sexta-feira, 30 de outubro de 2009

MPB DEIXADA PARA TRÁS


No cartaz publicitário de uma das principais redes de supermercados do Rio de Janeiro, aparecem quatro cantores cujo posicionamento sugere uma linguagem que dê prioridade aos ídolos popularescos.

São quatro cantores, posicionados da esquerda para a direita: a Garota Gigantinha (cantora de axé-music baiana, apesar de nascida em São Gonçalo-RJ), os breganejos Leonardo e Daniel, e o sambista Zeca Pagodinho.

Destes, Zeca Pagodinho é o único que realmente representa a MPB autêntica. Os demais são expoentes do brega-popularesco que nada têm a ver com a verdadeira MPB, apesar do pretensiosismo.

Nota-se que, no cartaz, publicado em outdoors, encartes de jornais e transdoors, Zeca Pagodinho é posicionado para trás, como se fosse o "nome menor" entre os quatro citados. O que mostra o quanto os verdadeiros artistas da Música Popular Brasileira autêntica, mesmo com algum espaço na mídia, são sempre deixados em planos subalternos.

Não é preciso dizer que os empresários de redes de supermercados estão entre os maiores patrocinadores da Música de Cabresto Brasileira.

JAIME LERNER NÃO É DEUS


Deu no jornal A Tribuna, de Niterói.

Jaime Lerner, ex-prefeito de Curitiba, propôs às autoridades niteroienses que haja redução em 50% das frotas de ônibus de Niterói.

Se isso acontecer, será um dos MAIORES DESASTRES para o transporte niteroiense. Vale lembrar que parte da ruindade do transporte coletivo de Salvador (Bahia), por exemplo, se deve às reduzidas frotas de ônibus na capital baiana.

Jaime Lerner não é Deus. Ele é um tecnocrata do transporte coletivo. Apesar de algumas virtudes, ele nem sempre vê o transporte pelo ponto de vista dos passageiros, e adota soluções mirabolantes para o transporte.

Mas veio o hype de Curitiba e nos anos 90 várias idéias-engodo passaram a ser defendidas pelos tecnocratas e politiqueiros de plantão: "pool" nas linhas de ônibus, sistema "integrado" (que reduz a fonte de renda dos empresários de ônibus em benefício do mercado turístico e força as empresas de ônibus a pressionarem politicamente as autoridades, em troco das "mesadas" recebidas dos prefeitos), bancos de plástico nos ônibus, pintura padronizada, tudo maravilhoso no discurso, mas sem qualquer benefício prático efetivo para os passageiros.

É bom lembrar que essa proposta de reduzir as frotas de ônibus em 50% foi a principal idéia do ridículo projeto "Rio Bus", da COPPE/UFRJ, elaborado e defendido por tecnocratas vaidosos, que achavam o projeto "genial e revolucionário". Queriam vê-lo implantado em 1998, mas a vontade de Deus, pensando nos passageiros, prevaleceu, porque o "Rio Bus" faria, com a certeza absoluta, decuplicar os engarrafamentos na cidade do Rio de Janeiro de tal forma que teria reflexos até no trânsito de São Paulo, transformando a Via Dutra num gigantesco estacionamento 24 horas.

A idéia infeliz do dr. Lerner - que imagina não haver tantos automóveis nas ruas - provocará um engarrafamento três vezes maior, entupindo as ruas do centro niteroiense de forma dramática.

Recentemente, as frotas de ônibus de Niterói e adjacências (São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Rio Bonito) sofreram um aumento devido à redução do número de vans.

XÔ, NEURA!!


"A vida política brasileira está um lodo. Os petralhas estão acabando com o país! Tem que ter golpe militar!" (Diogo Mainardi)


"Dexa disso, neura!! Vá embora" (Veja Multi-uso)