quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

PETKOVIC DEFENDE SOCIALISMO EM PROGRAMA DE ANA MARIA BRAGA


O jogador Dejan Petkovic, sérvio naturalizado que atualmente joga no Flamengo, fez defesa do regime socialista no programa Mais Você, apresentado por Ana Maria Braga, uma das ilustres personalidades da mídia gorda da Rede Globo de Televisão.

Ana Maria Braga, como provocação, perguntou ao craque sobre como é nascer num país "com tanta dificuldade". E eis que Petkovic respondeu: "Quando nasci não tinha dificuldade nenhuma. Era um país maravilhoso, vivíamos um regime socialista, todo mundo bem, todos tinham salário, todos tinham emprego. Os problemas aconteceram depois dos anos 80".

Certamente, esta declaração simples nunca seria incluída no horroroso "funk" feito em suposta homenagem ao jogador, em que, diante de um monte de palavreado, se solta o refrão repetitivo "É o Pet, é o Pet...", a exemplo daquele jingle eleitoral da campanha para a Prefeitura de Salvador de 2008, quando o PT e o PMDB despejaram o mesmo refrão conforme o número de registro do partido: "É 13, 13, 13, 13..." ou "É 15, 15, 15, 15...".

Isso porque o "funk" é a menina dos olhos das Organizações Globo, integrante do Partido da Imprensa Golpista, e tudo que for reacionário e conservador. E Ana Maria Braga é conhecida também por ter participado, junto com Hebe Camargo, Ivete Sangalo e Zezé di Camargo naquela campanha "Cansei", caricatura daquelas marchas Deus e Liberdade que pediram a derrubada de Jango em 1964.

Um comentário:

Marcelo Delfino disse...

Puxa. Pensei até em mudar o nome do meu blog. Mas como o Pet está morando no Brasil, isso não será necessário.

Mas aprovo a resposta que o craque rubro-negro deu para Ana Maria Brega, digo, Ana Maria Braga. Se o Pet é socialista, problema dele. E que problema! Ninguém tem nada com isso.

Tem gente favorável que os Cansados e os Millenaristas sejam sumariamente colocados no paredón. Ora bolas. A mais solene forma de resposta que podemos dar é o ostracismo. Não precisamos criar mártires entre os reacionários, pois o sangue dos mártires faz crescer desde movimentos políticos a religiões. Deixemos os Cansados e os Millenaristas anônimos em sua ignorância e em sua masturbação ideológica.

Quanto ao funk, é curioso que só esses partidos cretinos governistas possam usar o reacionário fânqui em suas campanhas. Afinal, não dá pra compor um fânqui com letras tipo "É 45, 45, 45, 45..." ou "É 25, 25, 25, 25...".

Seria um fracasso nas paradas de sucesso e um fracasso eleitoral.