segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Comunidade de Floripa no Orkut teve momento constrangedor


Na comunidade principal dedicada à minha terra natal, Florianópolis, houve um momento constrangedor. Foi há quatro anos.

Uma "patricinha" se dizia solitária, numa mensagem lacônica dessas pessoas que escrevem pouco e em internetês. Vi no perfil dela, por curiosidade, que ela, de 19 anos na época, colocou como gosto musical gangsta rap e "funk carioca".

Aí eu disse que o gosto musical foi a razão dela estar sozinha e que, se ela curtisse música brasileira autêntica - só por provocação, eu citei um músico bem sofisticado, o violonista Turíbio Santos - ela teria mais sorte no amor.

Aí a fauna entorpecida que leu meu texto reagiu chamando Turíbio de chato e coisa e tal, e teve idiota, se não me engano um que, pela foto, é um playboy fazendo olhar de tarado, que, reagindo meu comentário de que "funk carioca" não é coisa de inteligente, falou algo como "não entendo porque você diz que o 'funk' não é música de gente inteligente".

E teve gente defendendo o gosto musical dela, em nome da "liberdade", blablablá, blablablá. Mas em nome da "liberdade" uma marcha "ecumênica" (nada mais "democrático", não) no Vale do Anhangabaú (Sampa), em 1964, pediu um golpe militar que trouxe a ditadura, o AI-5, o DOI-CODI e outras barbaridades e deu sumiço em muita gente boa, desde lindas gatinhas até pais de família que supostamente tenham relações com Moscou, Pequim e Havana.

Diante de tanta confusão, o moderador da comunidade fez por bem eliminar o tópico lançado pela tal patricinha funqueira.

O que foi parar uma funqueira e seus defensores numa comunidade dedicada a uma das principais capitais do Sul do país, não dá para entender. Salvo honrosas exceções, o Sul pode ter se imbecilizado - todo o país ficou assim - , mas não imaginava que chegasse a esse ponto.

Para ilustrar, eu mostro aqui um vídeo do "chatésimo" Turíbio Santos, gravando uma composição do "tenebroso" Heitor Villa-Lobos, que Turíbio chegou a conhecer pessoalmente na adolescência. "Genial" é Tati Quebra-Barraco, não é?

2 comentários:

O Kylocyclo disse...

Não, Turíbio Santos não é catarinense, é maranhense, mas foi o músico que me veio na cabeça, por ser um dos mais sofisticados e competentes. Mas como eu estava lidando com gente burra - tão ignorante que, na sua burrice, se acha tão inteligente - , os caras reagiram mal.

André Jede. disse...

De fato, gosto musical (ou qualquer outro gosto) não se discute. E discutir gostos faz parte... Agora, eleger um gênero musical de qualidade duvidosa como sendo a representação de um grupo ou realidade social é temeroso. Especialmente dando a ele o rótulo artificial de "movimento cultural". Eu, como já disse, até ouço breganejo, mas eu o deixo no seu devido lugar: apenas música de entretenimento. Não tem nenhuma comparação com Helena Meirelles, Indio Cachoeira, Almir Sater, Renato Borghetti, César Oliveira e Rogério Melo, só pra citar alguns... E se vendagem fosse sinônimo de qualidade, os camelôs dominariam o mundo...