segunda-feira, 29 de março de 2010

CORONELISMO MUSICAL: BREGANEJO TORNA-SE HEGEMÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO


INTEGRANTE DA DUPLA RICK & RICARDO, UM DOS REPRESENTANTES DO "SERTANEJO UNIVERSITÁRIO".

Realmente, o Brasil é um país conservador que, na melhor das hipóteses, muda na forma para manter todo o conteúdo antiquado e retrógrado.

No país em que os movimentos sociais são tratados pela mídia golpista como se fossem atos criminosos - sobretudo, as manifestações dos agricultores sem-terra - , a música breganeja, forma musical do coronelismo latifundiário, torna-se hegemônica no mercado fonográfico brasileiro.

A mídia golpista comemorou. O jornal O Globo mal se fez da ressaca pela comemoração do sucesso do decadente Big Brother Brasil, nas páginas da Revista da TV do último dia 28, hoje, no Segundo Caderno, dedicou sua primeira página para esses usurpadores e diluidores da nossa música caipira, ameaçada de extinção.

E, na festa do Partido da Imprensa Golpista, até o executivo da Sony Music, Alexandre Schiavo, teve direito a falar besteira: "O sertanejo é hoje a grande música realmente popular brasileira", disse o executivo, certamente mais entendido de dinheiro do que de cultura brasileira. Qualquer boi ou galinha, ou mesmo uma pedra, entenderia muito mais de cultura brasileira do que ele.

O "sertanejo universitário" é uma espécie de breganejo com QI de emo. É a principal tendência do breganejo que, como já se imaginava, se esforça em entrar no mercado carioca, firmar sua reserva mercadológica, para aí empurrar os veteranos junto. É uma espécie de agronegócio musical, cujos músicos são mais articulados para falar, parecem galãs de novelas, andam de carrões importados e dominam toda a técnica country que eles copiaram dos ídolos atuais dos EUA.

É lamentável que esse tipo de música faça sucesso e tente entrar no Rio de Janeiro. Os latifundiários não querem só a Avenida Paulista, querem também a Barra da Tijuca e o Leblon. E os defensores do breganejo estão com fome de reacionarismo, à altura de seus antigos titios do Comando de Caça aos Comunistas. Se esse suposto som sertanejo é "universitário", só se for da mesma linha direitista daquelas turmas infelizes do CCC, que em São Paulo teve como integrante um gordinho chamado Bóris Casoy e que no Rio chegaram até a destruir os estúdios da Rádio MEC AM.

O breganejo, de Chitãozinho & Xororó até os "universitários" - será que vem aí a dupla "Renato Russo & Cazuza"? - , é a expressão musical da UDR (filhote caipira da UDN). É o coronelismo querendo controlar a cultura brasileira, destruindo a cultura regional mesmo defendendo a mesma no discurso.

Um comentário:

Marcelo Pereira disse...

lamentável a declaração de seu xará. Como pode esse tipo de "música" ser considerado "verdadeiramente brasileiro" se ele não tem nada de brasileiro?

Esse Breganojo Universotário não passa de uma versão aguada de country-rock feito por semi-analfas (universitário, né?).

E para piorar, posa de "sertão" mas estoura nos asfaltos. É um tipo de som totalmente (sub) urbano. Nada a ver com o homem do campo.

De "sertão", eles só tem o "ser tão babacas".