domingo, 6 de setembro de 2009

LARISSA MACIEL SE CASA HOJE


Larissa Maciel se casa hoje, oficialmente.

Menos uma mulher linda e classuda no "mercado". Podem preparar os lenços e o balde vazio para os rios de lágrimas. Mas no caso de Larissa, isso não é de hoje. Praticamente Larissa já estava casada com seu noivo, o administrador de empresas André Surkamp.

Enquanto isso, Sheila Mello, mantendo o medo de se casar com um empresário (logo ela que, segundo muitos, tem o maior jeitão de mulher-bem-casada-com-empresário), vai para um festival de dança na Índia, antes de se confinar no "riélite" A Fazenda 2. Eu é que não vou casar com a Sheila, não!! Deus me livre!

Sheila vai "representar" o zouk, nome que hoje tornou-se uma forma de eufemismo para a intragável "lambada", de tétrica lembrança. Sheila disse que dança "zouk" há quinze anos. Quer dizer que o hediondo É O Tchan era uma "banda (sic) de zouk"? Fala sério!!

Tomara que Sheila encontre algum empresário indiano para se comprometer com ele e deixar os nerds e homens intelectualizados em paz.

NÃO VOU PASSAR A FALAR BEM DA "MÚSICA SERTANEJA"


Cena de um rodeio, reduto maior dos ídolos breganejos, arena dos latifundiários de todo o país.

Não vou aqui ceder à vontade de determinado(s) reacionário(s) que queriam que eu "respeitasse" os ídolos "sertanejos". Ele que deixe de ler O Kylocyclo e fique em casa gostando de seus ídolos. Isso se ele for realmente um fã e não um funcionário a serviço da mídia ou desses ídolos.

Eu, que sou jornalista e procuro conhecer melhor as coisas, sei muito bem a diferença entre a verdadeira música caipira, que corre o risco de desaparecer completamente, e a música pseudo-caipira, com elementos estereotipados de country, mariachis e boleros, adotados não para somar às influências nacionais, mas pura e simplesmente por ação mercadológica.

Por isso a culpa não é minha se Zezé Di Camargo fala muita bobagem, se Daniel canta como se fosse o Barney Rubble, se Chitãozinho & Xororó são patéticos e se é risível haver uma dupla com nome de João Bosco & Vinícius.

Se o tal do Olavo Bruno não gostou, ele que deixe de ler O Kylocyclo e fique na sua. Senão ele vai dar a idéia de que é um desocupado encrenqueiro, e isso vai trazer problemas até para os ídolos que defende. Daí para as fãs de Vítor & Léo e João Bosco & Vinícius acreditarem que os adeptos dessas duplas se comportam que nem nazi-punks, é um pulo, de vaqueiro rápido e rasteiro. Por isso que esses carinhas não banquem os jagunços virtuais. Se gostam de breganejo, se preocupem em gostar deles e não amolem quem não gosta.

A culpa não é minha da mediocridade do breganejo. Não tenho inveja, não me sinto incomodado pessoalmente, mas fico preocupado com o fato de que o breganejo, como os outros estilos popularescos, querem invadir espaços que não são os seus.

Hoje o brega-popularesco não quer só a TV aberta e as FMs popularescas que tanto lhe produziram sucesso. Querem invadir redutos ocupados pela MPB autêntica, redutos mais intelectualizados, não porque esse brega-popularesco seja realmente uma cultura séria, mas apenas em caráter expansionista. Como todo fenômeno capitalista, que quer invadir terrenos como os velhos bandeirantes derrubavam florestas e exterminavam grupos indígenas.

Do Chitãozinho & Xororó ao Vítor & Léo, TODO o breganejo é sempre fake. No fundo são apenas filhotes do Waldick Soriano posando de "Novo Clube da Esquina". Tudo falso, forçado, pedante. Por isso é que eles já tem seus espaços, as rádios, TVs, bares, boates, galpões, vaquejadas, rodeios, toda a arena e todos os redutos onde o "sertanejo" mais brega tem e onde ele deve ser aplaudido por seus fãs e pelos "coronéis" que apoiam este tipo de música.

Mas aí eu digo que isso NÃO É MPB e recebo declarações caluniosas, difamatórias, de gente que ataca também a MPB autêntica, covardemente.

