sexta-feira, 2 de outubro de 2009

PARA AS AUTORIDADES QUE APOIARAM O RIO 2016


Se as autoridades que estavam por trás da campanha Rio 2016, e agora preparam as Olimpíadas na Cidade Maravilhosa para daqui a sete anos, prometem efetivar muitas melhorias, lanço aqui um desafio.

Que tal investir em moradias mais dignas para o povo pobre e começar a acabar com as favelas no Rio de Janeiro? Que tal começar com uma urbanização-monstro no Complexo do Alemão e arredores?

E que tal um programa de combate pesado à criminalidade, com policiais à paisana em ações sigilosas para capturar bandidos de surpresa?

"INFORME PUBLICITÁRIO"


Você é afeito a um estilo de vida mais chique?

Precisa fazer sucesso na sociedade sem fazer muito esforço?

Pois então experimente os famosíssimos SAPATOS DE COURO OU DE VERNIZ.

São sapatos pontudos, que não garantem conforto aos seus pés, mas asseguram certamente todo o conforto do seu ego.

Ótimo para passear em shopping centers para comprar vários presentes, fazer refeições no restaurante mais credenciado e voltar para casa com um calo nos pés como lembrança!

Excelente para empresários e profissionais liberais cinquentões irem para eventos chiques com suas jovens esposas de 20 ou 30 e poucos anos. Ou apenas para esses coroas mostrarem para os amigos que eles são bem mais velhos que suas jovens esposas.

Os sapatos de couro ou de verniz servem para homens sem opinião virarem homens formadores de opinião, num piscar de olhos!

Também servem para garantir o sucesso dos grandes profissionais que sintam falta de uma nova idéia de sucesso!

No nosso pacote promocional, você pode comprar pelo menos três pares de uma só vez! E pode ainda renovar toda sua coleção a cada seis meses com sapatos TOTALMENTE IGUAIS!



E comprando os maravilhosos SAPATOS DE COURO OU DE VERNIZ, na sapataria mais próxima de sua casa, você ganha o VALE-BENGALA.

Juntando dez desses cupons do VALE-BENGALA, você pode receber INTEIRAMENTE GRÁTIS uma linda bengala como a dessa foto, entregue a domicílio, com frete de graça!!

Essa linda bengala vai garantir um belo apoio para suas pernas, quando você completar 75 anos de idade, depois de uma linda carreira usando e abusando dos SAPATOS DE COURO OU DE VERNIZ.

Vejam os depoimentos:

"Quando deixei o vôlei para ser dirigente olímpico, passei a usar os SAPATOS DE COURO OU DE VERNIZ. A sola é dura, mas é só andar devagarinho que a gente nem sente dor."
CARLOS ARTHUR NUZMAN, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro.


"Desde que usei os SAPATOS DE COURO OU DE VERNIZ, minha carreira de publicitário deslanchou e ganhei prestígio como administrador de negócios".
ROBERTO JUSTUS, empresário, publicitário e apresentador.

"Eu uso meus SAPATOS DE COURO E VERNIZ em meu programa, a galera toda adora, eu só não posso andar rápido no palco senão eu escorrego, meu!"
FAUSTO SILVA, apresentador.

"Com os SAPATOS DE COURO E VERNIZ, passei a me apresentar até nos concursos de Miss Brasil, tornei-me uma celebridade VIP".
ALEXANDRE PIRES, cantor.

"Nos eventos sociais, não abro mão dos SAPATOS DE COURO E VERNIZ, que me fazem sentir importante".
MALCOLM MONTGOMERY, médico.

"Eu queria abolir o uso de paletó e gravata no Congresso Nacional, mas nunca me passou pela mente querer abolir o uso dos legítimos SAPATOS DE COURO E VERNIZ".
GERSON CAMATA, senador.

"Meu próximo livro eu farei minha campanha de divulgação sempre utilizando os SAPATOS DE COURO E VERNIZ".
ALMIR GHIARONI, médico.

"É outro estilo, mas prometo experimentar quando for ao próximo PRÊMIO CONTIGO".
MARLBORO, empresário e DJ de "funk".

"Cabo Anselmo" dos anos 90 lança novo disco


Charlie Brown Jr., banda de pop-rock de Santos (SP), queridinha das rádios pseudo-roqueiras da virada dos anos 90 para os 00, tornou-se sucesso por uma questão de acaso, quando um conflito interno nos Raimundos, líder do filão "punk paras as massas" (espécie de poppy punk à brasileira), tirou o grupo das paradas de sucesso. Rodolfo Abrantes, o vocalista, abandonou o grupo e tornou-se, desde então, militante e hoje pastor evangélico.

Charlie Brown Jr., desse modo, ocupou o filão dos Raimundos, com uma postura e um discurso, da parte do vocalista Chorão, que, com 35 anos de diferença, se assemelhavam justamente ao discurso que o sargento José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, havia feito durante a Revolta dos Marinheiros, em março de 1964.

Era aquele discurso de "rebeldia" que não era muito claro. Não havia um ideal de vida, nem um questionamento real dos problemas da sociedade, fora aquelas coisas clichês. O discurso do Cabo Anselmo e de Chorão apenas dizia o seguinte: "O país está perdido, você tem que ficar atento, tem que tomar cuidado". E só.

