domingo, 25 de outubro de 2009

KATY PERRY FAZ ANIVERSÁRIO


Embora ela faça sucesso ao lado de bobagens como Britney Spears e Lady Gaga, Katy Perry, que faz 25 anos hoje, além de ser essa beleza fascinante de mulheraça, é uma moça diferente do que se pode parecer.

Sua atitude aparentemente "tola" tem algo de satírico, coisa que muitos atribuem erroneamente à Lady Gaga, que é idiotice pura e gratuita.

Katy Perry, não. Por trás das aparentes bobagens que faz, com a ressalva de que algumas de suas músicas são realmente boas, ela é excelente cantora e compositora, e ainda por cima toca guitarra.

Linda até depois de dizer chega, Katy Perry adota um visual inspirado na falecida atriz Bettie Page, e num vídeoclipe, da música "Thinking of You" ela apareceu vestida à moda dos anos 40, já que a historinha do clipe passa durante a Segunda Guerra Mundial.

Por isso Katy Perry é lindíssima, talentosa e despretensiosa. Não fica fazendo dance baba sob o pretexto de criar uma revolução estético-comportamental feito a Lady Gaga. Katy Perry sabe que usa muito de humor satírico em sua música, não quer mudar o mundo com isso, mas também faz uma crítica ao pretensiosismo oco dos atuais ídolos pop.

Neste sentido, Katy Perry percorre o caminho inverso da Nelly Furtado, antes uma artista arrojada e hoje, sob o pretexto de ter "mais atitude", sucumbiu ao superficial estilo do hip hop contemporâneo. Katy, supostamente fazendo bobagens pop, na verdade faz uma crítica não muito generosa a esse mundo do descartável, do escandaloso e do fútil.

Katy Perry, como a maioria esmagadora das mulheres lindíssimas e interessantes, atualmente está namorando, o felizardo é Russell Brand.

Em todo o caso, desejamos aqui os parabéns e tudo de bom para essa maravilhosa gata. Feliz Aniversário, Katy!!!

MTV Brasil deveria abandonar a gíria "balada"


Não fica bem uma emissora que é até bacana manter a gíria "balada", uma gíria de laboratório que não combina com a programação inteligente da franquia brasileira.

Embora seja de uma franquia do Grupo Abril, a MTV brasileira possui uma autonomia não só em relação aos franqueadores quanto à matriz estadunidense, que é mais conservadora em muitos casos.

Uma emissora que chega a recomendar para os jovens desligarem a televisão para lerem um livro não pode insistir numa gíria que corre solta em programações imbecilóides de canais como a Rede TV!. Não pode insistir numa gíria de laboratório, sem qualquer serventia nem contexto social, só porque ela é supostamente associada aos jovens de hoje.

É legal ouvir pessoas falando em "festa", "boate", "bar", no sentido de enriquecer o vocabulário, assim como é deprimente ouvir marmanjões dizendo "balada" ou "galera" (outra gíria desgastada).

Naquela linha "se pode complicar, pra quê facilitar?", os jovens viciados na gíria "galera" são obrigados a fazer malabarismos tipo "galera lá de casa", "galera lá da escola", "galera da produção", "galera da televisão", "galera do Orkut", porque é incapaz de usar um vocabulário ao mesmo tempo rico e simples no sentido. Seria mais fácil ele dizer "minha equipe", "meus colegas", "meus amigos", "minha família", em vez de "galera" disso ou daquilo. Como também é mais sensato falar "boate" e "festa" ao invés do preguiçoso e esquizofrênico "balada".

O último recurso do uso da decadente gíria "balada" pela MTV é através de uma promoção com um aparelho de barbear. Ah, os publicitários adoram a gíria "balada", pois são seus co-autores. Antes disso, houve o tal programa "Balada em Ibiza" que foi fogo de palha, não adiantou uns patetas falarem em "balada" porque os gringos logo viram neles um bando de "cucarachas" metidos a inventar palavras à toa.

A gíria "balada" deveria cair em desuso, para o bem da humanidade. Nem possíveis hipóteses de derivação e corruptela linguísticas conseguem explicar com exatidão a palavra. Toda gíria de verdade tem um fundo social e uma vida de micróbio, e a gíria "balada" não tem uma coisa nem outra. Primeiro, por ser uma gíria de proveta, criada por publicitários, radialistas e empresários dos agitos noturnos. Segundo, porque é uma gíria com longevidade artificial, uma gíria que não quer ser gíria, quer entrar no Aurélio e durar milênios.

Mas a verdadeira gíria não é arrogante a querer viver além de suas condições naturais. Se uma gíria morre, ela morre e pronto. A gíria "balada" já deveria ter morrido há uns cinco anos, se ela não fosse tão artificial assim. Só que esta gíria de proveta tem até departamento comercial e esquema de mershandising, por isso a desesperada e calculada sobrevida.