É difícil, muito difícil, defender a cultura de qualidade neste país, porque os adeptos da Música de Cabresto Brasileira, que mamaram nos valores difundidos pela ditadura militar e do latifúndio de sua região, querem a hegemonia absoluta dos seus ídolos. Eles não estão satisfeitos em gostar deles, lutam pela unanimidade impossível. Lutam pela supremacia, tal qual os latifundiários - agora conhecidos pelo nome dócil de "ruralistas" - lutam por sua supremacia na economia de nosso país.

Assim como os "coronéis" latifundiários se acham "donos" do território brasileiro, "proprietários" indiscutíveis de nossa democracia, o universo breganejo também se acha "dono" da cultura brasileira, e quer ser "proprietário" da Música Popular Brasileira. Nem que seja preciso difamar os verdadeiros artistas da MPB mais autêntica.

"FUNK" FISIOLÓGICO


Se o presidente Lula é capaz de se entrosar com Fernando Collor, José Sarney e Renan Calheiros, também é capaz de se entrosar com a horrenda Valesca Popozuda.

"FUNK" NAS ESCOLAS?

PRIMEIRO, A DOCE ILUSÃO


Isso aí é apenas uma forma politicamente correta. Tudo "direitinho", tudo "bonitinho". Tirado do blog da Professora Jales. Aparentemente sem maldade, mesmo na letra. Só que a letra, mesmo sendo aparentemente bem intencionada, mostra a tolice e as limitações artísticas do ritmo popularesco, ainda que dentro de um contexto "carola":

VOCALISTA: Ei estudantes nosso lema é o quê?

TODOS: Estudar e ler bastante dar valor para vencer

VOCALISTA: Ei pessoal, somos fortes pra valer.

TODOS : Por isso eu estudo sou valente vou crescer

Sou da turma que estuda

Tô aqui para aprender

Sou feliz fiquem ligados

Tô aqui para vencer

Minha escola é legal

Meu futuro vai mudar

Vou sempre obedecer

Vim aqui para estudar

VOCALISTA: Ei estudantes, nosso lema é o que?

TODOS: Estudar e ler bastante dar valor para vencer

Ser feliz e ter vitórias, vida bela quero ter...


É o tipo de manobra que poderia ter sido usada pelos "militantes" na reunião dos funqueiros na ALERJ. Algo que pode enganar a sociedade, porque acha que será sempre assim o "funk" ensinado em nossas escolas. Algo que o MC Leonardo pode mostrar para a mídia de esquerda - mídia da qual ele nem precisa mais, se a revista Época abrir uma coluna para o MC, ele não sentirá saudade alguma da Caros Amigos - para fazer valer seu discurso.

Mesmo assim, é a mediocridade do "funk carioca" de alguma forma influenciando nossas crianças. E nada impede que coisas piores sejam empurradas para este público infantil, impunemente, sejam os "bondes", a "coreografia" da boquinha da garrafa (adotada pelos funqueiros) e outras coisas.

Era assim que, em outros tempos, os pais e professores, orgulhosos, empurravam o É O Tchan para a criançada cantar e dançar sem saber do que se trata. No ano passado eu vi em Salvador até uma passeata "espírita" para crianças tocando o horrendo Tchan.

DEPOIS, O LADO SOMBRIO


Depois da doce fantasia do "funk cidadão", que deixa felizes todos os políticos, cientistas sociais e até pedagogos que caem facilmente na falácia habilidosa dos empresários do "funk", quem aderir ao ritmo carioca inevitavelmente conhecerá o inferno que lhe está à espera.

E é bom deixar claro: essa futilidade em torno do "funk" nunca espera que algum aluno "cidadão" complete a maioridade para despejar todo tipo de pornografia, drogas, promiscuidade etc.

Muitos dos "bailes funk" são isso mesmo: pedofilia pura, gratuita, prostituição, drogas, música (?!) de péssima qualidade, fora outros valores de baixíssimo nível que se escondem nas floridas e melífluas palavras que se ouve e se lê sobre o ritmo carioca.

LAGY GAGA NÃO É HERMAFRODITA


Lady Gaga é apenas idiota.

Dance music baba metida a "intelectual".

