sábado, 3 de abril de 2010

O QUE É UMA MULHER LEGAL?



A mulher legal é aquela que dá mole fácil e aceita qualquer parada, certo?

ERRADO! A mulher legal é aquela que rende uma convivência ao mesmo tempo útil e agradável.

Mas o Brasil machista há muito empurrou, até mesmo para os homens comuns e não-machistas, as mulheres de personalidade frouxa que a ideologia machista produziu, através de tanta pregação de valores na grande mídia ou através dos valores defendidos pelas camadas conservadoras de nossa sociedade.

O machismo causou problemas, porque criou um contingente enorme de mulheres alienadas, submissas, piegas, infantilizadas, que, por mais que tenham algum emprego próprio ou alguma decisão nas suas vidas, nunca superam o estágio de subordinação aos valores machistas. É a mulher-objeto que diz que "ganha seu próprio pão" e "dá de comer para sua mãe e irmãos", é a maria-coitada que trabalha como professora ou doméstica, mas no lazer fica presa à TV aberta e às FMs popularescas, como criança que insiste em usar chupeta.

A mulher legal não é assim. A mulher legal é diferente, é o resultado completo da luta do movimento feminista pela emancipação real, não apenas pela emancipação formal, apenas aparente, que esconde a submissão funcional da mulher. Como o analfabetismo funcional, em que as pessoas sabem ler e escrever mas não sabem pensar, a submissão funcional faz com que a mulher tenha seu próprio emprego e seus compromissos próprios como cidadã, mas é incapaz de ter valores culturais próprios e relevantes, seguindo apenas o que a grande mídia lhe determina para crer, fazer, curtir e apreciar.

CARATERÍSTICAS PRINCIPAIS DA MULHER LEGAL

1. Fala de forma articulada, coloquial sem excessos, com um bom vocabulário, dando ideia de que diversifica no uso e na elaboração de palavras e frases.

2. Atua de forma independente em relação à mídia, procurando evitar os veículos considerados "mais populares", que demonstram ser chulos ou piegas. Procura fugir da TV aberta o máximo possível, só admitindo exceções (como programas educativos, por exemplo).

3. Evita apreciar músicas cafonas, sentimentalóides ou grotescas, as primeiras por serem tristes, as segundas por serem chulas, mas todas representando valores de mediocridade cultural que a mulher legal não aprecia.

4. A mulher legal é altiva. Olha para frente, e não para baixo. Não é conformista. Age de peito erguido, não como uma maria-coitada que finge ser orgulhosa, mas como uma mulher que realmente sabe o que quer e o que não quer na vida.

5. A mulher legal não fica lendo revistas de fofocas nem jornais policialescos. Ela lê obras literárias e livros históricos ou de ensaios (como os livros científicos de Umberto Eco).

6. A mulher legal apresenta referenciais dos lugares bacanas que frequenta, sejam salas de cinema, exposições de artes plásticas, restaurantes e outros lugares de lazer. Além disso, a mulher legal é capaz de apresentar coisas novas e interessantes para o homem.

7. A mulher legal não cai na tentação de "gostar de tudo". Ela é exigente, requer qualidade. Além disso, de que adianta ser receptiva a qualquer coisa de qualidade, se no fundo a preferência vai sempre para o que é pior? A mulher legal não tem essa atitude, ela é claramente seletiva, porque quer qualidade, quer o que é realmente melhor.

8. A mulher legal transmite ideias e conhecimentos até quando escreve no MSN. E procura moderar no uso de palavrinhas decoradas nas mensagens escritas.

9. Quando curte música, a mulher legal procura ver a qualidade melódica, a perenidade e competência artística. Música brega-popularesca não é o forte dela, de jeito nenhum. Nem os aplausos das espectadoras do Fausto Silva e similares a farão mudar de ideia, muito pelo contrário.

10. O caráter moral não é desculpa para ela ter uma personalidade infantilizada, cafona e piegas. A mulher legal pode ser uma boa pessoa sem deixar de ter uma personalidade forte, que não é sinônimo de pavio-curto. Personalidade forte é aquela que junta inteligência, independência, insubordinação e integridade moral.

Um comentário:

O Kylocyclo disse...

Sim, sem dúvida. Isso está implícito no sexto ítem. A mulher legal frequenta ambientes bacanas, e dá um show nas conversas com os amigos.