, na diluição da cultura popular, uma forma de controle social, através da transformação dos ritmos populares brasileiros em estereótipos. E tudo com defensores reaças, bem reaças. José Serra manda a polícia correr atrás dos professores, mas faz escola.

A campanha agressiva da mídia golpista visa deturpar e descaraterizar a música brasileira. Visa tirar a MPB aos poucos da mídia, visa transformar os ritmos populares originais em peça de museu. Deve ser esse o raciocínio da mídia quando quer colocar o sambrega acima do samba. Infelizmente, o samba autêntico quase não tem espaço na grande mídia, seu espaço se limita apenas a divulgar quatro artistas. Se entra Zeca Pagodinho, sai Martinho da Vila. Se entra Diogo Nogueira, sai Dudu Nobre. Mas grupos de "pagode mauricinho" brincando de fazer samba, existem aos montes, todos sentadinhos, simulando clima de botequim.

O samba é patrimônio cultural pelo IPHAN. Sua força artística é inegável, herança da terrível povoação africana no Brasil (terrível, porque os negros vieram como escravos, em condições indignas). Terrível, mas produtiva e proveitosa, já que a cultura negra no Brasil desenvolveu caraterísticas próprias, de uma riqueza ímpar, efetivada por várias gerações. Do contrário da música caipira brasileira, o samba ainda tem força no mercado e na mídia, o que fica difícil para a mídia promover a hegemonia do sambrega no país, sem o respaldo de outros mercados, como o próprio breganejo que ameaça o legado regionalista brasileiro.

Só que a mídia golpista quer porque quer empastelar o samba, reduzindo-o ao estereótipo politicamente correto de intérpretes que, pouco antes, não passavam de caricaturas de grupos como Stylistics e Manhattans com instrumentos de samba. Remoldam esses grupos para fazerem "samba de verdade" - na prática, reduzidos a cópias frouxas de Zeca Pagodinho e Fundo de Quintal, sem acrescentar coisa alguma em relação aos originais - , com muitos clichês e todo o clima de alegria que é contrastado pela fúria de gente reacionária, que não tolera ver na Internet textos falando mal desses intérpretes. Pior é que eles tentam se infiltrar em eventos de samba sério de qualquer maneira, até mesmo um promovido pela rádio MPB FM.

Se não nos alertarmos, o samba se limitará à contemplação museológica, ou então à apreciação distante de japoneses, norte-americanos e outros estrangeiros, já que a MPB autêntica tem mais espaço de divulgação no exterior. É como dizem os generais que hoje são mestres da mídia golpista que nos empurra Alexandre Pires, Exaltasamba & companhia: Brasil, Ame-o ou Deixe-o.

O Instituto Millenium também tem o seu samba.

Um comentário:

Marcelo Delfino disse...

Bom texto. Que tal escrever sobre esse mesmo assunto em outra dimensão? Ou seja, ao invés de falar de sambrega, axé, sertanojo, fânqui e gêneros afins, que tal escrever sobre o roquenrôu diluído de posers e emos? Eles também querem reduzir o rock autêntico a peça de museu, com espaço apenas na Kiss FM e em programetes semanais em outras rádios. Podíamos desenvolver esse tema no blog kissrio.blogspot.com, e daí passar para os outros blogs, mostrando o link para o blog Kiss Rio.

Há de se notar que, por enquanto, a Kiss toca de vez em quando faixas mais pesadas do Guns e do Bon Jovi. Mesmo assim, trava uma guerra com os fãs destas bandas quando alguém da rádio ameaça banir estas bandas.