terça-feira, 16 de março de 2010

MÍDIA GOLPISTA E BREGA-POPULARESCO: O AVAL DA EDITORA ABRIL



A mesma Editora Abril que, através de Veja, criminaliza os movimentos sociais da forma mais grotesca e escancarada possível, é uma das responsáveis diretas pela pasteurização da cultura popular brasileira, juntamente com as Organizações Globo e a Folha de São Paulo.

Sim, e essa mídia é justamente a que organiza, de forma bem assumida, as mobilizações do Instituto Millenium, do qual seus donos, os Civita, Marinho e Frias, são seus maiores patrocinadores.

A Abril tem uma revista chamada Contigo, dedicada às fofocas da TV (setor que não deve ser confundido com o de Caras, que é colunismo social em forma de revista; em outras palavras, uma coisa é Nelson Rubens, outra é Imbrahim Sued), e que costuma fazer propaganda escancarada dos ídolos da Música de Cabresto Brasileira. Sobretudo os mais "nobres": Alexandre Pires, Chitãozinho & Xororó, DJ Marlboro, e sobretudo os medalhões da axé-music, que tem até camarote exclusivo da revista Contigo e suas celebridades compradas.

Sim, é o apoio da grande mídia ao brega-popularesco que não deve ser confundido com uma "inocente" divulgação. Enquanto a mídia fofa e a parte corrompida da mídia de esquerda apoiam o brega-popularesco como um rato que, vendo uma ratoeira, se impressiona com o queijo posto na armadilha, a grande mídia veste a camisa do brega-popularesco, mentora que é de toda essa pasteurização da cultura popular em moldes conhecidos como cafonas, de todo um modelo de estereotipação e domesticação do povo, através da adoração fanática por ídolos de gosto duvidoso.

Para fortalecer a campanha midiática de pasteurização, a Contigo publica revistas especiais sobre os ídolos popularescos de maior sucesso, e aqui vemos Chiclete Com Banana e Zezé Di Camargo & Luciano com seus volumes com títulos bem apelativos: Chiclete Com Banana - Uma Paixão e Zezé Di Camargo & Luciano - Dois Corações e Uma História. Títulos feitos para fisgar o público pelo sentimentalismo, que também é o outro lado do sensacionalismo, que é o lado piegas, choroso, a exploração barata da comoção humana, base de todo fanatismo.

Um comentário:

Marcelo Delfino disse...

Tenho uma sugestão para o amigo Alexandre: verifique os jornais concorrentes Folha e Estadão. Se não me engano, um deles começará em breve a vender fascículos sobre a MPB. Cada fascículo será dedicado a um grande nome da MPB, e constará de um livro e de um CD exclusivo. Talvez enfiem alguns nomes da Música de Cabresto Brasileira na lista de fascículos. Se enfiarem mesmo, tem todo o jeitão de ser coisa da Folha.