Não sou eu que digo, são os fatos que assim mostram. Afinal, é só comparar nomes do rock brasileiro dos anos 80, como Clemente, Renato Russo ou mesmo Cazuza, para perceber que eles de fato questionavam os problemas sociais, enquanto Chorão soava muito vago. Tal comparação se assemelha à entre o discurso vago do Cabo Anselmo e os questionamentos concretos da turma da União Nacional dos Estudantes, naquele ano de 1964.

Os próprios jornalistas também diziam coisa semelhante. Ricardo Alexandre, que havia tentado ressuscitar a ótima revista Bizz, fez nela uma resenha de um disco do Charlie Brown Jr. dizendo que o grupo adotava uma postura direitista com retórica de "esquerda". A mesma coisa que Cabo Anselmo, que, oficialmente, se declara um "esquerdista traído".

Chorão só não teve a crueldade de Cabo Anselmo, que era agente da CIA (Central Information Agency) dos EUA, e depois se tornou um dos mais perigosos dedos-duros da ditadura militar, entregando seus próprios colegas para os órgãos de repressão.

Chorão, pelo menos, se limitou a ser "colaborador" da grande mídia, aparecendo até nos programas da Xuxa e do Faustão. No entanto, Charlie Brown Jr. tornou-se banda famosa pelos defensores fanáticos, que, intolerantes, não suportam que alguém comente sequer uma tosse do Chorão.

Musicalmente, apesar dos esforços melódicos nos discos mais recentes, o Charlie Brown Jr. é musicalmente medíocre. Por isso, é covardia colocar o grupo santista no mesmo patamar da Legião Urbana. Neste sentido, o Charlie Brown Jr. é equivalente brasileiro dos Guns N'Roses, no pretensiosismo roqueiro e no fanatismo de seus fãs (neste caso são fãs mesmo, porque o contexto permite).

PAULA COLE REPROVA MEDIOCRIDADE MUSICAL


Infelizmente, falar mal da mediocridade e da boçalidade musicais é o mesmo que oferecer a cara a tapa. Nem que seja para ser desprezado pelo grande público.

Paula Cole, cantora norte-americana de folk que participou do primeiro festival Lilith Fair - com Sarah McLachlan, Sheryl Crow, Fiona Apple, Tracy Chapman, Jewel e a veterana Emmylou Harris (que chegou a namorar o falecido ex-Byrds e ex-Flying Burrito Brothers Gram Parsons) - em 1997, deu sua perspectiva realista e não muito otimista à música internacional. As declarações dela são bem interessantes e ponderadas:

"Acho que é mais difícil agora do que foi para minha geração, e foi mais difícil para a minha geração do que para a do baby boom. As pessoas se tornaram ouvintes menos seletivos, o que é trágico, na verdade. Existem muitos farsantes por aí, sejam cantoras ou cantores. Isso me incomoda. É difícil ter sucesso, e é como subir o Monte Everest quando você de fato consegue isso."

Ela segue sua carreira, sem compromissos comerciais, enquanto o irrit-pareide se povoa de nomes que deveriam ser fugazes, mas contam até com defensores fanáticos violentos (mais tarde falaremos dos fanáticos do irrit-pareide).

Paula, conhecida pela sua turnê com Peter Gabriel, cantou até com Burt Bacharach num evento ao vivo. Aqui vemos ela com sua única música conhecida no Brasil, "Where the Cowboys Gone", numa versão ao vivo. Veja o vídeo abaixo:

FUNQUEIRO NEOLIBERAL


O funqueiro reacionário soltou essa "pérola" já publicada aqui:

"Ah! Com relação ao seu "esquerdismo", já dizia o meu avô: "Prefiro mil vezes um conservador inteligente do que cem esquerdistas estúpidos. Pelo menos eles sabem defender suas idéias e o fazem com coerência". Sábias palavras as do vovô!!! Viva o funk!!!"

O carinha ficou mais preocupado em desqualificar meu esquerdismo, e não fez defesa alguma aos esquerdistas. Pelo contrário, ele chamou os esquerdistas de estúpidos, o que dá margem a uma mensagem subliminar.

O que ele quis dizer foi EXATAMENTE o seguinte:

"Você, do blog O Kylocyclo, é um esquerdista de bosta. Esquerdista é tudo estúpido. Já tenho o apoio da Rede Globo, estou com os poderosos mesmo, e daí? Os caras da Caros Amigos e do PSOL são tão bundões que aceitaram apoiar minha causa funkeira. Meu avô exaltava os grandes líderes da ditadura militar e os políticos civis conservadores, como o saudosíssimo Antônio Carlos Magalhães. Grandes tempos os de Collor e FHC, porque neles o 'funk' e o É O Tchan, que influenciaram muito o ritmo carioca, nasceram e cresceram na mídia. Sou reacionário, conservador e estou com os poderosos, podendo ser até o José Sarney e o Renan Calheiros".

RIO É SEDE DAS OLIM-PIADAS DE 2016


"Quanto riso, oh, quanta alegria. Mais de mil palhaços no salão..."