domingo, 31 de janeiro de 2010

MPB FM VIROU "CASA DA MÃE JOANA" E DESRESPEITA OUVINTES


O que se previa aconteceu. Não bastasse Odair José e Benito di Paula aparecerem no programa "Classicos MPB" da MPB FM, ou incluir Alexandre Pires e Péricles (Exaltasamba) no projeto Samba Social Clube, agora é a vez do programa Noite Preta, apresentado por Preta Gil, mostrar que o buraco é mais embaixo.

No priemiro programa, nada menos que Fábio Jr., Claudinho & Buchecha e, pior, Harmonia do Samba, apareceram sujando o toca-CD da emissora.

Fábio Jr. é defendido como "MPB" por certos lobistas porque segue aquele estereótipo "chique" atribuído à "MPB pasteurizada". Ou seja, um mero "cumpridor de normas" da dita "boa MPB". Depois vem Bia Abramo ou similares dizendo que nós é que defendemos qualquer normatização da música brasileira.

Claudinho & Buchecha são defendidos como "MPB" por certos lobistas por conta de uma versão de um sucesso deles - que nem foi composto pelos funqueiros, dos quais só sobrou o segundo - gravada por Adriana Calcanhoto sob a alcunha de Adriana Partimpim. Kid Abelha, ícone do Rock Brasil adotado pela nova MPB, também gravou uma outra música da dupla, "Quero Te Mostrar".

Já Harmonia do Samba apresenta problemas, porque só é considerado "MPB" por intelectualóides arrogantes tipo o baiano Milton Moura e o mineiro Eugênio Raggi. O grupo começou fazendo porno-pagode mas depois, radicado em São Paulo, passou a fazer sambrega.

O maior problema disso tudo é que, no horário de Noite Preta, não existe uma outra opção para ouvir MPB autêntica nas rádios. Mas para ouvir Fábio Jr., já existe a Nativa FM e FM O Dia. Para ouvir Claudinho & Buchecha, tem as FMs O Dia e Beat 98. E Harmonia do Samba se ouve nas três rádios popularescas.

Só que não tem opção para o ouvinte escutar, sem escalas ou interrupções, Wilson Simonal, Wilson Simoninha, Jackson do Pandeiro, Nação Zumbi, Elza Soares, Jorge Veiga, Orlandivo e outras coisas musicalmente íntegras. As outras rádios, de adulto contemporâneo, quando muito só tocam a MPB moderna que é trabalhada nas paradas de sucesso, e mesmo assim intercaladas com muita música estrangeira.

Por isso mesmo é que o ouvinte da MPB FM acaba sendo tratado com desrespeito. Por favor, não venham os defensores do brega-popularesco falarem em "democracia", "ruptura de preconceitos" e outros chavões, porque isso não convence. A realidade é que a MPB FM virou a Casa da Mãe Joana, onde agora pode entrar qualquer um. Para o empresário do MC Créu, por exemplo, vai ser uma maravilha, porque quando passar a onda é só Preta Gil socorrer e ela despeja logo no programa dela e, talvez, no cardápio geral da (ex-)MPB FM, que, francamente, aderiu à "peemedebização". Infelizmente, há quem veja a sigla MPB como uma espécie de "fisiologismo" cultural.

Um comentário:

Lucas Rocha disse...

Será que, para a PMDB FM voltar a ser MPB FM, os ídolos brega-popularescos, a Preta Gil e seu programa "Noite Preta" teriam que se mudar para a FM O Dia?