Pessoal da MTV, deixe a gíria "balada" para a Rede TV!, Jovem Pan 2, Caldeirão do Huck, Quem Acontece, portal Ego, revista Caras e outros redutos da alienação cultural. Deixe essa gíria para clubbers desmiolados, playboys reacionários, esportistas grosseiros, fofoqueiros sádicos e outras espécies da fauna midiota.

Uma rede de televisão que produz o excelente Furfles deveria apagar a gíria "balada" do seu dicionário.

Para entender o verdadeiro sentido da gíria "balada" é só trocar, respectivamente, o "l" e o "d" por um segundo "b" e pelo "c".

MORRISSEY COM PROBLEMAS DE SAÚDE



Algo está errado com a saúde do grande cantor Stephen Morrissey, que havia sido famoso na década de 80 através da banda The Smiths.

Aliás foi justamente após interpretar "This Charming Man", um dos clássicos do antigo grupo, Morrissey sentiu problemas respiratórios e desmaiou, durante uma apresentação na cidade inglesa de Swindon, no sul daquele país.

Os técnicos desligaram a iluminação do palco enquanto Morrissey era socorrido imediatamente, levado para o hospital Great Western, daquela cidade.

Morrissey havia cancelado outras apresentações alegando problema de saúde. O que será que aconteceu? Sou fã do cantor e de sua antiga banda, e fico chateado com isso, porque Morrissey passou por uma má fase pessoal, na segunda metade da década de 90, e recentemente deu a volta por cima. Tem uma sólida carreira-solo, com uma banda competente e esforçada e, apesar de não ter o carisma dos ex-parceiros dos Smiths, faz um trabalho de excelente qualidade.

O meu palpite é que Morrissey, vegetariano, deve sofrer de carência de proteínas existentes nas carnes mas que podem ser encontradas em vegetais. Não seria hora do cantor fazer consulta com o nutricionista? Além disso, Morrissey, que era magro, andou ganhando bastante peso.

Em todo caso, esperamos todos nós que Morrissey recupere toda a saúde, tenha uma vida bastante longa e possa manter seu exemplo digno de pessoa e artista.

MENSAGENS SUBLIMINARES I - "FUNK CARIOCA"


Iniciamos a série para mostrar alguns comentários reacionários contra mim e a mensagem oculta que está por trás.

Desta vez começamos com o "funk", devido à sua ambição imperialista de dominar o mercado popularesco nacional, e usaremos o comentário do tal defensor do ritmo, que se preocupou mais em questionar meu esquerdismo do que em defender a esquerda a qual ele precisa para empurrar um discurso "militante" mais convincente.

A idéia é reproduzir a mensagem original e depois escrever um discurso que estaria oculto por trás dessa mensagem, considerando as intenções e o contexto em que ela foi produzida e enviada.

MENSAGEM ORIGINAL

"Nossa senhora mãe do céu! Além de apresentar fatos fictícios, seu texto é completamente contraditório. Afinal de contas, MV Bill também esteve no Faustão mais de uma vez! O que fica claro é o seu preconceito descarado contra o funk, uma manifestação cultural legítima e maravilhosa. É o som das favelas cariocas, goste você ou não. Ou seja, além de incoerente e contraditório, você é extremamente preconceituoso. Ah! Com relação ao seu "esquerdismo", já dizia o meu avô: "Prefiro mil vezes um conservador inteligente do que cem esquerdistas estúpidos. Pelo menos eles sabem defender suas idéias e o fazem com coerência". Sábias palavras as do vovô!!! Viva o funk!!! (Em off, sei que não vai aprovar a publicação no blog, mas o recado é para você mesmo!) (Anônimo)"

MENSAGEM SUBLIMINAR

Nossa senhora mãe do céu! Além de duvidar dos mitos promovidos por nós, funqueiros, e pela grande mídia que o apoia, seu texto vai contra o discurso oficial dominante. Afinal de contas, eu quero estar no mesmo lugar do MV Bill, quero copiar o discurso dele e aparecer no Faustão mais de uma vez! O que fica claro é que você odeia o "funk" carioca, quer derrubar os mitos que a gente promove e defende e quer fazer com que o "funk" perca a popularidade e prejudique o faturamento que nós, dirigentes e empresários, lutamos tanto para manter e crescer, até de forma desonesta. Goste ou não, o "funk" carioca é o modismo do momento, nós vamos enriquecer às custas dos otários das favelas de qualquer jeito! Ah! Em relação ao seu esquerdismo ameaçador, já dizia o meu avõ: "Prefiro mil vezes um golpista que permita o desenvolvimento capitalista seguro com povo submisso do que mil esquerdistas raivosos que ameacem desde o 'funk' à UDR". Pelo menos os golpistas têm um projeto de "equilíbrio social" que mantenha o povo submisso e a livre iniciativa das empresas. Sábias palavras do vovô. Viva o "funk"!! (Em off, sei que meu comentário é muito covarde para ser publicado sem que você me conteste)