PLANTÃO DO SHOWRNALISMO ESPORTIVO


Pelo jeito, os rosários do padre Patrick Peyton - "Padre Peyton" deveria ter rendido piadas maldosas nos anos 60 - , que animaram a Marcha da Família Unida Com Deus pela Liberdade, a "marcha pela ditadura militar" (que só não teve uma certa cantora baiana porque ela só viria a nascer em 1972), deram toda a sorte para os amarelões que jogaram contra a Seleção Argentina de Futebol, ontem à noite.

Para quem não sabe, Rosário é a cidade argentina onde realizou o jogo.

SALMA HAYEK COMEMOROU ANIVERSÁRIO ANTEONTEM


Salma Hayek, a belíssima atriz mexicana, completou 43 anos anteontem. 43 anos com um corpinho de 28.

No entanto, ela é casada com o sisudíssimo (praticamente não aparece sem terno e gravata) empresário francês Francois-Henri Pinaut, herdeiro (sim, herdeiro!) da grife Gucci e que tem 48 anos (diz que tem 46) com "corpinho" de 56.

OASIS ACABOU


OASIS, a famosa banda de rock inglesa, encerrou suas atividades. A saída de Noel Gallagher, guitarrista, mentor e principal compositor do grupo, simplesmente inviabilizou a continuidade do grupo de Manchester, mesmo se tivesse Liam Gallagher como vocalista.

E AGORA, ANDY?

A dúvida é como deve ser agora a trajetória de Andy Bell (não confundir com o homônimo cantor do Erasure), conhecido vocalista e guitarrista do grupo Ride (que colocou Oxford no mapa do rock anos antes do Radiohead) - "Twisterella" é cantada por ele - , que tocava baixo no Oasis e, entre os dois citados grupos, ainda integrou o Hurricane Number One, não como vocalista.

Espera-se que Andy forme uma banda bem bacana, volte a tocar guitarra e cantar e a brindar os fãs de música alternativa com grandes melodias.

PLANTÃO DO SHOWRNALISMO ESPORTIVO


A $eleção Brasileira de Futebol venceu mais uma vez. E, pior, contra a simpática e divertida seleção argentina de futebol, em partida de ontem à noite.

Nada supera os "cartolas" brasileiros, principalmente o maior deles, Ricardinho Teixeirinha, o craque de todos os craques das maiores jogadas da Meleção Brasileira.

DESINFORMAÇÃO

O dito "jornalismo esportivo" diz primar pela boa informação, num "perfeito equilíbrio" com o entretenimento. Então tá.

Pois o jornal Lance!, dedicado ao futebol, classificou como "novidades" a vitória da Seleção Brasileira sobre a Argentina e a classificação dos jogadores verde-amarelos para a Copa de 2010.

Ora, ora, não se pode considerar novidade alguma a Seleção Brasileira vencer algum jogo "importante" nos últimos quinze anos.

POR QUE OS ADEPTOS DE BREGANEJO E AXÉ-MUSIC SÃO TÃO REACIONÁRIOS


Por que os defensores e adeptos das ditas "música sertaneja" e "música baiana" são tão reacionários e por vezes violentos? Por que eles são capazes de xingar até a mãe da Maria Rita Mariano e, ainda assim, na maior cara-de-pau exigirem respeito aos ídolos "sertanejos" e axezeiros?

Simples. A axé-music e o breganejo estão entre os estilos popularescos mais rentáveis do Brasil. E são os estilos neo-bregas cujos empresários estão entre as pessoas mais ricas do país, gente com contato direto com o poder, com grandes propriedades de terra, com tráfico de influência na grande mídia e todo um rol de privilégios que os faz falarem de igual para igual com os tecnocratas do FMI.

Portanto, se um marmanjo mal-educado escreve para O Kylocyclo revoltado porque este blog fala mal de ídolos breganejos e axezeiros, não é porque ele é um rapazinho modesto que carinhosamente vai defender os ídolos que ele tanto gosta, mas é um serviçal da mídia ou dos próprios ídolos criticados, gente que vai para a fazenda do "coronel" tal e ganha de graça todo tipo de refeição.

Os Olavo Bruno da vida estão a serviço dos maiores "coronéis" do país. Essa é a verdade.